Reportagens

Licença para transpor

Transposição do São Francisco obtém licença prévia do Ibama e vai abrir licitação, mas cresce a oposição de parlamentares e do Ministério Público contra a obra.

Andreia Fanzeres ·
29 de abril de 2005 · 17 anos atrás

O Ibama concedeu nesta sexta-feira, 29 de abril, a licença prévia para o projeto de transposição do Rio São Francisco. Isso significa que o estudo e o relatório de impacto ambiental do projeto (Eia-Rima) foram aprovados. Com o tão esperado sinal verde, o Ministério da Integração Nacional já anunciou que vai lançar imediatamente o edital de licitação para escolher as empresas que vão executar as obras. Em 45 dias deve concluir essa etapa. A partir daí, só faltará a licença de instalação do Ibama para dar início ao mega-empreendimento.

O governo tem pressa, mas o projeto não deve ter vida fácil. Parlamentares, Ministério Público, governos estaduais e organizações da sociedade civil estão intensificando as ações de resistência à transposição.

Sexta-feira foi mais um dia barulhento. Na pequena e devastada Pirapora (MG), líderes comunitários, universitários, parlamentares de cinco estados e até religiosos se reuniram numa mobilização promovida pela Comissão Interestadual Parlamentar de Estudos para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (Cipe). A Cipe, que conta com deputados e senadores de Minas, Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco, decidiu solicitar formalmente aos governadores de seus próprios estados (doadores das águas da transposição) e dos estados receptores (Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba), horários para pronunciamentos na televisão sobre os danos sociais, econômicos e ambientais que uma intervenção do porte da transposição pode provocar na região. Estrelando a resistência parlamentar à transposição, dois líderes de extremos políticos opostos estiveram em Pirapora: o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) e a onipresente Heloísa Helena (P-Sol-AL). Calheiros prometeu entregar o manifesto da Cipe diretamente ao presidente Lula.

O Ministério Público também dá sinais de que agora não é hora de relaxar. A promotora de Justiça da Bahia Luciana Khoury foi rápida, simples e direta em sua apresentação no 5º Congresso Brasileiro do Ministério Público do Meio Ambiente, no Rio de Janeiro. Mostrou, ponto a ponto, as principais falhas do Eia-Rima que o Ibama acaba de aprovar. Entre os maiores absurdos elencados pela promotora está a interpretação de que quase toda bacia do São Francisco é área de influência indireta das obras, e por isso não foi estudada de forma aprofundada. Segundo ela, o Eia-Rima limitou-se a destrinchar o que pode acontecer ao longo dos eixos da transposição, ou seja, no caminho entre as estações de captação e de recepção. Os impactos da área de abrangência da bacia foram subestimados e não estiveram presentes nos debates com a população. “Não se sabe, por exemplo, o que pode acontecer com a frágil avifauna da caatinga, já que nada foi inventariado. Também não foram discutidas propostas alternativas à grandiosidade da transposição, embora se saiba que medidas bem menos danosas ao meio ambiente, como a instalação de cisternas e barragens subterrâneas em pontos específicos, poderiam sanar o problema de abastecimento de água a quem realmente precisa”, afirmou Luciana Khoury. O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais, José Carlos Carvalho, endossa a promotora, dizendo que cerca de 80% dos recursos do São Francisco vão servir diretamente à irrigação e criação de camarão. “O Eia-Rima não estuda as conseqüências ambientais nas dimensões adequadas. Atém-se a falar da área de influência dos canais, mas a bacia doadora foi absolutamente ignorada”, argumenta o secretário.

Essas e tantas outras críticas que há meses acompanham o questionável processo de licenciamento ambiental das obras da transposição motivaram dezenas de ações civis públicas contra o projeto. A demanda foi tanta que os Ministérios Públicos Estaduais decidiram criar uma coordenadoria interestadual para lidar com a questão do São Francisco. A intenção é integrar as ações e buscar soluções rápidas e comuns. Mesmo assim, nada parece deter o precioso projeto acalentado por Lula e Ciro Gomes.

A questão das audiências públicas foi patente. De acordo com a resolução 01/86 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), as consultas populares são requisitos indispensáveis ao processo de licenciamento. Mesmo assim têm sido encaradas como mera burocracia. Marcadas com pouca antecedência, com horários e datas consideradas ruins, as consultas claramente desconsideravam a participação da população. Entre o final do ano passado e o início deste ano, a Justiça baiana tentou impedir que elas acontecessem no estado por julgar precipitado realizá-las, mas a liminar foi derrubada. A cada audiência marcada, manifestantes contrários ao projeto tentavam impedi-la. Em muitos casos, conseguiram. Nada que abalasse o governo: o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Ibama consideraram todas elas realizadas, deram os episódios por encerrados e levaram adiante o processo a toque de caixa.

Para o Ministério Público, se o licenciamento continua mesmo sem o cumprimento pleno de uma das exigências, trata-se de uma ilegalidade. “Apesar de tudo isso, infelizmente nunca se sabe o que sai da cabeça do juiz”, desafaba o procurador da República do Paraná João Akira Omoto.

Os governos dos dois principais estados da bacia do São Francisco, Minas e Bahia, também esboçaram um “levante federativo”, posicionando-se publicamente contra a transposição e garantindo que por suas terras ela não passaria. Tiro de festim.

Segundo José Carlos Carvalho, ex-ministro do Meio Ambiente que enfrentou resistência semelhante ao projeto no governo Fernando Henrique Cardoso, a decisão de realizar a obra é exclusiva do presidente Lula. “Por mais que tenham se manifestado contra a transposição, os estados não têm poder nenhum para evitá-la”, explica. No entanto, ele avisa que as organizações sociais, o Ministério Público e os parlamentares vão continuar pressionando o governo a adotar uma alternativa mais sustentável para a bacia do São Francisco.

  • Andreia Fanzeres

    Jornalista de ((o))eco de 2005 a 2011. Coordena o Programa de Direitos Indígenas, Política Indigenista e Informação à Sociedade da OPAN.

Leia também

Notícias
28 de janeiro de 2022

‘Nós não negamos nem desprezamos as causas das mudanças de clima’, defende-se Xico Graziano

Em pedido de resposta, engenheiro agrônomo Xico Graziano, membro do núcleo de campanha de Sergio Moro, diz que candidatura é aliada na luta em defesa do futuro sustentável

Salada Verde
28 de janeiro de 2022

Filhote de onça se esconde em motor de caminhonete, veja vídeo

Onça cutucada com vara curta contraria dito popular e apenas foge. Filmagem tem sido compartilhada em grupos e nas redes sociais. Não se sabe a origem do vídeo

Notícias
28 de janeiro de 2022

Cientistas pedem que países europeus e China boicotem soja e carne brasileira

Em artigo, os pesquisadores denunciam a nova alta de desmatamento na Amazônia e pressionam os países a pararem de comprar soja e carne bovina brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Manoel diz:

    Ou seja… os desqualificados nem escondem que a questão é política. Querem ajudar a quebrar o Brasil de qualquer jeito. E o melhor de tudo é apelaram pra China, como se não fossem os maiores poluentes do mundo. Infelizes…