Notícias

Documento da Rio+20 está pronto, afirma Patriota

Texto foi aprovado em plenária desta manhã entre negociadores e será entregue para chefes de estado que chegam nesta quarta ao Brasil.

Daniele Bragança ·
19 de junho de 2012 · 10 anos atrás

*Atualizado às 13h30.

Coletiva de imprensa com o Negociador-Chefe do Brasil, Embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, na sexta-feira. Crédito das fotos: Vitor Brunoro/UNIC Rio.
Coletiva de imprensa com o Negociador-Chefe do Brasil, Embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, na sexta-feira. Crédito das fotos: Vitor Brunoro/UNIC Rio.

Negociações do texto final da Rio+20 avançam pela madrugada. O relógio já batia quase 2h da madrugada quando se ouviu aplausos no gabinete do ministro Antônio Patriota (Relações Exteriores), momento em que ele revisava o texto final da Rio+20. O texto foi aprovado pelos negociadores na manhã desta terça feira em plenária no Rio Centro.

Negociadores vararam a madrugada para tentar fechar o texto do documento antes da chegada dos chefes de Estado e de governo, na quarta-feira. O impasse girava em torno da data das negociações. O governo brasileiro quer logo fechar um acordo, mesmo que diluído. Pelo que foi anunciado agora a pouco, conseguiu. Agora, texto será submetido aos chefes de Estado na reunião de alto nível.

Na tarde dessa segunda-feira, o embaixador Luiz Alberto Figueiredo havia anunciado que essa será “será uma longa noite”: “O tempo regulamentar terminou com o fim do comitê preparatório [16]. Estamos na prorrogação, que nunca tem o tempo mais longo que o tempo permitido. Temos de fechar o texto antes da chegada dos chefes de Estado [e governo]”, disse o embaixador, referindo-se às reuniões de cúpula, que vão de 20 a 22 de junho.

As últimas notícias sobre o documento dão conta de que a mudança do status do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) provavelmente não será decidida dessa vez, na Rio+20. Por falta de acordo (o Brasil e os EUA são contra), chegou-se a afirmar no documento que o PNUMA será “fortalecido”, mas sem qualquer definição sobre como isso será feito. Na prática, mais uma decisão postergada para depois da conferência.

Como sempre, a maneira de implementar os objetivos do desenvolvimento sustentável não tem definição. Para chegar a diretrizes claras é preciso dinheiro e transferência de tecnologia. É aí que a oposição norte-sul vem à tona. Os países do G77 (grupo de países em desenvolvimento)
querem manter a noção de responsabilidade comum, mas diferenciadas. O que significa dizer que a conta a ser paga é dos países ricos.

Os países ricos, por sua vez, mergulhados em crise econômica, vetarão qualquer iniciativa que signifique aumento dos seus próprios gastos. Afinal, os países do G77 pediram nada menos do que 30 bilhões de dólares ao ano para um fundo que financiará o desenvolvimento sustentável. As chances de que tal fundo saia do papel são miseráveis. No precipício do euro, a União Europeia não tem fleuma nem visão para nada que não seja o curto prazo.

As dúvidas ainda permanecem. O Itamaraty havia prometido para a noite de segunda-feira a entrega do texto. Aproximadamente 400 pessoas ficaram esperando. Às duas e meia o ministro anuncia, rapidamente, que o texto estará disponível de manhã. É esperar amanhecer para conhecer o conteúdo.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.