Reportagens

Em tempos difíceis, um aporte de peso

Petrobras premia 44 projetos ambientais com R$ 78 milhões. Ainda há muito espaço para investimentos de outras empresas.

Thiago Camara ·
27 de outubro de 2010 · 12 anos atrás
Cerimônia de anúncio dos vencedores. (Foto: Agência Petrobras de Notícias)
Cerimônia de anúncio dos vencedores. (Foto: Agência Petrobras de Notícias)

Na última terça-feira (26) os vencedores do Programa Petrobras Ambiental 2010 foram anunciados após grande expectativa. Tradicionalmente, a empresa é uma das que mais investe recursos financeiros em projetos ambientais pelo Brasil, embora esse montante seja ínfimo perto do que se gasta para poluir. De 2008 para cá (o prêmio é bianual) o aporte aumentou. Entre os 928 projetos inscritos, 44 foram selecionados e vão dividir uma verba de R$ 78,2 milhões, contra R$ 40 milhões e R$ 46 milhões nos anos de 2004 e 2006.

Rômullo Melo, presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), estava presente à cerimônia, realizada na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, e disse que ainda falta muito apoio do empresariado aos projetos ambientais no país. “É óbvio que 44 projetos e R$ 78 milhões nas dimensões do Brasil não é um volume grande, mas é representativo. É muito importante que outras empresas sigam o exemplo da Petrobras e a gente cresça. A percepção que a sociedade brasileira tem sobre a conservação da biodiversidade cresce a cada dia e isso faz com que o estado e outras instituições se agreguem a este processo”, comemora.

No evento, organizações da sociedade civil foram as grandes protagonistas. De toda parte do Brasil, elas comemoravam com entusiasmo o direito de usufruir deste recurso para dar seguimento aos seus projetos. O veterano Guy Marcovaldi, coordenador nacional do Projeto Tamar, incentivou os contemplados, mas fez um alerta. “Falar de meio ambiente e ser acreditado quando o assunto é esse é mais fácil hoje em dia, mas os problemas aumentaram. A superpopulação está aí. Quanto mais gente nascer, mais problemas ambientais teremos. Os projetos de conservação da natureza têm que crescer mais rápido do que o ritmo de crescimento da população”, observa. 

Se as tartarugas chegam às praias do Espírito Santo e Bahia, lá no Piauí também tem gente com os olhos voltados para elas. O projeto Tartarugas do Delta, da Comissão Ilha Ativa (CIA) pretende intensificar seus trabalhos no litoral piauiense. “Nós já fazíamos o cuidado das tartarugas de forma voluntária, mas precisávamos de patrocínio para continuar o trabalho. Como nós atuamos na Área de Proteção Ambiental (APA) do Delta do Parnaíba, nos estados do Piauí, Ceará e Maranhão, vamos continuar em busca de outros recursos”, explica Francinilda Rocha, presidente da CIA.

Já é praxe da Petrobras apoiar projetos sobre conservação da vida marinha, mas este ano houve outros destaques importantes na área socioambiental. Há 41 anos atuando no Norte e no Centro-Oeste, a Operação Amazônia Nativa (OPAN) foi uma das contempladas com um projeto que pretende implementar planos de gestão ambiental em terras indígenas e criar alternativas econômicas sustentáveis. “Este projeto envolve três povos indígenas, três áreas com um total de 1 milhão de hectares de mata em pé. O maior desafio é o entorno das terras indígenas no noroeste do Mato Grosso. Temos lugares muito bem conservados, mas o entorno tomado por um modelo muito predatório de ocupação. O objetivo é conseguir desenvolver o projeto e ampliar para um diálogo com as comunidades próximas e fazê-los pensar na conservação”, propõe Juliana Almeida, antropóloga da OPAN.
 
Os projetos vencedores foram divididos em três linhas de atuação: fixação de carbono e emissões evitadas (16 trabalhos aprovados), recuperação ou conservação de espécies e ambientes costeiros, marinhos e de água doce (15 projetos) e gestão de corpos hídricos superficiais e subterrâneos (13 iniciativas). Os recursos devem ter prazo de execução de 18 a 24 meses.

Dependência “inevitável” do petróleo

Em seu discurso, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, disse que a dependência do mundo moderno ao petróleo é inevitável. Para ele, a substituição dos combustíveis fósseis por energias alternativas não deverá acontecer pelo menos nos próximos 30 anos. “Se nós não aumentarmos em nada o consumo de petróleo de hoje até 2030, como uma produção atual de 85 milhões barris/dia, seria preciso de 45 a 65 milhões de barris só para atender as necessidades de hoje. Se tomarmos as matrizes de fontes primárias, solar, eólica, mares, geotérmicas e somando-as, hoje elas são só 1% da matrizes energéticas mundiais. Se daqui a 10 anos multiplicarmos por 10 a velocidade de crescimento dessas fontes em relação ao petróleo, elas só serão 10%. O petróleo, no entanto, vai continuar crescendo nos próximos trinta anos, é inevitável”, explica.

Veja a lista dos projetos vencedores por região.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.