Reportagens

A guerra do diesel mais limpo

Minc resolve conflito sobre não cumprimento do prazo para diminuição do enxofre no diesel brasileiro com nova resolução. Para analistas, esta é apenas a ponta de um imenso iceberg.

Cristiane Prizibisczki · Dominique Lima ·
11 de setembro de 2008 · 14 anos atrás

Depois de deixar jornalistas e pesquisadores esperando por mais de uma hora, o ministro Carlos Minc deu início à 91ª Reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), na manhã da última quarta-feira, em Brasília, com um discurso prá lá de repetido nos últimos dias: o de que nunca teve a intenção de prorrogar o prazo estipulado pela Resolução 315/02 do Conama – que dispõe sobre a quantidade de enxofre no diesel brasileiro e prevê o uso obrigatório do combustível com 50 Partes por Milhão (ppm) de Enxofre (S) para janeiro de 2009 – e que os que não estiverem de acordo com o documento responderão a processo do Ministério Público da União (MPU).

Durante sua fala – na qual fez questão de lembrar ponto a ponto os principais feitos de seus 100 primeiros dias à frente da pasta de Meio Ambiente –, Minc ressaltou que a única mudança na Resolução 315/02 será a antecipação de uma das etapas do documento, que prevê a obrigatoriedade do uso de diesel com 10 ppm de enxofre, de 2016 para 2012. A nova parte do texto deve ser votada em reunião extraordinária do Conama, convocada pelo ministro em caráter de urgência para a segunda quinzena de outubro. No próximo dia 17, a câmara técnica do Conselho deverá se reunir para avaliação do documento.

Com o discurso, Minc jogou um pouco de água fria em um debate acalorado que vem sendo mantido há vários meses e que tem como principais atores Petrobrás, Agência Nacional do Petróleo (ANP) e Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA).

História antiga

A Resolução 315/02 do Conama dispõe sobre a segunda fase do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve) e, além de determinar a produção de diesel com menor teor de poluentes, também obriga que a indústria de automotores forneça veículos adaptados ao novo combustível. Quando ela foi aprovada em 2002, a ANP assumiu a obrigação de especificar as diretrizes técnicas para o refino do diesel menos poluente, para que Petrobrás pudesse, então, iniciar sua produção.

O problema é que se passaram cinco anos até que a Agência resolvesse regulamentar a resolução, o que aconteceu somente em outubro de 2007. Desde então, deu-se início a um claro jogo de empurra entre os envolvidos. Petrobrás disse que não produziu o novo combustível porque esperava a regulamentação da ANP, e que só começaria seu fornecimento quando houvesse carros adaptados pela indústria automotiva. A Anfavea, por sua vez, alegava que já havia carros adaptados e que a culpa era da Petrobrás e ANP. A Agência Nacional do Petróleo, por seu turno, dizia que a transição do diesel mais poluente para aquele com baixos teores de enxofre não era tão simples e que envolvia sérios problemas de logística.

No meio do tiro cruzado, a única coisa que se tinha certeza era que o prazo de 2009 certamente não seria cumprido. Diante do cenário, sociedade civil organizada e governos estaduais resolveram agir: ações judiciais foram abertas junto ao Ministério Publico e até uma representação contra a Petrobrás chegou ao Conselho de Auto-regulamentação Publicitária (Conar), sob a alegação de que a estatal andava fazendo “propaganda enganosa” ao noticiar ações de sustentabilidade.

Panela de Pressão

Com o passar dos meses – e o gargalo cada vez menor no prazo para o cumprimento da Resolução 315/02 – a pressão sobre o Ministério do Meio Ambiente começou a aumentar. Em agosto, Petrobrás, ANP e Anfavea realizaram três rodadas de negociações com Minc para tentar negociar novos prazos. Segundo Maurício Broinizi, secretário-executivo do Movimento Nossa São Paulo, entidade que participou de duas das três rodadas, Minc tentou colocar “panos quentes” na situação, cedendo de um lado para ganhar de outro.

Durante a abertura da 91ª Conferência do Conama, o ministro garantiu que a história não foi bem assim. “Petrobrás, ANP e Anfavea  pelo visto se enrolaram com o prazo”, analisou. Ele também disse que foi, sim, “pressionado” a estender os prazos, sem especificar por quem, mas que o ministério não cederá. Para Broinizi, a figura de bom moço só apareceu depois que repercutiu na mídia a notícia de que um “acordo” havia sido firmado. “Ele voltou atrás por causa da pressão da sociedade”, analisa o secretário-executivo.

Segundo o representante do Movimento Nossa São Paulo, antecipar a etapa S-10 para 2012 não é a solução, já que as conseqüências da má qualidade do ar nas capitais estão sendo sentidas agora. O correto, para ele, seria pressionar ainda mais as entidades para que cumpram o prazo de 2009. “Se elas não se prepararam, que arrumem uma solução, que importem o combustível […] É óbvio que foi negligência delas, não estamos falando com pobres coitadas”, avalia. Atualmente, a estimativa é que, só em São Paulo, morram cerca de 3 mil pessoas todos os anos por problemas decorrentes da poluição.

Já para André Ferreira, diretor-presidente do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IMAE), discutir prazos para diminuição da quantidade de enxofre no diesel ou apontar culpados pelo não cumprimento da resolução é apenas uma maneira simplista de encarar o problema. Segundo ele, o que existe no Brasil é um “conflito de interesses” entre regulação ambiental e regulação energética. “Nos EUA, quem diz a qualidade do diesel é a Agência de Proteção Ambiental, a EPA. No Brasil, quem regula combustível é a ANP, e as emissões o IBAMA. Isso é uma diferença brutal”, avalia.

Segundo ele, os avanços no controle de emissões de veículos vão exigir um maior “entendimento” do mercado de combustíveis. Isto é, o fortalecimento da ligação entre as duas regulações. “Esse contraste ficou muito claro agora [com as discussões sobre prazos]”, diz. Para Ferreira, se a saída encontrada por Minc for uma proposta semelhante à Resolução 315, que o governo garanta, pelo menos, que ela seja cumprida. “A sociedade precisa de sinais concretos de que essa [nova resolução] não vai seguir o mesmo caminho da outra”.

Algumas Repercussões

Os governos do Estado e do município de São Paulo, o Fórum Paulista de Mudanças Climáticas e uma série de outras entidades – como o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Greenpeace e SOS Mata Atlântica – apresentaram recentemente uma denúncia contra o governo federal junto à Organização dos Estados Americanos (OEA), pedindo que tome providências no sentido de garantir o direito à vida.

As entidades também preparam ações perante o Global Reporting Initiative (GRI) e Transparência Internacional, questionando a publicidade feita pela Petrobrás, na qual ela afirma ser a empresa mais transparente do mundo. Os documentos ao GRI e Transparência Internacional serão entregues na próxima semana.

Depois de as entidades denunciarem a Petrobrás ao Conar, no final do ano passado, a estatal restringiu a divulgação de suas informações no processo sob a alegação de que estariam protegidas por sigilo de Estado. Na ocasião, o grupo entrou com recurso, que foi indeferido pelo secretário executivo do Conselho, Edney Narchi.

No próximo dia 22, o Movimento Nossa São Paulo realizará um Ato Público exigindo o cumprimento da Resolução 315/02. Na ocasião, uma pesquisa sobre mobilidade que está sendo realizada pelo Ibope será apresentada. “Vamos até as últimas conseqüências para que cumpram a Resolução”, diz Maurício Broinizi. O Ato Público será realizado no SESC Consolação, às 10h.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.