Notícias

Aperte o botão de “on”

Qual é a diferença entre um carro a gasolina e um elétrico? Dirigir o elétrico é melhor. O Ecocidades testou e aprovou as tecnologias que chegarão, de preferência, em breve.

Redação ((o))eco ·
7 de junho de 2010 · 11 anos atrás
Debaixo do capô, uma enorme bateria
Debaixo do capô, uma enorme bateria

? Você já dirigiu um carro automático?

? Sim, respondi com o nervosismo gerado por horas de espera e expectativa.

? É a mesma coisa, disse, do banco do carona, Laurent, o técnico da Michelin encarregado de tomar conta do protótipo elétrico e orientar jornalistas que esperavam a vez de experimentá-lo, durante o  Michelin Bibendum. Em seguida, apertou um botão e ligou o carro sem que se notasse qualquer barulho de partida do motor.

Estava diante da minha primeira chance de dirigir um carro elétrico. Cutuquei com cuidado o acelerador e saí da área de boxes. Atrás de uma fila de carros, todos usando alguma tecnologia considerada verde, aguardei com o que me restava de fleuma o sinal para entrar na pista do autódromo de Jacarepaguá, local reservado para as demonstrações do evento. Finalmente, veio a bandeira verde do fiscal e acelerei o pequeno Opel Agila, um carro de rua transformado em protótipo elétrico pela Michelin.

Qualquer previsão sobre o futuro necessita de um pouco de fé e essa, por sua vez, de emoção. Nos dois minutos seguintes, me convenci que os carros elétricos estão chegando. As razões? Lá estava eu testando um deles e descobrindo o prazer que é dirigi-los. De cara, senti a aceleração forte, muito maior do que se pode esperar de um carro desse porte, subtraída apenas do barulho a que estamos acostumados. A marcha é única, contínua. Rapidamente estávamos a 100 km/hora, ainda longe da máxima prevista de 140 Km/hora. No fim da reta, imaginei se o freio reagiria diferente. Fui surpreendido por um excelente freio-motor, que facilitou a redução de velocidade. Nas curvas, o comportamento do carro foi leve e estável. Terminada a volta, fiz a cara mais comovente possível e pedi outra.

? Unfortunately, we have a line, respondeu Laurent com seu forte sotaque francês. Fui obrigado a abandonar o brinquedo, logo após descobrir o quanto era divertido. O consolo é que havia outros para experimentar. Da minha parte, jamais voltaria a entrar em um carro com motor a explosão. Para quê? Não houve qualquer dificuldade de transição ou necessidade de aprender uma técnica nova. Foi sentar e sair dirigindo. As diferenças foram para melhor.

Detalhe do painel espartano
Detalhe do painel espartano

Em seguida, foi a vez de outro protótipo da Michelin movido a hidrogênio. Trata-se também de um carro elétrico, só que, ao invés de bateria, o motor é alimentado por gás de hidrogênio, mantido em um tanque sob pressão de 350 bar localizado embaixo dos assentos (oops!). Isso equivale a uma pressão próxima do dobro da usada em um cilindro de GNV (Gás Natural Veicular), de 200 bar. O carro tem emissão zero de poluentes, pois o resíduo do hidrogênio é vapor d’água.  Dessa vez, não foi possível dirigir. Junto com dois animados estudantes de engenharia, acompanhamos outro técnico da Michelin dar mais uma volta silenciosa e esportiva pelo autódromo.

O cilindro de hidrogênio fica junto à barra de direção
O cilindro de hidrogênio fica junto à barra de direção

Nos intervalos, passeando pelos boxes encontrei mais um veículo movido a hidrogênio. Agora, um kart, projetado por estudantes da universidade de Delft, na Holanda. Eles participam de um grupo que promove “corridas verdes”, pois, defendem, com essa propulsão os karts fazem pouco barulho e não emitem poluentes. O modelo acelera de 0 a 100 km/hora em 5 segundos e atinge uma velocidade máxima de 120 Km/hora. Já existe um campeonato da modalidade na Europa, no qual competem seis equipes universitárias da região, além de três americanas. O ronco dos motores das corridas está a perigo.

É grande, mas bebe moderadamente
É grande, mas bebe moderadamente

Leia também

Salada Verde
11 de maio de 2021

Arthur Lira adia para amanhã votação do PL que acaba com o licenciamento ambiental

Proposta transfere para os estados e municípios a definição do que precisa licenciar ou não e torna a obrigatoriedade do licenciamento uma exceção

Reportagens
11 de maio de 2021

Transposição do São Francisco leva peixe invasor à bacia do rio Paraíba do Norte

Pesquisadores identificaram uma espécie invasora no primeiro açude da bacia do rio Paraíba do Norte a receber águas do rio São Francisco e alertam pros riscos de desequilíbrio ecológico

Notícias
11 de maio de 2021

Servidor que relatou ineficiência no Ibama denuncia ameaças feitas por assessor de Salles

Hugo Ferreira foi impedido de copiar documentos do computador onde trabalhava e sofreu ameaças após escrever um relatório para o TCU. Servidor denunciou o ato à corregedoria do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta