Salada Verde

Mais um capítulo da guerra pelo Código Florestal

Em reunião de Comissão Especial que analisa mudanças na lei, ruralistas elogiam relator Aldo Rebelo. Votação está marca para próxima semana .

Redação ((o))eco ·
29 de junho de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Brasília – Adiado por mais uma semana o calvário do Código Florestal brasileiro. O relatório apresentado por Aldo Rebelo foi debatido nesta terça e terá sua votação bem como o debate do texto final feita na próxima semana. Definida por Moacir Micheletto, presidente da Comissão Especial, a votação do relatório “mutante” fica para os dias 5 e 6 de julho no auditório 2 do anexo II da Câmara.

Os elogios ao “alto grau de racionalidade” do Deputado do PC do B paulista Aldo Rebelo em seu relatório foram predominantes. Já ele próprio estava visivelmente desconfortável com os elogios abundantes que recebeu dos ruralistas. 

Na abertura, Aldo deixou claro que está fazendo modificações no texto para atender aos dois critérios eleitos por ele como fundamentais. Consolidar a área plantada do país e preservar a natureza. Ficou fácil perceber que a “anistia” foi o pacto de sangue que uniu o comunista aos ruralistas. Mas na verdade nem eles sabem direito o que diz o tal relatório.

Segundo Nilo D’ávila do Greenpeace, Aldo Rebelo conseguiu desagradar a todos, ruralistas e ambientalistas, mas seu relatório acaba servindo como base para inclusão de emendas no plenário sem o debate sobre as suas consequências específicas. Na análise feita pelo Ministério do Meio Ambiente e criticada por Aldo, serão 80 milhões de hectares de vegetação que poderão ser destruídos caso o relatório vire lei. 

Mesmo negando que o aumento das derrubadas possa ocorrer, o senador Valdir Raupp do PMDB de Rondônia discordou com a proposta do relatório de Aldo que propõe o desmatamento zero . “Como se pode sobreviver na Amazônia sem cortar mais nenhuma árvore?”, perguntou. Servidores da área ambiental, em greve até semana passada, mostraram cartões vermelhos para a plenária quando discordavam da fala de algum membro do legislativo. Foram chamados de “paus-mandados”das ONG’s internacionais pelos deputados raivosos. Técnicos ambientais que são, puderam ainda dar boas risadas quando Aldo pediu que os órgãos ambientais protejam as árvores exóticas de mangueira e jaqueira que estão entrando em extinção no Nordeste por não haver lei que as proteja. 

Foi a melhor contradição de um dia com muitas delas. O deputado Reinhold Stephanes (PMDB-PR), ex-ministro da Agricultura chegou ao final da sessão para uma conversa informal com o deputado Paulo Piau do PMDB mineiro onde acabou soltando que o relatório de Aldo é ainda mais pró-ruralista do que o que ele próprio havia proposto. Segundo ele é necessário algumas alterações para o lado dos ambientalistas pois como está vai além do que os ruralistas precisam.(Gustavo Vieira)

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.