Reportagens

Estado das aves da Caatinga é avaliado

Instituto Chico Mendes realiza primeira oficina para levantamento de informações sobre 103 espécies, a maioria endêmicas.

Daniele Bragança ·
3 de março de 2011 · 11 anos atrás
Em João Pessoa (PA), onde fica localizado o Centro Nacional de Aves Silvestres, foi concluída a primeira oficina de avaliação do estado de conservação das aves brasileiras. Analistas e técnicos ambientais do Cemave (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres), do Instituto Chico Mendes analisaram 103 tipos diferentes de aves – a maioria endêmica da Caatinga – e concluíram que uma, a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) – foi considerada extinta na natureza, duas criticamente em perigo, nove em perigo, cinco vulneráveis, sete quase ameaçados, nove com dados insuficientes e 70 em situação menos preocupante.

Ainda este ano, serão analisadas espécies da Amazônia, Cerrado e Pantanal. Meta é concluir até 2014 a avaliação de todas as aves brasileiras. Segundo dados do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO), são mais de 1.800 espécies.

As espécies foram avaliadas de acordo com as categorias e critérios da União Mundial para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês).

Fizemos uma lista dos extintos, ameaçados, em perigo e os quase ameaçados para quem sabe, conhecendo melhor, consigamos preservar.

Extinta na Natureza

Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii)

©wikimedia.org
©wikimedia.org
Encontrada exclusivamente no Brasil. Originalmente a espécie ocorria no extremo norte da Bahia, ao sul do Rio São Francisco, na região de Juazeiro. Entrou na lista de extinta na natureza (EW) da IUCN. Só encontrada em cativeiro.

Criticamente em perigo

Soldadinho-do-Araripe (Antilophia bokermanni)

©wikimedia.org
©wikimedia.org
O soldadinho-do-araripe é a única ave endêmica do Ceará. É encontrado nos municípios de Barbalha, Crato e Missão Velha. Tal limitada distribuição o mantém desde sua descoberta, em 1996, na lista de criticamente ameaçados de extinção.

Em 2008 o ((o))eco publicou reportagem sobre esse importante pássaro e de um padrinho muito especial, saiba mais aqui.

Tiriba-de-peito-cinza (Pyrrhura griseipectus)

©wikimedia.org
©wikimedia.org
Também conhecido como periquito-cara-suja. É endêmica do Brasil, ocorre no Ceará e em Pernambuco. A principal ameaça à espécie é o tráfico de animais silvestres.

Em perigo

Beija-flor-de-gravata-vermelha (Augastes lumachella)

©Ciro Albano
©Ciro Albano
Ocorre localmente na cadeia do Espinhaço (Bahia e Minas Gerais).

Papa-formiga-do-sincorá (Formicivora grantsaui)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
Endêmico no estado da Bahia, da Serra de Sincorá entre 850 a 1100 metros de altitude na Chapada Diamantina a qual faz parte da Serra do Espinhaço.

Formigueiro-do-nordeste (Formicivora iheringi)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
Mede 11 cm de comprimento. É endêmica no Brasil, ameaçado por perda de habitat. Encontrada no interior da Bahia e Noroeste de Minas.

Arapaçu-de-wagler (Lepidocolaptes wagleri)

© www.birdforum.net
© www.birdforum.net
Ocorre em Minas Gerais e Bahia, se alimenta de insetos em árvores.

Borboletinha-baiana (Phylloscartes beckeri)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
Vive no sudeste da Bahia, segundo o Wikiaves, – a enciclopédia de aves do Brasil – é encontrada em florestas em altitudes entre 750 e 1200 metros. Ocupa o estrato superior das florestas e segue bandos mistos.

Cara-dourada (Phylloscartes roquettei)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
Ocorre próximo aos rios do Vale do São Francisco, em Minas Gerais. Ameaçada por perda de habitat, essa espécie foi descrita em 1928.

Gravatazeiro (Rhopornis ardesiacus)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
Mede 19 cm de comprimento. Vive numa região de transição entre as florestas de montanha da Mata Atlântica e a caatinga, o que se conhece como mata de cipó. Também ameaçado por perda de habitat.

Tapaculo-da-chapada-diamantina (Scytalopus diamantinensis)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
É endêmica da Chapada Diamantina, onde habita floresta e capoeiras, em altitudes entre 850 e 1600m.

Arapaçu-do-nordeste (Xiphocolaptes falcirostris)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
Pertence a Família dos Dendrocolaptidae, é uma ave que se alimenta de insetos apanhados em árvores. Entre os Arapaçu (são 43 espécies conhecidas no Brasil), apenas o Arapaçu-do-nordeste está listado pelo IUCN como em perigo.

Vulneráveis

Vira-folha (Sclerurus scansor cearenses)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari)

© Marcos Pereira
© Marcos Pereira

Jaó-do-sul (Crypturellus noctivagus zabelê)

 
©wikimedia.org
©wikimedia.org

Maria-do-nordeste (Hemitriccus mirandae)

© Ciro Albano
© Ciro Albano
 

Jacucaca (Penelope jacucaca)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Quase ameaçados

Chorozinho-de-papo-preto (Herpsilochmus pectoralis)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Papa-moscas-do-sertão (Stigmatura napensis bahiae)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva)

© Wikimidia
© Wikimidia

Tico-tico-do-são-francisco (Arremon franciscanus)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Torom-do-nordeste (Hylopezus ochroleucus)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Pintassilgo-do-nordeste (Sporagra yarrellii)

© Ciro Albano
© Ciro Albano

Bacurau-do-são-francisco (Nyctiprogne vielliardi)

© Ciro Albano (The Internet Bird Collection)
© Ciro Albano (The Internet Bird Collection)

A pesquisa revelou ainda nove espécies com dados insuficientes (DD), são esses: O Rabo-branco-de-cauda-larga (Anopetia gounellei); Bacurauzinho-da-caatinga (Caprimulgus hirundinaceus); João-chique-chique (Gyalophylax hellmayri); Chorozinho-da-Caatinga (Herpsilochmus sellowi); Maria-preta-do-nordeste (Knipolegus franciscanus); Maria-preta-de-garganta-vermelha (Knipolegus nigerrimus hoflingi); Bico-virado-da-caatinga (Megaxenops parnaguae); Jacupemba (Penelope superciliaris ochromithra) e Choca-do-nordeste (Sakesphorus cristatus).

Como foi feita a avaliação

As análises foram realizadas em nível de espécie, seguindo-se a nomenclatura do CBRO de 2011. Como material de trabalho, utilizou-se a ficha de cada espécie e mapas de pontos de distribuição e polígonos. Nos casos em que uma subespécie ou população se encontrava com ameaças diferenciadas, declínio populacional, extensão de ocorrência ou área de ocupação muito restritas, optou-se pela avaliação da subespécie ou população.

A avaliação do estado de conservação das espécies é constituída por várias etapas, incluindo a compilação de dados na ficha das espécies, a elaboração de mapas a partir de registros existentes na literatura, a disponibilização para consulta pública e a realização de oficinas para avaliação do estado de conservação. Haverá ainda de ser analisada por um especialista em categorias e critérios da União Mundial para a Conservação da Natureza (IUCN).

Ao final, os participantes dividiram-se em quatro grupos para atualizar as fichas das espécies e submeter os artigos à publicação na Revista da Biodiversidade Brasileira do ICMBio. As fichas estarão disponíveis em breve no site do ICMBio na internet.

Apesar das alterações climáticas não terem sido incluídas no processo de avaliação das espécies, os participantes ressaltaram que é importante considerar essa possibilidade, sendo que mais estudos devem ser realizados para atestar a influência do aquecimento global na probabilidade de extinção dos táxons.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta