Reportagens

A hora da virada

Um relatório do governo britânico aponta que o mundo poderá perder até 20% de sua atividade econômica se não agir agora contra o aquecimento. Basta investir 1% do PIB mundial.

Gustavo Faleiros ·
30 de outubro de 2006 · 15 anos atrás

Foi a partir da Inglaterra do século XIX que o modelo econômico liberal, coroado pela Revolução Industrial, passou a ditar os rumos do planeta. Quão surpreendente não é ver que duzentos anos depois, são os britânicos a chegar a uma trágica conclusão: o mundo vive hoje uma falha de mercado jamais vista. O aquecimento global é o nome deste enorme erro. A equação é simples: toda a atividade econômica atual tem sido bastante lucrativa, mas como está baseada em emissões de poluentes é provável que num horizonte não muito distante tudo vá por água abaixo. O resultado foi delineado pelo ‘lord’ Nicholas Stern, antigo economista-chefe do Banco Mundial, que produziu sob encomenda do Ministério da Fazenda britânico o relatório “A Economia da Mudança Climática”.

Já apelidado de o “Relatório de Stern”, é possível que o documento se torne um marco das questões climáticas, como foi o “Relatório Brundtland” para o conceito do Desenvolvimento Sustentável, 1987. Nele estão reunidos as mais concretas evidências científicas de que o aquecimento global está em curso. Além disso , o economista esteve em diversas regiões do mundo, inclusive no Brasil, para avaliar quais seriam os impactos na economia caso se confirme que até a metade do século a temperatura mundial sofra uma elevação de 2 graus centigrados. De acordo com o estudo, existe a probabilidade de 77% que isso ocorra. Chegado o fim do século, se mantidos o formato atual dos sistemas de produção, o planeta pode estar até 5 graus mais aquecido. “Tais mudanças vão alterar a geografia do mundo, a humanidade entrará em um terreno desconhecido”, alerta o relatório.

O tom do relatório, como se pode ver pela frase acima, é bastante alarmante. Pelos conclusões a que chegou não poderia ser diferente. A perda que o aquecimento vai infligir sobre a economia são piores do que se imaginava. As estimativas anteriores estavam otimistas, pois falavam em 0,2% a 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB) global. Mas no ritmo em que está, o mundo pode se preparar para perder pelo menos de 5% a 10% de sua atividade econômica no próximo século, garante o estudo. “A mudança climática terá no futuro um papel de ruptura como tiveram a depressão econômica e as grandes guerras no ínicio do século 20”.

Mas o quadro pode ser ainda pior. Os custos da mudanças climáticas são difíceis de mensurar pois não há muita precisão nos cálculos de perda da biodiversidade ou dos danos a saúde das populações. Assim mesmo, o estudo arrisca. Somando-se os impactos sobre os sistemas de produção com danos físicos sobre os seres-vivos, a redução da riqueza global poderá passar dos 10% e chegar a 20% já no próximo século, algo como 7 trilhões de dólares.

Recado para Bush

A maioria dos danos físicos será veículado pela água como a inudanção de cidades localizadas à beira-mar e a variação das monções no Sudeste Asiático. Além disso, é possível que milhares de pessoas na África deixem de obter sustento com a atividade agrícola. A Amazônia também poderia entrar em um regime climático que a levasse a perder sua biodiversidade. Com o aquecimento, poderemos observar a perda de 15% a 40% das espécies existentes na Terra.

Em seu relatório, Stern frisa o que muitos já vem dizendo: serão os pobres os mais afetados pela elevação das temperaturas. Não haverá recursos para a adaptação de moradias e sistemas de saúde. Neste último caso, observa-se que o aumento do calor poderia facilmente causar uma epidemia de doenças tropicais, como a malária. Entretanto, é interessante notar que num primeiro momento o aquecimento global poderá trazer benefícios econômicos alguns países ricos e frios do planeta, como o Canadá, a Rússia e os escandinavos. É possível que as safras agrícolas aumentem com o calor, assim como o economia de energia com sistemas de calefação. Por outro lado, outras nações desenvolvidas, como o próprio o Reino Unido, passariam a perder quase 1% de seu PIB agrícola.

O discurso que emerge das conclusões do “Relatório de Stern” parece afiado o suficiente para desfazer a ladainha do governo do presidente americano George W. Bush. Os Estados Unidos, como se sabe, recusam-se a cortar suas emissões alegando o impacto sobre a economia do país. Porém, colocando na ponta do lápis os riscos econômicos que estão embutidos em continuar a poluir a atmosfera, mitigar o aquecimento global é hoje um grande investimento. E ainda: quando mais se demorar para começar a combater o efeito estufa, maior será o custo.

O relatório defende que é preciso “descarbonizar” a atividade econômica, uma vez que desde 1850, todo aumento do consumo per capita é acompanhado por aumento de emissões. Para isso, as políticas desenhadas para conter as emissões deverão permitir que o pico de concentração de gás carbônico na atmosfera seja atingido em 10 anos para depois fazê-la cair a 3% ao ano, o que permitiria chegar a 2050 com uma concentração 25% menor que a prevista (550 partes por milhão). Se deixar para agir só na metade do século, os cortes anuais terão que ser 4 vezes maior.

Os recursos necessário para tal operação equivalem a 1% do PIB mundial, algo “totalmente possível” visto que a perda pode ser de até 20% se nada for feito. Quatro formas de mudar o rumo da economia são apontadas: reduzir o consumo de bens intensivos em emissão, aumentar a efiência no consumo evitando emissões, alterar as matrizes de energia e adotar políticas de desmatamento evitado.

O “Relatório de Stern” foi submetido à apreciação dos maiores economistas vivos do mundo, a maioria deles já ganhadores do Prêmio Nobel. Todos concordaram de que se trata de uma das análises mais precisas sobre a relação custo-benefício de se adotar ou não políticas de combate ao aquecimento global. “Ficou claro que a questão não é se podemos pagar para agir, mas se teremos recursos para pagar no futuro por não termos agido”, pontuou o Nobel de Economia Joseph Stiglitz.

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Notícias
28 de janeiro de 2022

‘Nós não negamos nem desprezamos as causas das mudanças de clima’, defende-se Xico Graziano

Em pedido de resposta, engenheiro agrônomo Xico Graziano, membro do núcleo de campanha de Sergio Moro, diz que candidatura é aliada na luta em defesa do futuro sustentável

Salada Verde
28 de janeiro de 2022

Filhote de onça se esconde em motor de caminhonete, veja vídeo

Onça cutucada com vara curta contraria dito popular e apenas foge. Filmagem tem sido compartilhada em grupos e nas redes sociais. Não se sabe a origem do vídeo

Notícias
28 de janeiro de 2022

Cientistas pedem que países europeus e China boicotem soja e carne brasileira

Em artigo, os pesquisadores denunciam a nova alta de desmatamento na Amazônia e pressionam os países a pararem de comprar soja e carne bovina brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Manoel diz:

    Ou seja… os desqualificados nem escondem que a questão é política. Querem ajudar a quebrar o Brasil de qualquer jeito. E o melhor de tudo é apelaram pra China, como se não fossem os maiores poluentes do mundo. Infelizes…