Salada Verde

Governo não divulga há 4 meses dados do desmatamento

Divulgação dos dados é mensal na época da seca e bimestral na época da chuva, mas Ministério não segue o próprio calendário estipulado.

Redação ((o))eco ·
15 de março de 2013 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Operação Onda Verde: balsas com milhares de toras foram apreendidas em Anapu pelo Ibama. Foto: Nelson Feitos/Ascom Ibama/PA.
Operação Onda Verde: balsas com milhares de toras foram apreendidas em Anapu pelo Ibama. Foto: Nelson Feitos/Ascom Ibama/PA.

A Força Nacional, junto com o Ibama, já deflagrou pelo menos uma grande operação para combater o desmatamento na Amazônia. Batizada de “Onda Verde”, a operação conta com 180 homens e foi montada para combater o desmatamento ilegal no Mato Grosso, Pará, Amazonas e Rondônia. Curioso que o governo mantenha o combate do desmatamento na região, mas esquece de disponibilizar esses dados para a população.Desde outubro os dados do DETER não são divulgados.

Os dados são medidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), através do Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real, o Deter. Mas não é o INPE o responsável pela divulgação desses dados. Desde 2008, na gestão do então ministro Carlos Minc, o Ministério do Meio Ambiente tomou para si a tarefa de divulgar os números do desmatamento, normalmente, com a convocação dos jornalistas para uma coletiva.

O sistema de detecção de desmatamento em tempo real (DETER) calcula os números do desmatamento usando como base as imagens geradas pelo sensor Modis, a bordo de satélites da NASA. Esses dados orientam ações de repressão ao desmatamento na região e serve para indicar a tendência do desmatamento e qual é a região mais problemática.

O INPE continua fazendo o monitoramento e o Ibama continua recebendo quase diariamente esses dados.

O mesmo tipo de imagens do sensor Modis é utilizado pela ONG Imazon em seu Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), cujos dados dos meses de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro já estão disponíveis. Pelos dados do SAD, a tendência de aumento do desmatamento continuou até janeiro de 2013.

De acordo com a assessoria de imprensa do INPE, o órgão só coloca os dados do DETER no seu site após a divulgação pelo Ministério do Meio Ambiente, detentor desta prerrogativa.

O atraso nos dados impede que a sociedade monitore diretamente o que está acontecendo. Por exemplo, o projeto Infoamazônia, o mapa interativo de ((o))eco, faz uso dos dados do DETER para acompanhar as tendências de desmatamento. Se os dados não saem, essa ferramenta fica comprometida.

Agora, o Infoamazônia passará a mostrar também os dados do SAD, do Imazon. Além da competência, o Imazon divulga seu relatório com a regularidade prometida.

Leia também

Notícias
28 de janeiro de 2022

‘Nós não negamos nem desprezamos as causas das mudanças de clima’, defende-se Xico Graziano

Em pedido de resposta, engenheiro agrônomo Xico Graziano, membro do núcleo de campanha de Sergio Moro, diz que candidatura é aliada na luta em defesa do futuro sustentável

Salada Verde
28 de janeiro de 2022

Filhote de onça se esconde em motor de caminhonete, veja vídeo

Onça cutucada com vara curta contraria dito popular e apenas foge. Filmagem tem sido compartilhada em grupos e nas redes sociais. Não se sabe a origem do vídeo

Notícias
28 de janeiro de 2022

Cientistas pedem que países europeus e China boicotem soja e carne brasileira

Em artigo, os pesquisadores denunciam a nova alta de desmatamento na Amazônia e pressionam os países a pararem de comprar soja e carne bovina brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Manoel diz:

    Ou seja… os desqualificados nem escondem que a questão é política. Querem ajudar a quebrar o Brasil de qualquer jeito. E o melhor de tudo é apelaram pra China, como se não fossem os maiores poluentes do mundo. Infelizes…