Notícias

Menos um empecilho ambiental

Secretaria de Meio Ambiente de Mato Grosso revoga único instrumento de gestão da APA da Chapada dos Guimarães em meio a obras da Copa de 2014 e à chegada de empreendimentos turísticos.

Redação ((o))eco ·
6 de agosto de 2009 · 12 anos atrás

Nesta semana, a secretaria de meio ambiente de Mato Grosso revogou o único documento que dá alguma orientação à gestão da Área de Proteção Ambiental da Chapada dos Guimarães, considerada zona tampão do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. O secretário Luiz Henrique Daldegan não precisou de mais do que duas linhas e meia para justificar a revogação do macrozoneamento da APA: “só pode ser feito por lei ordinária”. Assim, como as regras para uso e ocupação da área protegida foram estabelecidas pela própria secretaria por portaria, não lei, foi preferível revogá-la para deixá-la sem instrumento de gestão. Há pouco mais de dois meses, Cuiabá ganhou o direito de ser uma das cidades-sede para a Copa de 2014 e desde janeiro seu secretário de turismo propagandeia uma série de investimentos, como teleféricos, resorts, campos de golfe e outros no entorno da Chapada. Para concretizá-los, acabaram de se livrar de mais um empecilho ambiental.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta