Notícias

Corujão-orelhudo: não é apenas sua orelha que é grande

O aumentativo faz jus ao tamanho do homenageado desta semana. O corujão-orelhudo (Bubo Virginianus) é a maior coruja do continente americano. Foto: Milton Mello

Duda Menegassi ·
14 de dezembro de 2012 · 9 anos atrás
A homenagem do ((o))eco desta semana vai para o corujão-orelhudo (Bubo Virginianus), também conhecido como jucurutu ou, apenas, corujão. O aumentativo faz jus ao tamanho desta ave, a maior coruja do continente americano. Mede cerca de 50 centímetros e de asas abertas sua envergadura pode chegar até 150 centímetros. Pesa um quilo ou mais. Outra parte do seu nome, o adjetivo “orelhudo” também se justifica. As orelhas sobressaem nessa coruja acinzentada, mas não trazem nenhum bônus auditivo.

No seu cardápio, insetos são apenas aperitivos, essa espécie gosta mesmo é de outras aves e pequenos mamíferos, como filhotes de cutia e de gato. Vez ou outra até mesmo um coelho pode virar jantar para essa coruja esfomeada. Ocorre desde os Estados Unidos até o extremo sul da Argentina. No Brasil, pode ser encontrado no norte da Amazônia, Centro-Oeste, Nordeste e na costa leste do país, até o Sul. Seu habitat são as matas e os campos abertos.

Costuma pôr seus ovos nos ninhos de outros pássaros. Os filhotes saem dos ovos cerca de um mês depois da postura e com 6 semanas de vida já estão batendo asas e abandonando o ninho. Segundo a lista da IUCN, o estado de conservação da espécie é pouco preocupante, dado a extensão geográfica em que ocorre. Porém, a Lista Vermelha Estadual de São Paulo a qualificou como vulnerável. Foto: Milton Mello.

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta