Análises

Tubarões: uma conquista árdua e frágil no Cites

Raias-manta e 4 espécies de tubarão entraram na lista de comércio regulado. Mas essa vitória pode ser revertida até o fim da conferência.

José Truda Palazzo, Jr. ·
12 de março de 2013 · 9 anos atrás
Agora menos vulnerável, no Havaí, uma raia-manta plana sobre o fundo do oceano. Foto: Steve Dunleavy/Flickr.

A semana aqui na CITES abriu com votações históricas que, em primeiro round, aprovaram todas as propostas de inclusão de tubarões e raias-manta em seu Apêndice II, o que significa restringir e controlar o comércio internacional das espécies abrangidas (tubarões martelo, galha-branca oceânico, marracho e raias-manta) e impedir que se comercializem animais vindos de regiões em que sua captura não seja comprovadamente sustentável.

Foram vários os fatores que contribuíram para que as propostas alcançassem os 2/3 de votos necessários, dentre eles a bela demonstração de soberania de diversos países africanos ocidentais, que se mantiveram afastados da chantagem chinesa e do talão de cheques japonês. E de parte do Brasil, para mim que sempre fui crítico da atual gestão, a alegria de constatar que o povo do Ministério do Meio Ambiente anda fazendo seu dever de casa. No caso dos tubarões, não resta dúvida que a presença da Dra. Monica Brick Peres como Gerente de Biodiversidade Aquática do MMA está vitaminando fortemente o tema. E, também por uma questão de merecida justiça, há que se reconhecer que a presença aqui do Professor Fabio Hazin, de dúbia fama passada na área ambiental por sua atuação como Presidente da ICCAT, a Comissão do Atum Atlântico, e protagonista de debates acalorados sobre os incidentes com tubarões em Recife, vem sendo fundamental para assegurar a credibilidade das propostas brasileiras, dada sua estatura científica e conhecimento de causa. Como ainda há muito o que fazer no Brasil para recuperar nossas populações de tubarões e raias, a presença desses dois personagens jogando a favor da conservação merece aplauso e apoio mesmo dos chatos profissionais como este seu escriba.

Moçambique, por fim, criou vergonha na cara ao votar a favor da restrição do tráfico de raias-manta, motivado sem sombra de dúvida pelo trabalho excepcional que faz por lá a Fundação para a Conservação da Megafauna Marinha, cuja fundadora, Andrea Marshall, é a maior especialista mundial nas mantas. Ela não conseguiu conter as lágrimas com o resultado, que também foi ajudado bastante, segundo os observadores da sessão, pelo depoimento contundente do brasileiro Paulo Guilherme “Pinguim” representando o ponto de vista dos operadores de Mergulho.

Apesar da festa, ainda teremos alguns dias sem dormir direito em Bangkok. Japão e China lutarão para reverter esses ganhos ambientais até o último segundo da reunião, e certamente ainda tentarão reverter os resultados solicitando nova votação nas Plenárias finais, algo que as Regras de Procedimento da CITES permitem. Como perdemos a esperança de que o Itamaraty cumpra sua obrigação e advirta os “parceiros” africanos para não achincalharem o Brasil de novo, estamos investindo mesmo é em encorajar a atuação de delegações corajosas como Bahamas, Maldivas e Serra Leoa, com quem, ora pois, em termos de diplomacia ambiental os herdeiros de Rio Branco ainda tem muito o que aprender.

 

  • José Truda Palazzo, Jr.

    José Truda é jardineiro, escritor, consultor em meio ambiente especializado em conservação marinha e tratados internacionais, e indignado.

Leia também

Reportagens
19 de maio de 2022

Pesquisa questiona ocorrência de Mata Atlântica no Piauí

O estudo caracterizou flora e vegetação de florestas estacionais em municípios na área de abrangência da Lei da Mata Atlântica no Piauí e concluiu que não há espécies botânicas exclusivas do Bioma

Notícias
19 de maio de 2022

Em meio à ameaça da mineração, projeto prevê criação de parque na Serra do Curral

O projeto de lei nº 1.125/22 foi apresentado às comissões da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (17) pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) para garantir a proteção da serra mineira

Reportagens
18 de maio de 2022

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe quer retomar posse do território

Indígenas estão acampados desde quinta (12) ao lado da sede do parque fluminense, em mobilização pela retomada do seu território ancestral

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Eu espero que os indígenas sejam assentados em terras degradadas do entorno, onde eles podem produzir suas roças à vontade. Infelizmente vimos muitas vezes o resultado da entrada de indígenas nas unidades de conservação do sul da Bahia e norte do Rio Grade do Sul, para no falar do litoral de São Paulo e Paraná. A extinção local dos animais de maior porte se segue rapidamente, assim como a venda de madeira. As unidades de conservação não são palco para solucionar os nosso grave problemas sociais.


  2. Israel Gomes da Silva diz:

    Se não tem apoio de partido político, quem está bancando a picanha e a bebida que a liderança está comendo todos os dias no Sahy Vilage Shopping, sendo solicitado apenas Notinhas da comida? Todos os dias um grupo de indígenas vão à praia e aí Shopping, mesmo no frio.


  3. Salvador Sá diz:

    Parabens ao Duda pela materia, me permite concluir que estamos diante de uma nova e muito grave ameaça ao q sobrou, grave pq faz uso de uma causa nobre, mas cheia de equivocos e que está enganando muita gente e não só os próprios índios. A materia fura o cerco de silencio feito pelo ambientalismo seletivo e chapa branca midiatico.