Notícias

Uma arara-canindé apaixonada

A homenageada desta semana não está ameaçada, mas existe a turma que ama engaiolá-las. Entretanto, o melhor amor não tem porta nem grades. Foto: Edgard Onoda

Redação ((o))eco ·
6 de setembro de 2012 · 9 anos atrás
O animal homenageado desta semana em ((o))eco é a Arara-canindé (Ara ararauna), também conhecida como arara-de-barriga-amarela, canindé, arara-amarela e ara-arauna. Trata-se da arara apaixonada de Affonso Romano de Sant’Anna, que sai da Floresta da Tijuca para se encontrar com seu amado preso na gaiola do zoológico.

Estivessem juntos, fariam seu ninho entre dezembro e maio, provavelmente no buraco do tronco de uma grande palmeira morta, uns 20 metros acima do solo. Em seu ninho, haveria 2 ovinhos que levariam entre 3 e 4 semanas para chocar. Não ficariam paradas. Logo que pudessem, buscariam outras paragens, já que migram em busca de alimento, uma dieta a base de sementes, frutas e nozes.

Além do Brasil, as Araras-Canindé habitam desde o leste do Panamá até o Paraguai. Gostam de viver em pares ou trios. Esses núcleos continuam a existir mesmo quando vários se juntam para formar bandos de até 30 indivíduos.

Apesar de não ser considerada ameaçada, há aqueles que gostam de mantê-las em gaiolas. Amam as aves, dizem. Melhor seria se este amor não tivesse grades. Foto: Edgard Onoda

 

 
 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta