Reportagens

Serra dos lobos

Projeto desenvolvido na Serra da Canastra (MG) levanta dados precisos sobre lobo-guará e avança para outros estados. Vulnerável, espécie tem perdido espaço para agronegócio.

Bernardo Camara · Adriano Gambarini ·
13 de junho de 2008 · 14 anos atrás

Quem chega ao Parque Nacional da Serra da Canastra, no interior de Minas Gerais, logo estica o pescoço à procura dos lobos-guarás. Afinal, é por ali que rodeiam as populações mais densas dos 25 mil Chrysocyon brachyurus que restam hoje na América do Sul. Empurrada para a categoria de vulnerável pelo agronegócio, a espécie virou objeto de estudo do projeto Lobo na Canastra, que em quatro anos conseguiu levantar dados inéditos para a conservação do mamífero.

Ainda que o Brasil seja reduto de aproximadamente 90% dos lobos-guarás que ainda existem, a coisa também anda feia por aqui. A abertura de estradas para o escoamento da produção agrícola está inchando os índices de atropelamento do animal. E as galinhas que ciscam despreocupadas porteira afora viram alvo fácil do mamífero, que após a primeira dentada tornam-se inimigos públicos dos fazendeiros.

Em 2004, um mutirão de aproximadamente 30 pesquisadores aterrissou na região não só para apaziguar as relações entre os brachyurus e a comunidade local. O objetivo daquela gente que vinha de todo lado – do Rio Grande do Sul a Brasília – era jogar no computador uma pesquisa complexa e multidisciplinar sobre aquele animal. Foi assim que surgiu a parceria entre o Centro Nacional de Pesquisas para a Conservação de Predadores Naturais – Cenap/ICMBio, o Instituto Pró-Carnívoros e universidades brasileiras.

“O projeto nasceu com a necessidade de medir o impacto humano naquela população”, conta o analista ambiental Rogério Cunha de Paula, do Cenap, e um dos coordenadores do Lobo na Canastra. “Todo início de projeto começa lento. O nosso já começou ‘pauleira’”, recorda. O que não chega a ser exagero. Nos 48 meses que se passaram desde que o primeiro lobo parou nas mãos dos especialistas, foram 43 indivíduos capturados e monitorados até hoje.

O resultado disso foram longos e precisos relatórios em cima do comportamento, ecologia, genética e os mais diversos ângulos de análise sobre a espécie. Além de terem subsidiado seu plano de ação internacional, lançado no início de maio, os dados jogaram luz sobre os desafios que até então o canídeo tinha de enfrentar por conta própria. E eles não são poucos.

Matemática com lobos

De acordo com as conclusões do projeto, uma grande quantidade de lobos-guará se aventuram em estradas e morrem atropelados. Numa projeção para as populações com menos de três mil indivíduos, a probabilidade de extinção varia de 10 a 99%. Nos grupos com cerca de 100 animais, o sumiço é quase certo. “É o caso dos lobos da Estação Ecológica de Águas Emendadas, em Planaltina, Distrito Federal. A espécie vem sofrendo muito com atropelamentos e já caminha para uma extinção local”, alerta Cunha.

A destruição dos habitats, que tem corrido solta no Cerrado, também figura como um dos principais fatores de risco. Ainda que, em 100 anos, as simulações não apontem para o desaparecimento de populações com mais de 100 indivíduos, o recorte de 2% do ambiente natural já seria suficiente para dizimar 50% de algumas populações em apenas 30 anos. Mesmo sobrevivendo no curto prazo, os grupos mais densos enfrentariam no futuro uma redução significativa da diversidade genética.

A descaracterização do espaço natural vem forçando os brachyurus a driblar lavouras e pastos que se interpõem no caminho com frequência cada vez maior. Graças à amplitude de sua dieta, que vai de frutos a pequenos mamíferos, eles estão conseguindo se virar bem em novos ambientes, como regiões devastadas de Mata Atlântica. Mas o analista ambiental do Cenap lembra que jeitinho tem limite: “Eles precisam estar num mosaico em que as áreas alteradas destinadas a campos de agricultura ou pastagem esteja mesclada com áreas naturais de remanescentes”.

Além desses problemas, a equipe do Lobo na Canastra encontrou mais um indício desfavorável. A proximidade dos canídeos silvestres com os domésticos está levando aos guarás doenças tipicamente urbanas, como a cinomose. Mas nesse caso, os dados ainda são preliminares. “Isso é real. Só não sabemos ainda o quanto isso gera de mortalidade e quanto isso é prejudicial para a vida deles”, explica Cunha.

Essa mescla de realidades adversas alcançou o pior estágio na Argentina, onde ainda existem dez populações principais do lobo-guará. Do jeito que as coisas estão, somente uma delas tem chances de sobrevivência em 100 anos, com uma probabilidade tímida de 3%. Nas demais, a possibilidade de extinção é dada como certa: 100%. No Plano de Ação, um dos itens ressalta a necessidade de se retirar a espécie dos clubes de caça, praticada com o aval da lei pelos argentinos.

Precisão

Antes do projeto decolar, as informações sobre o animal de pêlos avermelhados eram bastante esparsas no Brasil. A escassez de recursos contribuiu largamente para esse quadro. O apoio de especialistas que saíram de instituições como a Universidade de Brasília (UnB) e a PUC do Rio Grande do Sul foi determinante para a coleta e análise de dados. De 2004 para cá, o time já atraiu mais de um milhão de reais, entre investimentos estrangeiros e prêmios por reconhecimento dos trabalhos.

Com as doações, a pindaíba deu lugar a um maior respaldo tecnológico, permitindo a realização de análises mais precisas. É o caso do monitoramento por hormônio, que comparou o nível de estresse dos animais que permanecem dentro do parque com os que dão suas voltinhas pelo entorno. Sem surpresas, o levantamento indicou que os lobos da periferia são mais estressados que os do núcleo da unidade. E aqueles que passam distante dos limites da UC carregam os índices mais altos.

A última conquista tecnológica já está no pescoço de três lobos, há mais de um ano: são os colares com dispositivo GPS, que fornecem informações muito mais refinadas que os antigos rádio-colares. Dividindo a coordenação do projeto, o biólogo Flávio Rodrigues, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), diz que a aquisição possibilita um enorme salto nas pesquisas, e avisa que já há outros dois equipamentos a caminho. “A diferença na qualidade de dados é gritante. Com isso, você tem condições de aferir o padrão de movimentação, uso de habitat, a relação social entre os indivíduos, se eles utilizam ou evitam área degradada”, exemplifica.

Cinema na roça

Enquanto uma turma se embrenha no Cerrado à procura dos canídeos, outra equipe do Lobo na Canastra vai atrás das comunidades locais. A tarefa não é fácil, pois inúmeros moradores vêem no lobo um potencial devastador de galinheiros. “Para o produtor, o lobo era responsável por tudo. Mas tem gavião, jaguatirica, cachorro-do-mato, que também fazem esses ataques. Fizemos uma avaliação de quantos animais participam desse prejuízo e mostramos que ele não é o único responsável”, conta Rogério Cunha.

Nos primeiros contatos com as populações locais, a trupe já convenceu muita gente a não deixar suas aves soltas por aí. Uma série de galinheiros foi construído nas propriedades, com o argumento de que a produção aumenta e as surpresas desagradáveis diminuem. Tudo na base da conversa. “O que a gente tem feito é a tentativa de começar a mobilizar a comunidade para discutir as questões. O contato direto é importante, para mostrar que não estamos ali só para coletar sangue e acompanhar o bicho, mas também para dar uma resposta às pessoas”, explica Marcelo Bizerril, biólogo da UnB que coordena o braço de educação ambiental do projeto.

Mas para pegar a população da roça pelo pé, o projeto decidiu por uma estratégia mais atraente: arranjou cadeiras, caixas de som, telão e levou para as praças públicas o chamado Cine Lobo, um cinema itinerante que exibe diversos filmes, nacionais ou não. Antes das sessões, quando os espectadores se espremem para pegar o melhor lugar, a equipe do projeto inicia um debate e passa alguns documentários sobre o canídeo.

“O cinema é uma maneira de reunir as pessoas. Assim, a gente pode ter discussões mais aprofundadas”, assegura Bizerril. “Nossos curtas falam da natureza da Canastra, do lobo, dos conflitos entre o animal e as galinhas”, vai listando, ao explicar que os filmes são editados na própria UnB. “Enquanto os pesquisadores trabalham em campo, nós vamos conhecendo a comunidade, dando palestras”.

Os próximos passos do projeto já estão traçados. No início do ano, todos os envolvidos se reuniram para discutir os acertos e os furos. Além de colaborar para a implementação do Plano de Ação, a idéia principal é que o Lobo na Canastra ganhe novos ares. O que na prática significa estruturar, a princípio, ações por Paraná, São Paulo e Mato Grosso, além de continuar os trabalhos por Minas. “Desde o início, a intenção era usar a Canastra como modelo para replicar em outras localidades. Depois de quatro anos e meio de projeto, já temos esse modelo”, garante Rodrigues. “Queremos um monitoramento a longo prazo, que isso seja eterno”, conclui Cunha.

  • Bernardo Camara

    Bernardo Camara é jornalista formado pela PUC-Rio. Desde 2007 dedica-se a temas ambientais e de direitos humanos. Viveu por 4...

  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Notícias
8 de agosto de 2022

Por falha no processo, extinção do Parque Estadual Cristalino II é anulada (por enquanto)

Três dias após ter decidido pela extinção, Justiça de Mato Grosso mantém validade do decreto de criação da unidade. Certidão de "trânsito em julgado” foi tirada da ação

Reportagens
8 de agosto de 2022

Empresa que disse cancelar usina próxima à área da ararinha-azul mantém estudos para licenciamentos

O levantamento para um parque eólico e a autorização para uma usina fotovoltaica ainda constam em sistema de órgão ambiental baiano

Notícias
5 de agosto de 2022

Países pobres receberam só 8% do financiamento climático

Relatório da OCDE mostra que nações ricas ficaram US$ 17 bi abaixo da meta de financiamento para 2020 e 70% do recurso foi empréstimo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta