Análises

Histórias de biólogos e serpentes marinhas de verdade

Cantadas por marinheiros e naturalistas há séculos, serpentes marinhas são uma das lendas marinhas mais fascinantes. Só que elas existem...

Fabio Olmos ·
18 de fevereiro de 2013 · 9 anos atrás

 

Serpente marinha pelágica
Serpente marinha pelágica

Os criptozoólogos formam a fraternidade que busca animais lendários, pelo menos até serem descobertos. Uma das criaturas mais populares entre eles é a Grande Serpente Marinha, personagem proeminente no folclore e tema de livros, com registros que datam de séculos. Há quem diga que “existe algo lá” e, possivelmente, várias criaturas, de peixes a mamíferos, podem estar envolvidas nas avistagens que geraram o mito.

Um dos registros mais interessantes de uma serpente marinha foi feito por zoólogos da Zoological Society of London em 7 de dezembro de 1905, a cerca de 15 milhas (quase 28 km) da foz do rio Paraíba, no nordeste do Brasil. Edmund Meade-Waldo e Michael Nicoll estavam em uma expedição a bordo do Valhalla, quando viram uma grande nadadeira fora da água. Quando a embarcação se aproximou, a criatura ergueu um longo pescoço com uma cabeça “similar a uma tartaruga” que ondulava de forma peculiar conforme se movia rapidamente.

A avistagem foi publicada no volume de 1906 dos Proceedings of the Royal Society e no livro de Nicoll, publicado em 1908, Three Voyages of A Naturalist. Ninguém jamais identificou o que os dois viram, e sem evidência, além da descrição das testemunhas, nunca se saberá.

Partindo do princípio de que o registro não é uma piada – como a foto original do Monstro de Loch Ness -, a menos que uma criatura com as mesmas características seja fotografada, filmada ou apareça morta na praia o que temos é uma grande interrogação. Existem serpentes marinhas na costa do Brasil?

A possibilidade de que criaturas como a Grande Serpente Marinha, o Yeti, o Mapinguari, o Mokele Mbembe e uma infinidade de outros estejam por aí é uma daquelas coisas que estimulam a imaginação e tornam o mundo mais interessante. Ficarei feliz se estiver errado, mas penso que não vamos encontrá-las. A chance de que realmente existam (ou tenham existido) depende de variáveis improváveis.

Entretanto, descobertas recentes mantêm acesa a chama de que outros bichos estão lá (“out there”) e serão confirmados um dia, descobertas tais como o Tubarão Megaboca, o Saola e uma espécie de mini-humano recentemente extinto, que talvez seja o Orang-pendek.

Serpentes de verdade

O legal é que serpentes marinhas existem. Um total de 57 espécies da subfamília Hydrophiinae, parentes próximos das najas e nossas cobras-coral, vivem nas águas tropicais do Indo-Pacífico, com um grande centro de diversidade no norte da Austrália, Nova Guiné e Indonésia.


Clique para ampliar

A mais marinha de todas as serpentes é a Pelamis platura, que tive o prazer de encontrar na costa do Pacífico da Costa Rica. Trata-se de uma bela criatura de dorso negro, que a ajuda a se aquecer melhor quando boia na superfície. Seu ventre é amarelo-vivo e a cauda, lateralmente achatada, manchada de amarelo e negro – um provável alerta a predadores. Ao contrário das serpentes da lenda, é um bichinho colorido e simpático de meio metro, que chega a no máximo a 90 centímetros.

As serpentes terrestres têm o ventre coberto por uma única fileira de grandes escamas. Já as escamas da Pelamis são todas pequenas e o ventre não é achatado, mas forma uma quilha. Isso a torna incapaz de se locomover em terra, o que a leva a morte se encalhar na praia, pois não consegue voltar ao mar. Como golfinhos e baleias, a Pelamis (e a maioria de seus parentes) evoluiu de ancestrais terrestres, de uma forma que cortou o vínculo com a terra. Essa serpente totalmente pelágica vive ao sabor das correntes marinhas.

As adaptações à vida marinha impressionam. A Pelamis tem narinas que se ligam a uma traqueia extensível (serpentes não têm palato) e válvulas que impedem a entrada de água. Só têm um pulmão, que chega a quase o comprimento do corpo. Elas também conseguem respirar pela pele, o que satisfaz 25% das necessidades de oxigênio. Mamíferos marinhos, morram de inveja.

Outro superpoder é o seu veneno, um coquetel de neurotoxinas que mata e causa rigor mortis, facilitando a deglutição em segundos dos peixes que compõem sua dieta. Por isso, não é recomendável manusear esses bichos, embora não sejam nada agressivos. Por razão semelhante, elas não têm predadores. Os testados se recusam a comê-la por conta do provável gosto ruim.

Essas super adaptações tornaram a Pelamis o segundo réptil com maior distribuição geográfica no planeta. Só perdem para as tartarugas marinhas. Essas serpentes ocorrem da costa leste da África ao longo de todo o oceano Índico e do Pacífico até a costa da América, entre a Baja Califórnia e o norte do Peru, com bichos perdidos a norte e sul.

Apesar dessa abrangência, não colonizaram o Atlântico. As correntes frias no extremo sul da África e na costa sudoeste da América do Sul são uma barreira que a Pelamis nunca conseguiu ultrapassar.

Essa ausência do Atlântico também mostra que essas serpentes não estavam na costa americana quando o Istmo do Panamá se fechou, talvez tão cedo como há 22 milhões de anos atrás.

Seja lá o que Edmund Meade-Waldo e Michael Nicoll viram, não foi um primo gigante da Pelamis. A verdade está lá fora….

  • Fabio Olmos

    Biólogo, doutor em zoologia, observador de aves e viajante com gosto pela relação entre ecologia, história, economia e antropologia.

Leia também

Reportagens
19 de maio de 2022

Pesquisa questiona ocorrência de Mata Atlântica no Piauí

O estudo caracterizou flora e vegetação de florestas estacionais em municípios na área de abrangência da Lei da Mata Atlântica no Piauí e concluiu que não há espécies botânicas exclusivas do Bioma

Notícias
19 de maio de 2022

Em meio à ameaça da mineração, projeto prevê criação de parque na Serra do Curral

O projeto de lei nº 1.125/22 foi apresentado às comissões da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (17) pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) para garantir a proteção da serra mineira

Reportagens
18 de maio de 2022

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe quer retomar posse do território

Indígenas estão acampados desde quinta (12) ao lado da sede do parque fluminense, em mobilização pela retomada do seu território ancestral

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Eu espero que os indígenas sejam assentados em terras degradadas do entorno, onde eles podem produzir suas roças à vontade. Infelizmente vimos muitas vezes o resultado da entrada de indígenas nas unidades de conservação do sul da Bahia e norte do Rio Grade do Sul, para no falar do litoral de São Paulo e Paraná. A extinção local dos animais de maior porte se segue rapidamente, assim como a venda de madeira. As unidades de conservação não são palco para solucionar os nosso grave problemas sociais.


  2. Israel Gomes da Silva diz:

    Se não tem apoio de partido político, quem está bancando a picanha e a bebida que a liderança está comendo todos os dias no Sahy Vilage Shopping, sendo solicitado apenas Notinhas da comida? Todos os dias um grupo de indígenas vão à praia e aí Shopping, mesmo no frio.


  3. Salvador Sá diz:

    Parabens ao Duda pela materia, me permite concluir que estamos diante de uma nova e muito grave ameaça ao q sobrou, grave pq faz uso de uma causa nobre, mas cheia de equivocos e que está enganando muita gente e não só os próprios índios. A materia fura o cerco de silencio feito pelo ambientalismo seletivo e chapa branca midiatico.