Salada Verde

Negociador brasileiro diz que líderes não mudarão texto

“Esse é o documento, o texto está negociado e concluído”, declarou Luiz Alberto Figueiredo, secretário executivo do Brasil na Rio+20

Daniele Bragança ·
21 de junho de 2012 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Líderes globais posam para foto oficial da Rio+20. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Começou hoje o segmento de alto nível da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, com a presença dos chefes de Estados e Governo de 193 países. Até sexta-feira, os líderes mundiais discutirão o texto-base acordado ontem. A expectativa que rondava o Riocentro nesta quarta-feira (20) era de alguma ação que pudesse dar mais substância ao texto sobre desenvolvimento sustentável, mas o que se verificou é que provavelmente eles só vieram para tirar a foto oficial. O texto está pronto e não será reaberto.

“Esse é o documento, o texto está negociado e concluído”, afirmou contundente o embaixador Luiz Alberto Figueiredo, principal estrategista das negociações brasileiras, ao explicar que os líderes políticos não discutirão o acordo feito pelos diplomatas. Faltou justificar o que eles vieram fazer aqui, então.

O Brasil se vangloria de ter restaurado o espírito do multilateralismo. Críticas à condução do processo? Não houve, afirmou o embaixador. A pergunta sobre países que criticaram o Brasil pedindo mais ousadia no documento, ele respondeu com a crítica: faltou financiamento das metas de desenvolvimento sustentável. A resposta foi endereçada à Europa. “Não pode exigir ambição de ação, quem não tem ambição de financiamento, quem exige ação de ambição sem colocar dinheiro na mesa está sendo, no mínimo, incoerente”, disse o embaixador.

A ministra Izabella Teixeira, que participava da coletiva, concordou com a cabeça e afirmou que no final da Rio-92 as manchetes dos jornais também eram todas pessimistas. Chegou a ler algumas, afirmando que é natural os jornais refletirem negativamente as decisões tomadas, que só podem ser mensuradas no futuro. “É uma conferência de partida, é uma conferência que define novos caminhos para agir em médio e longo prazo, com critério do que seja economia verde. É um conjunto de decisões, um texto cheio de detalhes e as pessoas ainda não tiveram tempo de se dedicar a ler com cuidado”, afirmou a ministra.

As decisões amarradas nas negociações ficarão para 2015, quando os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável tomarão o lugar dos Objetivos do Milênio, e servirão de metas para a construção de um futuro sustentável. Isso se até lá o acordo não for por água abaixo em nome do multilateralismo.

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Notícias
24 de julho de 2024

Empresas ainda veem com ceticismo a “Lei Rouanet da Reciclagem”, recém regulamentada

Como obstáculos, instituições representativas do setor mencionam pouca transparência e dificuldade de acesso aos recursos anunciados, além de ausência de toda a cadeia produtiva

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.