Salada Verde

Greenpeace denuncia madeireira em assentamento do INCRA

ONG volta a denunciar corte ilegal de madeira em assentamento do Incra, no município em Santarém, Pará. Primeiro alerta foi dado há 5 anos.

Daniele Bragança ·
4 de abril de 2012 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Imagem aérea do local, feitas pelo Greenpeace, repleta de toras.
Imagem aérea do local, feitas pelo Greenpeace, repleta de toras.

O Greenpeace encontrou uma madeireira funcionando sem autorização dentro de um assentamento do Incra, a cerca de 140 quilômetros do município de Santarém (PA). A investigação durou dois dias (30/03 e 31/03). A ONG identificou tráfego intenso de caminhões repletos de toras, além de pátios de madeira, uma serraria, toras cortadas e desmatamento recente na área. Fotografias dos flagrantes do crime ambiental foram feitas e anexadas à um relatório entregue ao Ibama, com cópia para o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério Público Federal pedindo a investigação do caso.

A área, conhecida como Corta Corda, é um assentamento do Incra localizado na região do rio Curuá-Una. Segundo o Greenpeace, os assentados já denunciaram várias vezes ao Incra a ação ilegal no local, mas nada foi feito para pará-lo. Segundo o Greenpeace, a solução proposta pelo Incra seria, em vez de aumentar a fiscalização, destinar quase toda a área coberta com florestas do assentamento – quase 41 mil hectares – aos grileiros que exploram madeira na região. Pela proposta do Incra, o assentamento diminuiriam de 52 mil para 11 mil hectares.

Área vermelha - Área a que o assentamento Corta-Corda ficaria restrito caso seja implementada a proposta que acomoda o interesse de madeireiros. Ela teria apenas 11 mil hectares, contra o total (área bege + vermelha) de 52 mil hectares ocupados, hoje.
Área vermelha – Área a que o assentamento Corta-Corda ficaria restrito caso seja implementada a proposta que acomoda o interesse de madeireiros. Ela teria apenas 11 mil hectares, contra o total (área bege + vermelha) de 52 mil hectares ocupados, hoje.

Ulaí Nogueira, chefe da Divisão de Obtenção de Terras do Incra/Oeste do Pará, nega a informação. Ele disse que o  Incra não quer reduzir a área do PA Corta Corda, conforme noticiado pelo Greenpeace.

Em nota divulgado pela assessoria, Ulaí Nogueira informa que o Incra proporá uma ação conjunta com o Ibama para apurar as denúncias e combater futuras ações de desmatamento ilegal em Corta Corda. A parceira com o Ibama, segundo ele, é importante porque há atribuições que são específicas do órgão ambiental, como a aplicação de multas e a apreensão de toras de madeiras, que não cabem ao Incra.

Não é a primeira vez que extração ilegal de madeira acontece na região. Há cinco anos o Greenpeace já a havia exposto em um relatório intitulado Assentamentos de papel, madeira de lei a situação dos assentamentos do Pará. “É um absurdo que as motosserras ainda operem sem controle na Amazônia. O Ibama deveria fiscalizar e punir, mas está desaparelhado para cumprir sua missão. E o Incra, em vez de defender os assentados, parece jogar o jogo dos madeireiros”, diz Paulo Adario, diretor da campanha da Amazônia do Greenpeace.

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Notícias
24 de abril de 2024

Na abertura do Acampamento Terra Livre, indígenas divulgam carta de reivindicações

Endereçado aos Três Poderes, documento assinado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e organizações regionais cita 25 “exigências e urgências” do movimento

Reportagens
24 de abril de 2024

Gilmar suspende processos e propõe ‘mediação’ sobre ‘marco temporal’

Ministro do STF desagrada movimento indígena durante sua maior mobilização, em Brasília. Temor é que se abram mais brechas para novas restrições aos direitos dos povos originários

Notícias
24 de abril de 2024

Cientistas descobrem nova espécie de jiboia na Mata Atlântica

A partir de análises moleculares e anatômicas, pesquisadores reconhecem que jiboia da Mata Atlântica é diferente das outras, e animal ganha status de espécie própria: a jiboia-atlântica

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.