Notícias

Madre de Dios: os custos devastadores da corrida do ouro

Nessa região do Peru, a disparada do metal dourado multiplicou o número de minerações ilegais com danos ao meio ambiente e à saúde humana.

Alejandro Coca · Louis Reymondin ·
23 de novembro de 2012 · 8 anos atrás

A constante elevação da cotação do ouro causou uma rápida expansão nas atividades de mineração em solos aluviais nos últimos anos. Este fenômeno traz consigo enormes custos para a saúde da população e o meio ambiente. Um exemplo disso é a região (ou departamento) de Madre de Dios, no Peru, uma área que faz parte do mais extenso ecossistema de floresta tropical do mundo, a Bacia Amazônica. A quantidade de operações de mineração sem aprovação tem aumentado drasticamente nos últimos anos nesta região, contribuindo para perdas significativas de habitat. Na verdade, cerca de 7.000 ha de floresta primária e zonas úmidas foram devastados em duas áreas de mineração no período de 2003 a 2009, como demonstrado por Swenson et al (2011). O monitoramento conduzido por Terra-i mostra que entre 2004 e 2011 a região de Madre de Dios perdeu 28.369 ha de cobertura vegetal nativa, uma área equivalente à superfície das Ilhas Maldivas. Taxas de desmatamento alarmantes foram registradas nas Províncias de Manu e Tambopata, onde atividades de mineração têm aumentado consideravelmente desde 2005 (Figura 1). Estes resultados batem com as Avaliações Anuais de Recursos Florestais da FAO (FRA) e outras investigações científicas que registraram as maiores taxas de desmatamento e alteração na cobertura vegetal nativa nas regiões onde a cotação do ouro tenha subido dramaticamente.

Figura 1. Na esquerda, o mapa de detecção de mudanças na utilização do solo da Terra-i, ampliado nos focos de desmatamento em área de mineração nas províncias de Manu e Tambopata na Região de Madre de Dios (Peru), entre 2004-2011 (pontos amarelos e vermelhos); Principais áreas de mineração marcadas como “A”, para Guacamayo, “B” para Colorado-Puquiri e “C” para Huepetuhe. Na direita, fotos aéreas das áreas de mineração “A” e “B”. Crédito das fotos: mongabay.com

Uma visão geral da economia emergente do Peru

A economia do Peru tem passado por um notável período de crescimento nos últimos cinco anos, o que a torna a economia de crescimento mais rápido da região. O país tem uma das reservas madeireiras mais importantes do mundo, sendo o quarto país com a maior cobertura de floresta tropical mundial. Ele também abriga a segunda maior área de floresta tropical na Bacia Amazônica (atrás do Brasil).

Mesmo que as taxas de desmatamento sejam relativamente baixas no Peru, a taxa anual de desmatamento tem aumentado consideravelmente – de 0,14% (da totalidade da cobertura vegetal nacional) entre 2000 e 2005 para 0,22% entre 2005 e 2010, de acordo com dados da FAO. Além disso, a perda de florestas corresponde por 47,5% do total de emissões de gases de efeito estufa no país. Dentre as principais causas para o desmatamento e a degradação identificados pelo Ministério do Meio Ambiente estão: mudanças ilegais na utilização do solo para agricultura, agricultura itinerante sobre queimada, criação de gado, assentamentos humanos, mineração ilegal e má gestão de infra-estruturas rodoviárias.

Em 2011, o Peru estava entre os 6 maiores produtores mundiais de ouro. No entanto, de acordo com a Superintendencia Nacional de Aduanas del Peru e Swenson et al (2011), uma grande parte do ouro Peruano foi extraído por métodos ilegais baseados na utilização de metais pesados, como o mercúrio. Tais práticas estão aquém de serem sustentáveis e trazem um enorme impacto negativo ao meio ambiente. Além disso, como demonstrado na Figura 2, a elevação na cotação do ouro levou a um aumento exponencial nas áreas de mineração ilegal, seguido de um drástico aumento nas importações de mercúrio. E ainda, melhorias na infra-estrutura rodoviária da região, como no caso da Rodovia Interoceânica (que conecta o Peru e o Brasil), têm facilitado o processo de extração.

Gostaria de assistir a evolução do desmatamento na área de mineração? Veja o vídeo a seguir:

Artigo escrito por Alejandro Coca e Louis Reymondin com o apoio de Andreea Nowak (pesquisadora visitante da CIAT / DAPA) e Rodomiro Ortiz (Professor de Genética e Melhoramento de Plantas na Universidade Sueca de Ciências Agrárias).

 

 

 

Leia também

Salada Verde
11 de maio de 2021

Arthur Lira adia para amanhã votação do PL que acaba com o licenciamento ambiental

Proposta transfere para os estados e municípios a definição do que precisa licenciar ou não e torna a obrigatoriedade do licenciamento uma exceção

Reportagens
11 de maio de 2021

Transposição do São Francisco leva peixe invasor à bacia do rio Paraíba do Norte

Pesquisadores identificaram uma espécie invasora no primeiro açude da bacia do rio Paraíba do Norte a receber águas do rio São Francisco e alertam pros riscos de desequilíbrio ecológico

Notícias
11 de maio de 2021

Servidor que relatou ineficiência no Ibama denuncia ameaças feitas por assessor de Salles

Hugo Ferreira foi impedido de copiar documentos do computador onde trabalhava e sofreu ameaças após escrever um relatório para o TCU. Servidor denunciou o ato à corregedoria do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta