Salada Verde

Canastra mais perto de ser retalhada

Projeto que reduz Parque Nacional em 24% e cria mosaico de unidades de conservação no local deve ser aprovado esta semana na Câmara

Cristiane Prizibisczki ·
22 de junho de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O recorte do Parque Nacional da Serra da Canastra está cada vez mais perto de acontecer. O Projeto de Lei que reduz em 24% sua área e cria, no lugar, um mosaico de unidades de conservação com nove Áreas de Proteção Ambiental – a categoria menos eficiente para a conservação – deve ser aprovado esta semana na Câmara dos Deputados. O texto já passou pelas comissões de Meio Ambiente e Constituição e Justiça. O relator do PL, o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) também já deu parecer favorável à mudança. Se não receber nenhum pedido de recurso, o documento segue para o Senado para posterior sanção do presidente Lula.

Até semana passada o documento estava parado na Câmara e poderia ficar ainda mais um tempo em debate se a solicitação do deputado Sarney Filho tivesse sido atendida. Ele pedia que o projeto fosse apreciado também na Comissão de Minas e Energia, já que uma grande área do parque é rica em quartizito, cuja atividade de exploração tem forte apelo social em municípios como Alpinópolis, no entorno da unidade, e é uma das grandes responsáveis pela sua degradação. Com a aprovação do PL pela Comissão de Constituição e Justiça, o pedido de Sarney Filho foi retirado.

Deputado Carlos Melles

— Gostaria de pedir a todos que tenham uma atenção especial à atividade parlamentar voltada para o meu projeto sobre a Serra da Canastra.

– No papel, o Parque da Serra da Canastra tem 200 mil hectares. Na prática, eram 71.500 preservados. Estamos aumentando para 155 mil.

— Além do aumento real, essa nova demarcação inclui a nascente geográfica do Rio São Francisco. Buscamos harmonia e legalidade na Canastra.

– Precisamos conciliar a fundamental preservação ao meio ambiente com a atividade humana, necessária para manter a vida na região.

Criado em 1972 com quase 200 mil hectares, o PN nunca conseguiu proteger realmente toda a esta área. Até hoje, apenas 71 mil hectares foram regularizados. Os outros quase 130 mil, em grande parte ocupados irregularmente, esperam pela ação do governo para a desafetação. Apesar deste longo período sem regularização, o atual chefe da unidade, Darlan Alcântara, acredita que não é retalhando a unidade que o problema será resolvido. O correto seria fazer cumprir a lei vigente no país. “Não se pode usar a dor das famílias [que vivem dentro e no entorno do parque] para fugir à responsabilidade da lei ambiental”, disse, em relação a um dos argumentos usados pelos deputados autores do PL.

Segundo Alcântara, o clima dentro e fora da unidade é de apreensão. Todos estão, há anos, à espera de mudanças, já que, do modo como está,  meio ambiente e população estão perdendo.  “Será um retrocesso se o PL for aprovado. O parque assegura a preservação de um dos maiores contínuos de cerrado do sudeste. Já existe pressão antrópica sendo parque, imagina se transformar em APA?”, pergunta-se. 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
6 de novembro de 2008

Canastra a um passo do recorte

Comissão de Meio Ambiente da Câmara aprova projeto que tira 48 mil hectares do Parque Nacional da Serra da Canastra (MG). Medida teve parecer a favor do deputado Fernando Gabeira

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta