Notícias

Uma aranha gigante brasileira

A homenageada do ((o))eco esta semana é a caranguejeira-rosa-salmão-brasileira, a segunda maior tarântula do mundo. Foto: George Chernilevsky

Redação ((o))eco ·
12 de outubro de 2012 · 9 anos atrás
A homenageada da semana em ((o))eco é a Caranguejeira-rosa-salmão-brasileira (Lasiodora parahybana). Recebe este nome por causa de sua coloração peculiar, longos pelos de cor salmão sobre uma base preta, e por ser originária do Nordeste Brasileiro. Foi descoberta e descrita em 1917 na região de Campina Grande, Paraíba. É a segunda maior tarântula do mundo, podendo chegar a medir até 25 cm, sendo menor apenas que a Aranha-golias-comedora-de-pássaros, encontrada na região amazônica.

É uma aranha bastante agressiva, mas seu veneno não é capaz de matar um homem adulto. A maior ameaça são seu pelos urticantes, que podem arremessar contra quem a ameaçar batendo suas patas dianteiras. Sua mordida também é bastante dolorida. Vive sob pedras e pedaços de casca de árvore em florestas secas e estepes arbustivas do Brasil oriental.

Podem comer baratas, gafanhotos, grilos, lagartixas, besouros, pequenos roedores e também tem comportamento canibalístico dentro de sua própria espécie. Sua reprodução é bem simples porém muito interessante: um casulo pode conter mais de 2000 filhotes! Estes só bem pequenos ao nascerem, mas crescem de forma incrivelmente rápida. Foto: George Chernilevsky

 

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta