Colunas

Um banho insólito no Tietê

O rio que simboliza poluição para a maioria dos paulistanos, também pode servir de banho e lavanderia para dois moradores de rua.

22 de março de 2012 · 12 anos atrás
  • Victor Moriyama

    Victor Moriyama é um fotojornalista brasileiro baseado em São Paulo.

Banho nas águas do Rio Tietê. Foto: Victor Moriyama.
22 de março: Dia Mundial da Água
A carência de saneamento mata cerca de 1,5 milhões de crianças por ano, ou algo como 4 mil mortes evitáveis por dia.
Cerca de 880 milhões de pessoas não tem acesso à água potável
2,6 bilhões de pessoas não tem acesso a saneamento, 35% da população mundial (fonte: CDC – Center for Disease Control – US)
No Brasil, 37% dos domicílios não tem rede de abastecimento de água ou rede coletora de esgoto
No estado de São Paulo, esse percentual é de 9,2%. Fonte: IBGE.

Era segunda-feira e a janela do metrô de São Paulo emoldurava  uma cena insólita. Sob a luz forte das 11h, homens tomavam banho nas águas do Rio Tietê, um dos símbolos da poluição de São Paulo. Mesmo assim, a situação passava despercebida aos olhos saturados de imagens dos passageiros.

Os dois homens, totalmente nus, se banhavam e faziam sua higiene pessoal em um dos inúmeros dutos de esgoto que desembocam no rio. A imagem e o fedor crescente me torceram o estômago. Saltei do trem e consegui cruzar a marginal. Cheguei à margem oposta de onde a dupla se encontrava e preparei minha teleobjetiva. De longe, era aparente que conversavam como bons e velhos companheiros. Não gosto de fotografar de longe, a proximidade com as pessoas sempre foi o motor do meu trabalho como fotojornalista. Fui falar com eles.

Em uma mala preta, Ratão carregava três mudas de roupa, uma toalha, e objetos como barbeador, espelho, escova de dente, pasta, shampoo e um rádio de pilha. Sua serenidade me acalmava enquanto ouvia sua história de vida, a maior parte dela passada na rua.

Na rua a gente não faz muitos amigos. Confiar nas pessoas é difícil. Tem muita gente ruim, contou.

Enquanto eu ouvia Ratão, o outro homem continuava o banho. Reparei que a água saindo do duto parecia limpa. Perguntei a ele se sabiam sua origem. A resposta veio com naturalidade:

Vem de uma fábrica aqui próxima, depois de ser usada na lavagem de tanques de tintas.

Começaram a se barbear. O sol do meio dia brilhava. Embora fosse um dia de inverno, era quente o suficiente para secar as roupas no varal improvisado. Atrás, a infinidade de carros cruzava veloz e indiferente pela marginal do Tietê.

Foto: Victor Moriyama.
Foto: Victor Moriyama.
Foto: Victor Moriyama.

 

Leia Também 

Tietê: um rio, muitos problemas

Nas entranhas de Itaipu

 

Leia também

Colunas
31 de janeiro de 2012

Nas entranhas de Itaipu

As paredes são tão altas que parecem tocar os céus e a extensão dos corredores longa a ponto de perdermos de vista onde terminam.

Reportagens
8 de janeiro de 2010

Tietê: um rio, muitos problemas

Ministério Público considera tardia resolução que endurece licenciamento na várzea do rio Tietê. Cerca de 90% da área já está ocupada

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Antas “avisam” pesquisadores sobre contaminação humana por agrotóxicos no MS

Além de agrotóxicos como glifosato, moradores do sudeste do estado também apresentaram altos índices de metais no corpo. Antas atuaram como sentinelas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.