Notícias

Fotografia de alta velocidade “congela” movimento de animais

A natureza desvendada na fração impossível do bote da cascavel ou da aranha que ataca a mosca, até as asas congeladas de uma bela ave.

Hudson Garcia ·
7 de agosto de 2012 · 9 anos atrás

A fotografia é uma atividade que, em essência, se dá em uma fração de segundo. A maioria das imagens é feita utilizando velocidades em torno de 1/125 de segundo. Já a fotografia de alta velocidade empresta ao termo “fração de segundo” um novo significado, pois pede velocidades de 1/25.000 avos de segundo, para que possamos congelar e visualizar detalhes antes impossíveis de ser vistos.

A técnica é complexa, pois envolve sensores de movimento, que substituem o reflexo humano, pois este é lento demais para acionar a câmera a tempo de registrar ações tão rápidas. Flashes ultrarrápidos completam o equipamento capaz de paralisar o movimento da imagem.

Comecei a pesquisar o tema em 1996 e me senti fascinado com a possibilidade de utilizar esta técnica no registro da nossa fauna, mostrando assim cores, formas e texturas até então escondidas dos nossos olhos.

Minha investigação sobre a fotografia de alta velocidade data de 1998, mas só consegui desenvolver meus primeiros testes e o equipamento em 2005.

A dificuldade de realizar uma foto varia a cada situação. Tudo começa com uma meticulosa observação do comportamento animal, a cada caso, já pensando como o sensor de movimento vai funcionar. Busco um enquadramento bem delimitado e foco preciso. Devo prever exatamente como o animal irá agir e preparar tudo com antecedência.

Planejei por 10 anos a foto da cascavel que faz parte deste ensaio. Só a obtive recentemente. Primeiro, consegui que o CPPI (Centro de Pesquisa e Produção de Imunobiológicos), órgão que produz antiveneno aqui no Paraná, enviasse esta serpente ao amigo Julio Leite, um grande herpetólogo. Em seguida, delimitamos uma área para evitar que o animal escapasse.

O passo seguinte foi montar todo o equipamento e colocar a serpente no ponto certo. Então, com um balão cheio de água aquecida a cerca de 40º C provocamos o bote da serpente no ponto exato, para que tudo fosse capturado pela câmera. Depois de um dia inteiro de trabalho, aprovei 3 fotos.

height=”500

Hudson Garcia nasceu em Maringá, Paraná, em 27 de novembro de 1979. Começou a fotografar em 1994 e, desde então, se dedica à fotografia da natureza, produção de livros e exposições sobre a fauna e flora brasileira. Coautor do livro Parque Nacional do Iguaçu – Patrimônio Natural da Humanidade, já teve suas fotos publicadas em livros e revistas dentro e fora do Brasil. Após longa pesquisa, desenvolveu um equipamento voltado à fotografia de alta velocidade. Seu trabalho pode ser visto também no site hudsongarcia.com

height=”500

Leia também

Salada Verde
11 de maio de 2021

Arthur Lira adia para amanhã votação do PL que acaba com o licenciamento ambiental

Proposta transfere para os estados e municípios a definição do que precisa licenciar ou não e torna a obrigatoriedade do licenciamento uma exceção

Reportagens
11 de maio de 2021

Transposição do São Francisco leva peixe invasor à bacia do rio Paraíba do Norte

Pesquisadores identificaram uma espécie invasora no primeiro açude da bacia do rio Paraíba do Norte a receber águas do rio São Francisco e alertam pros riscos de desequilíbrio ecológico

Notícias
11 de maio de 2021

Servidor que relatou ineficiência no Ibama denuncia ameaças feitas por assessor de Salles

Hugo Ferreira foi impedido de copiar documentos do computador onde trabalhava e sofreu ameaças após escrever um relatório para o TCU. Servidor denunciou o ato à corregedoria do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta