Notícias

Freio e cautela nas expectativas para a Rio+20

Especialistas analisam as pautas da Conferência que, através da economia verde, quer explorar caminhos para erradicação da pobreza mundial.  

Nathália Clark ·
12 de agosto de 2011 · 10 anos atrás

Nathália Clark

Ricardo Abramovay: “Não há como prosseguir no combate à pobreza se não houver um movimento drástico e radical de redução do uso dos recursos de energia e matéria”. Crédito: Nathália Clark
Ricardo Abramovay: “Não há como prosseguir no combate à pobreza se não houver um movimento drástico e radical de redução do uso dos recursos de energia e matéria”. Crédito: Nathália Clark
Estão em baixas as expectativas para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, a ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Foi o que assinalaram os palestrantes do Seminário Radar Rio+20 para Jornalistas. Hoje, a humanidade produz riquezas extraindo 60 bilhões de toneladas anuais de matéria da superfície terrestre, o que significa um valor oito vezes maior do que há poucas décadas, afirmou Ricardo Abramovay, professor do Departamento de Economia da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Segundo ele, apesar do excesso de habitantes no planeta ser grave, o maior problema não é o consumo dos pobres, mas o dos ricos. “A china é hoje o maior emissor de gases do efeito estufa. Mas, se for extraído o que o país exporta, essas emissões diminuiriam entre 30 e 40%, e ela deixaria de ser o maior emissor do mundo”, ilustrou.

O evento foi uma parceria do Instituto Socioambiental (ISA), o Instituto Vitae Civilis (VC) e o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces), realizado nesta quinta-feira (11), em Brasília. Economia verde e governança, com objetivo de erradicação da pobreza mundial, são as duas principais pautas da conferência. Entretanto, para Abramovay a principal preocupação não deve ser apenas esta. “Não há a menor chance de se prosseguir no combate à pobreza se não houver um movimento drástico e radical de redução do uso dos recursos de energia e matéria”. Ou seja, se não houver uma mudança radical nos modos de produção, já que o modelo vigente é incompatível com a manutenção de serviços ecossistêmicos básicos.

O problema da economia verde é que o aumento da eficiência no uso de energia não compensa o aumento do consumo e do uso dos recursos. “Devemos rever os padrões a partir dos quais produzimos os alimentos. Temos que saber utilizar melhor as fontes de energia das quais dispomos. A maneira de produzir energia implica decisões que têm efeito de longo prazo”, concluiu Abramovay. De acordo com ele, o crescimento do PIB mundial segue na mesma proporção do uso em intensidade do carvão, por exemplo, um dos grande emissores de gases do efeito estufa.

Vida ‘decente’ depende dos serviços ecossistêmicos

O maior desafio da economia verde, portanto, é reduzir a intensidade material e energética na produção das riquezas. Mas isso só será possível se aqueles que respondem pela fatia maior do consumo o reduzirem drasticamente. “Isso significa que o grande desafio da Rio+20 é saber se serão criados mecanismos que se dirijam antes de tudo para a satisfação das necessidades básicas: um conceito incorporado pelas nações unidas, que corresponde a saúde decente, educação decente, enfim, uma vida decente”, concluiu o pesquisador.

Para Ricardo Abramovay, professor da USP, o problema da economia verde é que o aumento da eficiência no uso de energia não compensa o aumento do consumo e do uso dos recursos. Crédito: IPEA
Para Ricardo Abramovay, professor da USP, o problema da economia verde é que o aumento da eficiência no uso de energia não compensa o aumento do consumo e do uso dos recursos. Crédito: IPEA

O especialista lembrou a situação mundial atual de exaustão física de recursos. Ele acredita que o sistema produtivo deve se voltar para uma vida “decente”. “As empresas devem se perguntar a respeito do real valor daquilo que criam, que não está somente nas contas da economia. Por exemplo, a indústria automobilística tem responsabilidade sobre o trânsito de São Paulo e sobre a qualidade do ar que a gente respira”, explicou Abramovay.

Tony Gross, sócio fundador do ISA, e Pedro Ivo Batista, conselheiro da Associação Alternativa Terrazul, não demonstraram muita confiança nos resultados práticos da conferência, mas ressaltaram a importância de garantir a participação plural e ampla da sociedade civil no processo de tomada de decisão de políticas públicas. “Nós não temos muitas expectativas com a Rio+20. Mas, em compensação, a expectativa é alta no sentido de oportunidade de diálogos e mobilizações entre a própria sociedade e intersetorial (sociedade, empresas, parlamento). Apostamos muito na sinergia da sociedade”.

Um dos poucos deputados presentes, Ivan Valente lembrou que decisões nacionais interferem no contexto mundial. “O que se viu aqui no debate do Código Florestal vai contra todos os compromissos e protocolos que o Brasil assinou. Uma bancada ruralista mandante é um ‘rombo no casco’ de quem quer ser protagonista. O país não pode querer liderar o debate ambiental se permitir a alteração do Código”, frisou.

{iarelatednews articleid=”25096,24844,24830,19904″}


  • Nathália Clark

    Nathalia Clark é jornalista na área de meio ambiente, desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas, justiça social e direitos humanos.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta