Notícias

Beija-flor-vermelho: um pequeno notável

O homenageado do ((o))eco esta semana é o beija-flor-vermelho, de cores vibrantes e garboso topete. Foto: Itaú BBA/Marcelo Krause

Duda Menegassi ·
1 de novembro de 2012 · 12 anos atrás
O homenageado do ((o)) eco esta semana é o beija-flor-vermelho (Chrysolampis mosquitus). Esse pequeno, que mede cerca de 9,2 centímetros de comprimento, não passa despercebido. A fêmea é bronze-esverdeada na parte de cima e branco acinzentada em baixo. Já o macho esbanja elegância nas cores com cabeça e nuca em vermelho-metálico, garganta e peito laranja-metálico, além de uma barriga pardo-olivácea.

Essa espécie de beija-flor pode ser encontrada na Amazônia, em regiões do Centro-oeste e do Nordeste e até o Paraná. Fora do Brasil, aparece também da Venezuela até a Bolívia. Habitam florestas ralas, campos com poucas árvores, bordas de matas, cerrados e caatingas.

Como os outros beija-flores, se alimenta do açúcar extraído das flores. Põe dois ovos em pequenos ninhos em formato de xícara. Apesar de ser uma ave de hábitos solitários, no ritual de acasalamento o macho se empenha em atrair sua companheira: voa ao seu redor, exibe a cauda e arrepia seu garboso topete de penas avermelhadas.

Suas cores vibrantes atraem não só lentes fotográficas, mas também o comércio de aves. Que ele continue livre e preserve todas essas cores que fazem da sua beleza tão imponente e notável. Foto: Itaú BBA/Marcelo Krause

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Notícias
24 de julho de 2024

Os tubarões-martelo estão de volta ao arquipélago de Alcatrazes!

Pesquisa registra aumento do avistamento de tubarões-martelo no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.