Análises

Alcatrazes: beleza e diversidade que pedem proteção

O golfinho-pintado-do-atlântico deixa seu grupo e acompanha nosso barco. Estamos no Arquipélago de Alcatraz, ainda em busca de sossego. 

Fabio Olmos ·
1 de agosto de 2012 · 12 anos atrás
Golfinho-pintado-do-atlântico. (Foto: Fabio Olmos)
Golfinho-pintado-do-atlântico. (Foto: Fabio Olmos)

Clique para ampliar

O Arquipélago dos Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo, inclui ilhas com espécies endêmicas (incluindo anfíbios e serpentes), ninhais de aves marinhas (incluindo a maior colônia de fragatas do Atlântico sul) e uma área marinha onde vivem meros, raias-manta, baleias e golfinhos. Trata-se de um local prioritário para a conservação, hoje apenas parcialmente protegido por uma estação ecológica.

A Marinha do Brasil usa a área para exercícios de tiro. Após anos de disputas com conservacionistas, chegou-se a um acordo para a criação de um parque nacional abrangendo a área, iniciativa que conta com o apoio das prefeituras locais e do governo estadual e viabilizaria o turismo controlado no arquipélago.

A expectativa era que o decreto de criação do parque fosse assinado pela presidente Dilma Rousseff durante a Rio+20, o que não aconteceu — mais uma decepção de um evento fraco. Espera-se que o parque seja criado ainda este ano, mas não há previsão confiável.

Se você deseja apoiar a iniciativa de criação do parque nacional clique aqui para conhecer o abaixo-assinado a esse respeito.

e gosto pela relação entre ecologia, economia e antropologia.

  • Fabio Olmos

    Biólogo, doutor em zoologia, observador de aves e viajante com gosto pela relação entre ecologia, história, economia e antropologia.

Leia também

Reportagens
21 de maio de 2024

Crise climática e lacunas no conhecimento pioram risco de zoonoses

Enchentes no Rio Grande do Sul têm um aspecto epidemiológico importante, chamando atenção para o fato de sabermos muito pouco sobre os riscos reais de zoonoses no Brasil

Notícias
21 de maio de 2024

Países liberam rios para salvar peixes migradores

Declínio chega a 91% na América Latina, mas Brasil quer barrar ainda mais cursos d’água, sobretudo na Amazônia e no Cerrado

Notícias
21 de maio de 2024

Degradação florestal na Amazônia é a maior dos últimos 15 anos

Queimadas em Roraima foram responsáveis pelo número. Desmatamento, por sua vez, continua em queda no bioma, mostra SAD, do Imazon

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.