Notícias

Mamíferos aquáticos entram no cardápio de 114 países

Levantamento mostra que mamíferos aquáticos, em especial diferentes espécies de golfinhos, são usados como alimento humano pelo mundo afora.

Vandré Fonseca ·
23 de fevereiro de 2012 · 12 anos atrás
A cena dramática é parte do filme "A Enseada", que mostra o abate de golfinho para consumo de carne e pele, em Taiji, Japão. (Foto: Divulgação)
A cena dramática é parte do filme "A Enseada", que mostra o abate de golfinho para consumo de carne e pele, em Taiji, Japão. (Foto: Divulgação)
Manaus, AM – Mamíferos aquáticos estão no cardápio da população de 114 países. A conclusão é de uma equipe de pesquisadores da Wildlife Conservation Society e da Okapi Wildlife Associates, que durante três anos levantaram informações sobre o abate desses animais para consumo humano em todo o mundo. E nesta lista não constam espécies abatidas acidentalmente ou que servem para capturar outros animais (como é o caso dos botos na Amazônia), são apenas aqueles caçados para encher o prato dos humanos.

No total, o estudo levantou que 87 espécies de mamíferos aquáticos foram utilizadas, desde 1990, para a alimentação humana. “Obviamente, há a necessidade de aumentar o monitoramento de espécies como os golfinhos-corcundas tanto do Oceano Índico quanto do Atlântico e outras espécies”, afirma o diretor do Programa Gigantes do Oceano da WCS, Howard Rosenbaum. “Em áreas mais remotas e em inúmeros países, a necessidade imediata é entender as motivações por trás do consumo de mamíferos aquáticos para desenvolver soluções de proteção destas espécies ícones”, completa.

Espécies obscuras, como o golfinho-de-fraser (como este em um mercado de peixes no Sri Lanka), estão sendo cada vez mais utilizadas como alimento em regiões pobres e com insegurança alimentar. (Foto: Anouk Ilangakoon)
Espécies obscuras, como o golfinho-de-fraser (como este em um mercado de peixes no Sri Lanka), estão sendo cada vez mais utilizadas como alimento em regiões pobres e com insegurança alimentar. (Foto: Anouk Ilangakoon)

Entre as espécies consumidas estão espécies encontradas no Brasil, como os peixe-boi-da-amazônia (Trichechus inunguis) e o peixe-boi-marinho (Trichechus manatus) – o primo deles, o peixe-boi-africano (Trichechus senegalensis), também está na lista — e o boto-de-burmeister (Phocoena spinipinnis). Estão também espécies pouco conhecidas como o golfinho-negro-do-chile (Cephalorhynchus eutropia), baleia-bicuda-pigmeia, (Mesoplodon peruvianus), a baleia-piloto (Globicephala melas) e o boto-de-burmeister (Phocoena spinipinnis), que pode ser encontrado na costa brasileira.  Estão também espécies de água doce, como o golfinho-do-ganges (Platanista gangetica). Até o urso polar (Ursus maritimus) entra nesta história.

Leia também

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Antas “avisam” pesquisadores sobre contaminação humana por agrotóxicos no MS

Além de agrotóxicos como glifosato, moradores do sudeste do estado também apresentaram altos indices de metais no corpo. Antas atuaram como sentinelas

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Pouco mais de mil espécies representam metade das árvores tropicais do planeta, aponta estudo

Publicada na revista Nature, estimativa é de que 2,24% das espécies arbóreas da Amazônia, África e Sudeste Asiático correspondam a 50% dos 800 bilhões de árvores do bioma tropical

Notícias
22 de fevereiro de 2024

CEEE Equatorial terá que isolar fios da rede elétrica para proteger bugios, decide Justiça

Juiz acatou pedido do MP e concessionária de energia que atua na Região Metropolitana de Porto Alegre (RS) terá que adequar o serviço para evitar morte de bugios

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.