Salada Verde

Veto do Código florestal: Dilma tem até dia 25 para decidir

Texto do Código foi protocolado apenas ontem na Casa Civil. Agora, começa para valer, o prazo de 15 dias úteis para Dilma tomar posição.

Daniele Bragança · Eduardo Pegurier ·
8 de maio de 2012 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
A ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, toma café da manhã com líderes partidários do Senado. A conversa foi sobre o possível veto da presidente Dilma Rousseff ao texto do Código Florestal. Foto: Antônio Cruz/ABr
A ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, toma café da manhã com líderes partidários do Senado. A conversa foi sobre o possível veto da presidente Dilma Rousseff ao texto do Código Florestal. Foto: Antônio Cruz/ABr

Chegou apenas ontem a Casa Civil da Presidência da República o texto do Código Florestal, duas semanas depois da votação na Câmara dos Deputados. Só agora o relógio oficial do veto começou a correr para a presidente da República. Dilma tem até o dia 25 para vetar ou sancionar o texto. A legislação entende que “quem cala, consente”.  Passado esse prazo, a presidente tem 48 horas para se manifestar e, se não o fizer, o novo Código Florestal será sancionado pelo presidente do Senado.

Até agora, é mistério qual será a decisão de Dilma. Entretanto, dos altos escalões da República continuam a chegar sinais de fumaça que apoiam essa possibilidade. Hoje, a ministra de relações Institucionais, Ideli Salvatti, afirmou, após se reunir com líderes governistas no Senado, que está certa que a presidente vetará pontos do texto da lei que anistiam desmatadores “Anistia a desmatadores e prejuízo aos pequenos agricultores são duas questões que a presidenta já havia sinalizado claramente que não admitiria no Código Florestal”, disse a ministra.

Na manhã de ontem a ministra Izabella já havia se posicionado a respeito do veto, em declaração feita durante o Colóquio Internacional sobre a Carta da Terra. “Não tenho nenhum problema em pedir o veto, tenho problema de lidar com a realidade depois disso, garantir condições para quem produz alimentos e protege o meio ambiente com inclusão social”, afirmou.

Os vetos, se ocorrerem, criarão um buraco no código. Para que ele possa ser aplicado essas brechas devem ser preenchidas e é possível que isso aconteça através de uma medida provisória ou da apresentação de um novo projeto.

Os presidentes das comissões de Meio Ambiente (CMA), Agricultura (CRA) e Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado aprovam a tática. Hoje, segundo a Agência Câmara, se reuniram para definir um documento que será entregue à presidente Dilma Rousseff com sugestões para viabilizar a sanção do Código Florestal. Entre as propostas, a sugestão de veto ao capítulo que trata da recomposição das atividades consolidadas em área de preservação permanente (APP) e a edição de uma medida provisória com normas para regularizar tais situações. A iniciativa tem o apoio de pesos pesados da Comissão de Agricultura, como o senador Blairo Maggi (PR-MT) e senador Waldemir Moka (PMDB-MS), que querem resgatar partes do projeto do Código produzido no Senado.

No momento, ninguém sabe ainda o que vai acontecer. Na sexta passada, quando a atriz Camila Pitanga quebrou o protocolo, durante uma cerimônia oficial, e pediu a Dilma, “Veta, Dilma”, a presidente reagiu com bom humor e riu. Só não se sabe se a expressão foi de simpatia à causa ou simples rito facial para responder ao clamor.

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

  • Eduardo Pegurier

    Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Salada Verde
11 de maio de 2021

Arthur Lira adia para amanhã votação do PL que acaba com o licenciamento ambiental

Proposta transfere para os estados e municípios a definição do que precisa licenciar ou não e torna a obrigatoriedade do licenciamento uma exceção

Reportagens
11 de maio de 2021

Transposição do São Francisco leva peixe invasor à bacia do rio Paraíba do Norte

Pesquisadores identificaram uma espécie invasora no primeiro açude da bacia do rio Paraíba do Norte a receber águas do rio São Francisco e alertam pros riscos de desequilíbrio ecológico

Notícias
11 de maio de 2021

Servidor que relatou ineficiência no Ibama denuncia ameaças feitas por assessor de Salles

Hugo Ferreira foi impedido de copiar documentos do computador onde trabalhava e sofreu ameaças após escrever um relatório para o TCU. Servidor denunciou o ato à corregedoria do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta