Notícias

Desmatamento: queda histórica e retenção do número de outubro

Em cima da COP18, Ministério do Meio Ambiente divulga menor taxa da história da Amazônia, mas retém divulgação de possível número ruim.

Eduardo Pegurier ·
27 de novembro de 2012 · 9 anos atrás
Fonte: Prodes/Inpe
Fonte: Prodes/Inpe

Acaba de começar a COP18, conferência do clima que vai debater a continuação de Quioto. Ao mesmo tempo, hoje foi divulgado e comemorado pelo governo o menor desmatamento da história na Amazônia Legal desde que a região começou a ser monitorada pelo INPE, em 1988. Segundo estimativas do Prodes, foram desmatados 4.656 quilômetros quadrados de floresta no período que vai de agosto de 2011 a julho de 2012, uma queda de 27% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Estaria tudo muito bem, não fosse o crescimento dos números dos últimos 3 meses. Os dados de hoje, do Prodes, são anuais e bastante precisos, mas refletem o passado. Desde agosto desse ano, os dois principais sistemas de alerta mensal de desmatamento na Amazônia, o Deter, do Inpe, e o SAD, do Imazon, mostram uma inflexão para cima do desmatamento. Mais que isso, apontam uma disparada.

O Deter detectou um aumento de 220% em agosto e de 10% em setembro, comparados aos mesmos meses de 2011. Quem divulga esses números é o Ministério do Meio Ambiente (MMA), que calou sobre o valor de outubro, que certamente já foi calculado pelos técnicos do Inpe e já deveria ter sido divulgado pelo MMA.

Independente de decisões políticas estratégicas, a ONG Imazon divulgou um aumento de 377% no desmatamento de outubro. O governo escolheu a informação boa para divulgar nesse início de COP18, mas adiou a divulgação de mais um provável número ruim do Deter de outubro.

O Deter e o SAD são sistemas menos precisos. Entretanto, mudanças de tal magnitude, detectadas por dois sistemas independentes devem estar indicando a tendência correta: aumento do desmatamento desde agosto.

O governo mostra o que é bom, mas esconde o que o número do Deter de outubro. É tal a aceleração detectada nos últimos três meses, que celebrar o passado perde brilho dado o futuro que começa a tomar forma para 2013.

Essa é a segunda vez no ano que o MMA atrasa a divulgação dos dados do Deter. Na ocasião anterior, ficaram retidos por quatro meses, de abril a julho. Consultado, o Ministério do Meio Ambiente respondeu através de sua assessoria de imprensa, que os dados de outubro serão divulgados ainda nesta semana. É aguardar e cobrar.

Desmatamento de agosto de 2011 a outubro de 2012 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/SAD)
Desmatamento de agosto de 2011 a outubro de 2012 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/SAD)
Repercussão em Doha

Os números do Prodes foram comemorados pelos negociadores brasileiros no Qatar, onde está acontecendo a 18ª Conferência das Partes da Convenção da ONU sobre Mudanças do Clima, já que revelam que o Brasil atingiu 76,27% dos 80% do desmatamento que se comprometeu a reduzir na Amazônia até 2020. Esse compromisso faz parte da Política Nacional sobre Mudança do Clima, instituída pela Lei 12.187/2009, que firmou o compromisso nacional voluntário de reduzir entre 31,6% e 38,9% as emissões projetadas de gases de afeito estufa até 2020.

“É a menor taxa de desmatamento da história. Tem o grande marco que é jogar o desmatamento abaixo dos 5 mil km²”, comemorou a Ministra Izabella Teixeira. “Ouso dizer que esta é a única boa noticia ambiental que o planeta teve este ano do ponto de vista de mudanças do clima. Em relação aos compromissos de metas voluntárias de redução de emissões estamos bastante avançados”.

O levantamento do PRODES registra áreas superiores a 6,25 hectares onde ocorreu corte raso, a remoção completa da cobertura florestal.  Essa é a primeira estimativa. Os números consolidados serão conhecidos no ano que vem. Para gerar a estimativa, o INPE analisou imagens das regiões onde se concentra 90% dos desmatamentos ocorridos no período anterior (agosto/2010 a julho/2011) e nos municípios que estão na lista de campeões de desmatamento.

A margem de erro da estimativa é de 10% para cima ou para baixo. Mesmo quando somados a estimativa atual com a margem de erro, a taxa de desmatamento continua sendo a menor da história. Ela subiria de 4.656 km² para 5.121 km² de desmate. No ano passado, foram desmatados 6.418 quilômetros quadrados.

Divisão por estados

Dos 9 estados que compõem a Amazônia Legal, 3 apresentaram crescimento no desmatamento: Tocantins (33%), Amazonas (29%) e Acre (10%). O Estado do Pará apresentou queda de 44% do desmatamento, mas continua sendo o campeão no tamanho da área, com uma área de 1, 7 mil km² desmatados.

Segunda a ministra Izabella, ainda não dá para saber quantos desse desmatamento é criminoso: “Como os Estados ainda não tornam disponíveis as informações do que é legal e do que é ilegal, não conseguimos identificar quanto do aumento desse desmatamento está associado a incremento de infraestrutura e de supressões legais”, afirmou.

* Matéria editada em 28/11/2012 às 11h15

 
  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.