Reportagens

O retorno dos caminhos coloniais

Projeto da Transcarioca recupera trechos antigos da época das monoculturas e convida o visitante a percorrer um pedaço da história.

Duda Menegassi ·
11 de dezembro de 2012 · 11 anos atrás
Antiga construção: a ruína da Caveira. (Fotos: Duda Menegassi)
Antiga construção: a ruína da Caveira. (Fotos: Duda Menegassi)

O Parque Nacional da Tijuca não tem só belezas para mostrar, mas histórias para contar. A maioria delas data do período colonial, quando os engenhos eram o cenário para os escravos, fazendeiros e membros do império, personagens de um passado que ainda se faz presente no Parque. As ruínas são só uma parte mais visível do que ficou, porém por todo o Parque existem antigos caminhos que eram usados para passagem de carroças, trabalhadores, assalariados ou não, e até personagens célebres, como o Major Archer, responsável pelo primeiro reflorestamento do Parque, em 1861.

Esses caminhos coloniais ligam toda a Floresta da Tijuca, mas muitos deles não são usados e foram abraçados novamente pela mata, que os esconde e os faz cair no esquecimento. O espírito da Transcarioca é resgatar essas trilhas herdadas e recuperá-las para torná-las aptas para uso público.

O trabalho é achar esses trechos e colocá-los no mapa. Para isso, quase não é necessário abrir trilhas, de fato, mas sim recuperá-las e demarcá-las, para poder oficializar com as pegadas amarelas que ali é um percurso da Transcarioca. “Basicamente a Transcarioca é recuperação de trilhas antigas e conexão entre algumas delas” explica Ernesto Castro, Chefe do Parque Nacional da Tijuca.

Com o tempo a floresta se projeta sobre os antigos caminhos
Com o tempo a floresta se projeta sobre os antigos caminhos

O pouco uso desses caminhos exigem cuidados. Às vezes devido ao longo tempo abandonadas elas são apagadas pela floresta cada vez mais para o canto, até sobrar apenas uma estreita trilha à beira da encosta. Isso torna a passagem dos visitantes mais perigosa, além de causar deslizamentos e ser mais erosivo. Por isso é preciso abrir a trilha novamente para o lado da montanha.

Outro cuidado no manejo desses trechos é a sinalização. Em bifurcações ou áreas que podem gerar confusão no visitante, a seta e a pegada amarela precisam estar ao alcance da vista. “A sinalização tem que ser feita com o olhar do visitante” explica Ernesto. “A sinalização tem tanto a questão de bifurcações, áreas em que há dúvida, mas também a marcação que a gente chama de tranquilizadora. De tempos em tempos, mesmo que não tenha uma bifurcação é interessante ter uma sinalização para que a pessoa se certifique de que ela está na trilha certa”.

A sinalização garante que os visitantes só possam perder o fôlego, mas não a trilha.
A sinalização garante que os visitantes só possam perder o fôlego, mas não a trilha.

Ficar perdido só vale se for para se perder nas páginas e pegadas dessa história de muitos caminhos e pés.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Reportagens
21 de maio de 2024

Crise climática e lacunas no conhecimento pioram risco de zoonoses

Enchentes no Rio Grande do Sul têm um aspecto epidemiológico importante, chamando atenção para o fato de sabermos muito pouco sobre os riscos reais de zoonoses no Brasil

Notícias
21 de maio de 2024

Países liberam rios para salvar peixes migradores

Declínio chega a 91% na América Latina, mas Brasil quer barrar ainda mais cursos d’água, sobretudo na Amazônia e no Cerrado

Notícias
21 de maio de 2024

Degradação florestal na Amazônia é a maior dos últimos 15 anos

Queimadas em Roraima foram responsáveis pelo número. Desmatamento, por sua vez, continua em queda no bioma, mostra SAD, do Imazon

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.