Reportagens

O desafio é continuar

O desmatamento caiu ao nível mais baixo de todos os tempos e o governo credita sucesso a programas que mal saíram do papel. Para analistas, é possível zerar destruição em 2014.

Aldem Bourscheit · Andreia Fanzeres · Cristiane Prizibisczki ·
12 de novembro de 2009 · 15 anos atrás
foto: divulgação MMA
Minc, Dilma e Lula no anúncio dos números

O governo anunciou hoje a mais baixa taxa de desmatamento na Amazônia desde que começaram os registros oficiais, em 1988. Entre agosto do ano passado e julho deste ano, 7.008 quilômetros quadrados de florestas tombaram. A margem de erro é de 700 quilômetros quadrados, para cima e para baixo. O número é um quarto do registrado em 2004 e 45% menor do que o verificado em 2008.

Questionada se o resultado não eliminaria a necessidade de mudanças no Código Florestal, como quer parte do setor ruralista, a ministra-candidata Dilma Roussef não viu conexão direta entre os assuntos. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Código Florestal e reserva legal são um assunto. O que estamos fazendo em termos de desmatamento é outra coisa. O Arco Verde/Terra Legal também é fundamental para que o Brasil cumpra com as metas que anunciará para Copenhague”, disse.

Abusando do palanque e recitando o mantra do “desenvolvimento sustentável”, Roussef, ministros, governadores Ivo Cassol e Blairo Maggi e prefeitos jogaram suas fichas no esforço coletivo do programa Arco Verde-Terra Legal e outras ações oficiais como principais motores da redução no desmatamento. O “mutirão” pretende mudar a lógica econômica que tem levado ao desmatamento indiscriminado na região. Números não faltaram. O governo diz ter cadastrado até o início de novembro 16,7 mil posseiros e 2,8 milhões de hectares em assentamentos na Amazônia. A meta é de beneficiar 300 mil posseiros.

“Chamaram essa medida de MP da Grilagem, mas mostramos que ela está defendendo a vida das pessoas, reduzindo o desmatamento e a violência. Se continuar assim, as ongs vão perder o emprego na Amazônia”, disse um eufórico Carlos Minc.

Segundo Adalberto Verissimo, pesquisador do Imazon, atribuir a queda no desmatamento ao Arco Verde é um equívoco, pois as tentativas de geração de emprego e renda são esforços que vieram depois de outros fatores bem mais relevantes. Para ele, o bom desempenho se deve a estratégias mais intensas de “comando e controle” do governo, concentrando esforços nos 43 municípios críticos, por exemplo.

“A crise econômica também ajudou, mas desta vez não pode ser tomada como razão principal porque a tendência de baixa no desmatamento já vinha de um período anterior, como era demonstrado pelo SAD (sistema não-oficial de monitoramento do desmate)”, disse. 

Segundo Verissimo, também não se pode desprezar a colaboração do mercado nesse processo, com as moratórias da carne, da soja e o pacto pelo uso de madeira legalizada. “Está sinalizando que não há mais como fugir, as empresas precisam se adequar, senão não conseguirão sobreviver no mercado”.

Desafio da continuidade

O desafio, agora, é garantir que essa trajetória de queda nas taxas de desmatamento continue. Algumas das principais ongs ambientais na Amazônia reforçam que seu objetivo é ver o desmatamento zerado já em 2014. Para Verissimo, isso é possível se a tendência seguir. “Isso tudo nos mostra que, quando o governo quer, a sociedade cobra e o mercado colabora, é possível coibir o desmatamento na Amazônia”, destacou.

Para André Lima, coordenador políticas publicas do programa de mudanças climáticas do Ipam, a tendência de menor desmate é verificada nos últimos anos, mas não é uma tendência inerte, não continuará se nada for feito. “Não é um business as usual”, disse. Conforme ele, há uma expectativa muito grande de que em Copenhague haja um sinal forte de que a proteção das florestas tropicais seja valorizada no próximo período de compromisso. “Se isso não acontecer, essa tendência pode se reverter. Existe uma consciência de que a floresta é um ativo ambiental com valor econômico. Se não se confirmar, perderemos forças nessa dinâmica do combate ao desmatamento e, com o reaquecimento da economia global, ele pode voltar a crescer”, comentou.

Prefeitos de municípios amazônicos ouvidos por O Eco deixaram claro que os primeiros quatro meses de trabalho do governo serviram basicamente à regularização de terras, liberação de documentos, implementação de bibliotecas, agências bancárias, do INSS e postos da Embrapa. Tentativas de se levar cidadania a populações que só conheciam o governo pela TV, quando havia eletricidade. Empregos ainda não vieram. “Tudo isso trará segurança jurídica para obtenção de financiamentos e empréstimos”, disse Guilherme Cassel, ministro do Desenvolvimento Agrário.

O prefeito de Paragominas lembrou que um mundo afetado pelas mudanças do clima precisa de novas políticas públicas, que realmente envolvam estados, municípios e pessoas na proteção da Amazônia. “São as populações locais que ditam o dia-a-dia da região”, disse. Para apoiar o mutirão governista, pediu reforço da economia amazônica com manejo florestal, reflorestamento, zoneamento ecológico econômico e prêmios a quem fizer o dever de casa de não desmatar. “Precisamos da aprovação do ICMS Ecológico, de um fundo de participação dos municípios verde e de pagamento por serviços ambientais prestados”, ressaltou.

“Precisamos de recursos para que as coisas funcionem. É preciso dar continuidade a tudo que foi acertado e prometido aos estados e municípios”, emendou o prefeito de Vila Rica (MT), Naftaly Calisto da Silva.

André Lima, do Ipam, concorda. Segundo ele, o Brasil precisa de instrumentos de incentivo para atingir “metas climáticas” que envolvam redução de desmatamento. “Pode se construir um programa de pagamento por serviços ambientais e dimensionar ações para atingi-lo”, disse. Por isso ele defende a adoção de metas claras para os planos governistas que envolvem o futuro da Amazônia e outros biomas e o clima do planeta. “O plano que não tem metas é só uma carta de intenções. Quando passa por uma meta você pode dimensionar suas ações, captar recursos, trabalhar no orçamento público para dimensionar suas ações”, ressaltou.

Saiba mais:
O mais baixo desmatamento da História

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista brasilo-luxemburguês cobrindo há mais de duas décadas temas como Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Sel...

  • Andreia Fanzeres

    Jornalista de ((o))eco de 2005 a 2011. Coordena o Programa de Direitos Indígenas, Política Indigenista e Informação à Sociedade da OPAN.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
25 de junho de 2024

Queimadas já atingiram mais de 600 mil hectares no Pantanal

Área queimada em 2024 é 143% maior do que o registrado em 2020, quando um terço do bioma foi devastado. Incêndios devem ultrapassar 2 milhões de hectares este ano

Salada Verde
25 de junho de 2024

Florestas de todos

Plataforma governamental reúne informações sobre um dos (ainda) maiores remanescentes planetários de vegetação nativa

Reportagens
25 de junho de 2024

Dinastia Amazônia – Parte II

China se alastra por infraestrutura brasileira e impõe seu modelo de “civilização ecológica” de crescimento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.