Reportagens

Pelo PAC, até escambo de áreas protegidas

Governo pode extinguir Flona Bom Futuro e receber área protegida estadual que será alagada pelo lago da hidrelétrica de Jirau. Desperdício de dinheiro em operações será de R$ 6 milhões.

Gustavo Faleiros · Aldem Bourscheit ·
3 de junho de 2009 · 12 anos atrás

O ministro do Meio Ambiente Carlos Minc e o presidente do Instituto Chico Mendes (ICMBio) Rômulo Mello assinaram ontem um acordo com o governador Ivo Cassol (RO) que poderá consolidar o escambo de uma unidade de conservação federal por uma estadual para beneficiar a construção da polêmica usina de Jirau, no Rio Madeira. Com a medida, Rondônia pode levar um bom naco da porção sul da Floresta Nacional do Bom Futuro e a União ficaria com a Floresta Estadual do Rio Vermelho, que será alagada em parte pela barragem da hidrelétrica.

Para consolidar a permuta, os dirigentes acertaram a criação de um “grupo de trabalho” que detalhará o troca-troca. A Flona de Bom Futuro, criada em 1992 com cerca de 280 mil hectares, na prática, será extinta. Os planos envolvem a criação de uma vulnerável Área de Proteção Ambiental estadual, com 70 mil hectares, a criação de uma floresta estadual, com outros 70 mil hectares, e de uma outra área protegida federal com os 133 mil hectares restantes. Em troca, Rondônia cede os 140 mil hectares de Rio Vermelho à União. O acordo foi abençoado por Lula e Dilma Roussef.

Conforme Ivaneide Bandeira, diretora da organização não-governamental Kanindé, de Porto Velho, as terras de Rio Vermelho são na verdade da União e o acordo fechado pelo governo com Cassol dá novo recado de que a ilegalidade será sempre bem recompensada na Amazônia. “O acordo passa por cima da legislação federal e mostra que grileiros e posseiros podem invadir que, no futuro, terão garantia de terras, mesmo dentro de áreas protegidas. Como o governo decreta a extinção de uma floresta nacional na semana do meio ambiente? Vale descumprir a legislação em nome do PAC?”, questionou.

todavia, conforme a legislação federal, para ser concretizada a medida rubricada pelos dirigentes depende da aprovação de um projeto de lei no Congresso, de estudos técnicos e do aval da Assembléia Legislativa do estado. A Diretoria de Áreas Protegidas do Ministério do Meio Ambiente soube hoje do acordo. Veja aqui o termo assinado ontem. A Flona Bom Futuro tem em seus limites cerca de 5 mil famílias e cerca de um terço de sua área foi desmatado. É hoje uma das áreas protegidas mais degradadas do país. Com o acordo, grileiros e madeireiros poderão continuar lá dentro.

6 milhões desperdiçados?

Conforme declaração do governador Cassol ao portal de notícias do governo de Rondônia, a permuta já está consolidada e “as famílias que estão hoje nas localidades na Floresta de Bom Futuro poderão permanecer na área, desde que não haja mais desmatamento, mas tão somente o uso sustentável da reserva, cuja fiscalização ficará a cargo do Estado. O gado também fica com os chamados posseiros de boa fé e nenhuma cabeça será retirada. Na prática, isso significa que o pessoal do Ibama, Força Nacional e Incra não poderão mais retirar as famílias e nem exigir que o gado fosse retirado em 6 meses, conforme a notificação encaminhada aos produtores”.

No entanto, existem duas ordens judiciais exigindo que o governo federal intervenha em Bom Futuro. Nos últimos três meses, 6 milhões de reais foram gastos em diárias, passagens, equipamentos do Exército e Ibama durante uma das maiores operações ambientais já realizadas para combate à ilegalidades na área protegida. Segundo informações do ICMBio, a operação não pode ser interrompida, embora o acordo de Minc pareça ter ignorado as ordens judiciais.

A notícia do acordo caiu como uma bomba nesta manhã sobre funcionários do ICMBio. Na área de fiscalização, muitos se preparavam para ir à Flona Bom Futuro nesta semana e se perguntam se devem seguir trabalhando no caso. Muitos permanecem em campo e a preocupação é como lidar com os invasores frente ao acordo e agora que Cassol está divulgando que não haverá mais retirada.

Com o medida, o governo também espera dar continuidade ao licenciamento da usina de Jirau. Nos próximos dias, deve ser assinado o termo de compensação ambiental entre estado e consórcio de Suez e Camargo Corrêa. O valor acertado foi de R$ 90 milhões em repasses a Rondônia, para ampliação do sistema prisional, investimentos em saúde, escolas, asfaltamento e conservação de rodovias estaduais.

Procurado pela reportagem, Insituto Chico Mendes não se posicionou sobre o acordo e a assessoria de imprensa do Ministério do Meio Ambiente não retornou às ligações de O Eco.

Saiba mais:
Operação incompleta em Bom Futuro
Cassol, bancos e licenças do Madeira
Desmate em Rondônia
Dramas do passado prejudicam Bom Futuro
Espetáculo de crescimento

  • Gustavo Faleiros

    Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

  • Aldem Bourscheit

    Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Salada Verde
11 de maio de 2021

Arthur Lira adia para amanhã votação do PL que acaba com o licenciamento ambiental

Proposta transfere para os estados e municípios a definição do que precisa licenciar ou não e torna a obrigatoriedade do licenciamento uma exceção

Reportagens
11 de maio de 2021

Transposição do São Francisco leva peixe invasor à bacia do rio Paraíba do Norte

Pesquisadores identificaram uma espécie invasora no primeiro açude da bacia do rio Paraíba do Norte a receber águas do rio São Francisco e alertam pros riscos de desequilíbrio ecológico

Notícias
11 de maio de 2021

Servidor que relatou ineficiência no Ibama denuncia ameaças feitas por assessor de Salles

Hugo Ferreira foi impedido de copiar documentos do computador onde trabalhava e sofreu ameaças após escrever um relatório para o TCU. Servidor denunciou o ato à corregedoria do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta