Salada Verde

Fundo do Clima foca em energia

Com participação do novo secretário, reunião destina recursos de R$238 milhões, mas exclue ações para combate ao desmatamento.

Redação ((o))eco ·
18 de março de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Secretário de Mudanças Climáticas, Eduardo Assad, e secretário-executivo, Francisco Gaetani (dir), durante reunião do Fundo do Clima (foto: Nathália Clark)
Secretário de Mudanças Climáticas, Eduardo Assad, e secretário-executivo, Francisco Gaetani (dir), durante reunião do Fundo do Clima (foto: Nathália Clark)

Brasília – Foi realizada nesta quinta-feira (17) a segunda Reunião Ordinária do Fundo Nacional sobre Mudanças do Clima, que já contou com a presença do novo secretário de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Eduardo Assad. Em evento restrito na sede da Embrapa em Brasília, Assad, auxiliado pelo secretário-executivo do MMA, Francisco Gaetani, apresentou a Proposta de Diretrizes e Prioridades para aplicação dos recursos em 2011 e o Plano Anual de Aplicação dos Recursos de 2011. O Fundo conta com cerca de R$238 milhões, para serem investidos em linhas de crédito no setor público e privado.

Entre as prioridades, o foco está em energia e redução de CO2, com estruturas de monitoramento de emissões. Visa-se obter uma maior eficiência energética, com uso de tecnologias e insumos menos intensivos na emissão de carbono, priorizando eventos pontuais, como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Temas como a redução do desmatamento e adequação da agricultura não entraram na pauta prevista para as mitigações financiadas pelo fundo.

O BNDES vai dispor R$204 milhões em linhas de crédito reembolsáveis e o MMA destinará R$34 milhões em recursos não-reembolsáveis. Os não-reembolsáveis serão destinados principalmente a projetos de adaptação aos impactos das mudanças climáticas. Nos tópicos foram ressaltadas as áreas suscetíveis à desertificação, em especial no semi-árido nordestino; racionalização da limpeza urbana; aproveitamento do lixo e campanhas educativas para deposição de resíduos; e R$10milhões somente para o Sistema Nacional de Prevenção e Alerta de Desastres Naturais.

Dos reembolsáveis, o primeiro montante de R$100 milhões será destinado a investimentos em transporte, desenvolvimento tecnológico para geração e distribuição de energias renováveis, investimento em carvão vegetal, e investimentos em combate à desertificação. Os outros R$100 milhões serão destinados a racionalização da limpeza urbana e disposição de resíduos, com aproveitamento para geração de energia.

Carlos Nobre, do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), foi quem fez a ressalva sobre o desmatamento e adaptação da agricultura, questionando a apresentação de Assad. Em contrapartida, Gaetani tomou a dianteira e justificou que os temas já se encontram nas diretrizes da Política Nacional de Mudanças Climáticas, e que são contemplados em outras áreas com foco específico, como o Fundo Amazônia e o Fundo Cerrado, de combate à desertificação.

Segundo o secretário, o objetivo do comitê é avaliar complementaridades, mas evitar duplicações: “temos que nos preocupar em aumentar a eficiência desses outros programas já existentes, não criar duas ações para um mesmo fim”. Eduardo Assad afirmou que “até Copenhague (referência à COP 15, a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, realizada em 2009), o foco estava na redução, mitigação; agora, o principal é nos adaptarmos onde estamos mais avançados”.

Participação da sociedade civil

A crítica do coordenador da ONG Vitae Civilis e representante da sociedade civil, Rubens Born, foi sobre a divisão cartesiana, sem criar de fato sinergia entre os fundos, além da falta de investimento na capacitação e inclusão da própria sociedade civil e do terceiro setor como co-partícipe no componente que diz respeito às campanhas de educação, comunicação e conscientização.

Quanto a isso, Gaetani frisou os três maiores problemas do ministério no momento: relacionamento com o terceiro setor, com as universidades e instituições de apoio, e com as agências internacionais de cooperação. Ficou definido, então, que seriam alocados pelo menos R$500 mil para capacitação e qualificação do setor, para que sejam apresentadas propostas para o Fundo.

Segundo Assad, dinheiro parece que não é o problema, problema é como utilizar o recurso. Ele disse ainda que é melhor ter problema de demanda não atendida do que de recurso não utilizado: “se não gastarmos imediatamente o que se tem, qualquer discurso de que o recurso é pouco fica desmoralizado”. Segundo os secretários, este primeiro ano servirá para verificar a dinâmica. “É um processo de experimentação sobretudo institucional, mas o esforço de convencimento será grande, principalmente quanto aos agentes industriais e produtores”, completou Gaetani.

Na abertura da mesa, Assad falou rapidamente sobre a posse, ressaltando que a saída de Branca Americano da Secretaria não foi “uma baixa”, mas uma grande perda, por ser ela “uma profissional de altíssimo nível”. Ele confirmou ainda as especulações de que a secretaria passará por uma reformulação estrutural. Com a reestruturação, pretende-se criar um conselho para garantir o acompanhamento dos recursos e investimentos. (Nathália Clark)

Leia também
Política do clima ganha regulamentação
Caminhos para cortes de emissão
Chegou o momento de implementar

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta