Fotografia

Imagens mostram passo a passo da criação de um urutau

Ensaio fotográfico em solo boliviano mostra os primeiros dias de vida de uma das aves mais enigmáticas e solitárias da Amazônia e do mundo.

Eduardo Franco Berton ·
24 de fevereiro de 2012 · 9 anos atrás

Por Eduardo Franco Berton

O canto do urutau tem inspirado lendas em países amazônicos. (Crédito: Eduardo Franco Berton)
O canto do urutau tem inspirado lendas em países amazônicos. (Crédito: Eduardo Franco Berton)

As densas selvas tropicais da Amazônia têm sido por séculos o lar de raras e fascinantes criaturas, algumas parte da imaginação dos povos nativos e que inspiraram lendas transmitidas de geração em geração. Desde muito pequeno sempre me chamou atenção a clássica lenda boliviana do urutau (Nyctibius griseus) – chamado guajojó na Bolívia – uma historia popular de amor e tragédia inspirada no agudo e dolorido canto de uma ave noturna, misteriosa e solitária.

Lenda boliviana

Conta uma famosa lenda boliviana, que na densa mata habitava a bela filha do cacique de certa tribo, enamorada por um jovem guerreiro da mesma tribo, a quem amava profundamente. Amava e era amada. Ao saber do romance, o pai da menina, enfurecido pelo ciúmes, usou suas artes mágicas e tomou a decisão de acabar com o namoro da maneira mais trágica: matar o pretendente. Ao sentir o desaparecimento de seu amado, a jovem índia entrou na selva para procurá-lo. Enorme foi sua surpresa ao perceber o terrível fato. Em estado de choque, voltou para casa e ameaçou contar tudo à comunidade. O velho pai, furioso, a transformou em uma ave noturna para que ninguém soubesse do acontecido. Porém, a voz da menina passou à ave. Por isso, durante as noites, ela sempre chora a morte de seu amado com um canto triste e melancólico.
 

Na Bolívia o urutau e sua lenda tem sido fonte de inspiração de célebres artistas como a cantora Gladis Moreno – considerada a embaixadora da canção boliviana – e sua famosa música “El Guajojó”, e também para o historiador Hernando Sanabria (autor da popular estória), que através de suas obras imortalizaram esta ave como parte importante da tradição e cultura do crucenho (habitantes de Santa Cruz). No Peru, o Nyctibius griseus é uma ave arraigada na mitologia dos povos indígenas da Amazônia, onde é conhecido como “Ayaymama”, pois seu canto também lembra uma criança exclamando “ai, ai, mama!”. A lenda peruana conta que o bebê foi abandonado por sua mãe na floresta para evitar que morresse por uma peste que já havia dizimado todo o povo.

Características e distribuição

Dentro da família Nyctibiidae existem sete espécies do gênero Nyctibius, um deles é a Nyctibius griseus, que por sua vez pertence à ordem das aves Caprimulgiformes, composta por aves noturnas insetívoras com grande facilidade de camuflar-se durante o dia graças à peculiar e interessante plumagem, parecida com folhas secas ou casca de árvore. Como são aves noturnas, os urutaus passam grande parte do dia pousados estáticos sobre o tronco como se fossem parte dele. Esperando que o sol se oculte no horizonte e o único resplendor no céu seja o da lua e as estrelas, iniciam seu voo para capturar insetos como fonte de alimento. Os urutaus levam uma vida bastante solitária, já que quase nunca são vistos em casal, a não ser quando se acasalam ou estão cuidando de sua cria, que abandonam depois de três semanas de nascimento.

Seu habitat natural inclui a maioria dos países amazônicos, como Bolívia, Peru, Brasil, Equador, Colômbia, Venezuela, Suriname e Guiana Francesa. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), graças ao seu amplo espaço de distribuição esta ave não está ameaçada, embora sua população possa diminuir nos próximos anos.

Melancolia e paixão do urutau

Não é fácil enxergar esta ave e menos ainda escutar o seu canto. Agradável surpresa eu e meu amigo Carlos Durán tivemos ao encontrar um exemplar no meio da floresta. A lente da minha câmera começou a documentar essas imagens inéditas – capturadas em um período de dois meses – que retratam um urutau e sua cria em uma das etapas mais importantes da vida de qualquer ser vivo, a criação. Decidimos chamar este ensaio fotográfico de “Melancolia e paixão do urutau”.

Essas são as duas palavras que descrevem a etapa que pudemos retratar com estas fotos. “Melancolia”, por sua triste e vigilante forma de olhar, que nos observou pacientemente o tempo todo na documentação fotográfica, posando sozinha desde a altura de seu tronco, onde nada parecia lhe importar – sua maneira de agir fez com que nos perguntássemos quem estaria observando quem.

“Paixão”, pelo amor maternal e intenso cuidado na proteção de sua cria, a quem protegeu firmemente do calor e do frio, da chuva e do vento, como quem cuida do mais precioso tesouro, esperando que cresça e suas asas sejam suficientemente fortes para empreender seu primeiro voo floresta adentro, cantando de maneira aparentemente triste, dando som às lendas…

 

Leia também
O curupira das noites de luar, pelo ornitólogo Mario Cohn Haft 

Saiba mais:
Vídeo e áudio do urutau

O vídeo e a gravação do canto do pássaro, feitos no Brasil, são de Douglas Fernando Meleti

 

  • Eduardo Franco Berton

    Assessor jurídico da Natura Bolívia, organização apoiada pela Fundação Avina, com atuação na Amazônia e membro da Aliança Reg...

Leia também

Salada Verde
26 de julho de 2021

“A odisséia do budião”: filme destaca a relevância da preservação da espécie para o equilíbrio ecológico dos mares

Mais conhecido como ‘peixe-papagaio’, o budião fornece um importante serviço para o controle dos recifes, mas está em risco de extinção desde 2014

Reportagens
26 de julho de 2021

Listo, logo existo: CBRO divulga nova Lista de Espécies de Aves do Brasil

País possui 1.971 espécies de aves registradas, sendo 293 espécies endêmicas, o que coloca o Brasil em terceiro colocado entre os países com maior taxa de endemismo de aves no mundo

Análises
26 de julho de 2021

Escoteiros e Rede Brasileira de Trilhas se unem em parceria pela conservação natureza

A Região Escoteira do Rio de Janeiro mobilizará seus escoteiros em prol das trilhas no estado, com ações de manejo, sinalização, replantio e educação ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta