Notícias

Doe sangue para o ciclista que teve o braço arrancado

Familiares organizam campanha de arrecadação de sangue para ciclista atropelado em São Paulo e agradecem manifestações de solidariedade

Redação ((o))eco ·
11 de março de 2013 · 11 anos atrás

Familiares de David Santos Souza, o ciclista que perdeu um braço ao ser atropelado no começo da manhã de domingo a caminho para o trabalho, organizaram uma campanha de arrecadação de sangue. Sua sobrinha Gleice Silva criou uma página no Facebook, na qual pede doações “para ele” e “por ele”. Para doar para ele, é preciso ir até o Hospital das Clínicas e indicar isto na hora da coleta. “O sangue pode não ser exatamente para ele, pode ser simplesmente para repor o estoque, mas doem assim mesmo”, especifica Gleice na página. Para doar por ele, é só seguir a uma unidade de saúde próxima e “simplesmente doar sangue para alguém que precisa”, como explica a sobrinha.

Um dia depois de o tio ser atropelado de maneira brutal na Avenida Paulista, ao mesmo tempo em que agradeceram as manifestações de solidariedade e apoio por parte de outros ciclistas, muitos dos quais sequer conheciam David mas foram a rua cobrar providências, a família organiza uma campanha para doação de sangue não só para ele, mas para todos que precisam. Contra a barbárie, solidariedade.

David foi atropelado quando a estrutura de proteção da ciclofaixa de lazer que funciona aos domingo no local já estava instalada. De acordo com o delegado Luis Francisco Segantin Junior, do 78º Distrito Policial, o motorista Alex Siwek fazia ziguezague nos cones do local quando atingiu o ciclista (o pessoal da Vitamina Design disponibilizou vídeo com os principais trechos da entrevista coletiva do delegado). Ele estava tão rápido que o braço da vítima foi arrancado e ficou dentro do carro. Segundo a polícia, o motorista atirou o membro em um córrego mais tarde. O atropelamento aconteceu antes das 6h. Tirei a foto por volta de 9h, com as pernas bambas e um tanto quanto desesperado em tentar identificar, pelo quadro danificado e as rodas tortas, se era a bicicleta de algum amigo ou conhecido. O sangue espalhado indica velocidade, a mancha no asfalto ocupa mais de duas faixas. A bicicleta está em uma terceira.

São Paulo precisa definir se quer ser uma cidade humana, onde pessoas podem circular pelas ruas, ou a meca dos “pilotos”, a capital do transporte individual ao extremo em que garotos de 20 e poucos anos se acostumam a acelerar máquinas cada vez mais pesadas e rápidas como se não houvesse amanhã. Se quer ser uma cidade onde cabem bicicletas ou se quer ser uma cidade em que é rotina motoristas trafegarem por avenidas a mais de 120 km/h e por áreas residenciais a 80 km/h.

E aí não se trata apenas de responsabilizar o Alex (ou o Thor Batista ou o Ricardo Neis) e resumir tudo ao estereótipo “playboy irresponsável” e pronto. Eles devem pagar pela barbaridades que cometeram, mas são necessárias medidas urgentes para conter comportamentos banalizados de irresponsabilidade no trânsito. É preciso reduzir a velocidade nas ruas. É preciso reduzir a velocidade de aceleração de carros desenhados para rodar em cidades. É preciso não aceitar e não compactuar com este tipo de comportamento social – escrachar os amigos que se orgulham de percorrer estradas em tempos cada vez menores, ou que se acostumam em “voar” para o trabalho. É preciso questionar também a responsabilidade de quem propaga e subsídia tais ações irresponsabilidades. Qual o papel em tragédias como esta das montadoras que investem milhões em campanhas que vendem a velocidade como bem máximo, chegando a apresentar “rachas” com seus carros? 

Ou São Paulo se humaniza, ou passa a ser uma cidade proibida para pessoas. Será que alguém quer (viver em) uma cidade assim?

Leia também:
O ovo da serpente – atropelamentos, racismo, homofobia…

E no Outras Vias:
Sobre o incentivo à velocidade e carros que atingem 334 km/h
Mais do que ciclovias, ciclistas exigem respeito em SP
A morte da menina que plantava árvores em São Paulo

 

Leia também

Notícias
25 de junho de 2024

Queimadas já atingiram mais de 600 mil hectares no Pantanal

Área queimada em 2024 é 143% maior do que o registrado em 2020, quando um terço do bioma foi devastado. Incêndios devem ultrapassar 2 milhões de hectares este ano

Salada Verde
25 de junho de 2024

Florestas de todos

Plataforma governamental reúne informações sobre um dos (ainda) maiores remanescentes planetários de vegetação nativa

Reportagens
25 de junho de 2024

Dinastia Amazônia – Parte II

China se alastra por infraestrutura brasileira e impõe seu modelo de “civilização ecológica” de crescimento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.