Salada Verde

É tempo de algodão. Tempo de agrotóxicos

Área plantada aumenta 56% na safra de 2011. Parcela de variedade orgânica ainda é insignificante.

Redação ((o))eco ·
29 de março de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Celso Calheiros

Algodão BRS Topásio, melhoramento feito pela Embrapa. Esperança é que variedade orgânica diminua uso de inseticidas. (foto: Flávio Tôrres de Moura)
Algodão BRS Topásio, melhoramento feito pela Embrapa. Esperança é que variedade orgânica diminua uso de inseticidas. (foto: Flávio Tôrres de Moura)
O Brasil se tornou a bola da vez quando o assunto é algodão. A cultura responsável por consumir cerca de 20% de todo o inseticida produzido no mundo está em franco crescimento no país.

Mato Grosso tem 700 mil hectares plantados, a Bahia possui 350 mil e, em todo o território brasileiro, a Embrapa estima 1,3 milhão de ha. É um aumento de 56% na área plantada na safra passada.

O técnico agrícola Waltemilton Cartaxo, da Embrapa Algodão, na Paraíba, acredita que as perspectivas indicam, inclusive, aumento da área plantada para as próximas safras. “O preço está excepcional, praticamente três vezes o valor histórico de R$ 40 por arroba (pouco mais do que 14,6 quilos) de pluma”. É o maior preço dos últimos 140 anos. De acordo com Waltemilton, a quebra da safra na Austrália, devido a enchentes, contribuiu para o preço internacional em alta.

Bom para os negócios agrícolas, bom para quem vende inseticida. O algodão é uma cultura que atrai pragas, explica Waltemilton. Além de tradicionais, como o bicudo do algodoeiro, broca da raiz, três tipos de lagartas e o pulgão, uma característica da cultura é apontada como indutora da praga: a monocultura. E a logística da cultura do algodão pede grandes extensões dedicadas ao mesmo plantio, acrescenta o técnico da Embrapa.

É difícil estimar a quantidade de defensivo utilizada em determinada área plantada, até mesmo por técnicos experientes da Embrapa Algodão. “Cada tipo de defensivo agrícola possui recomendações específicas, a depender da região do país, do tipo de defensivo e da forma como ele será aplicado”, esclarece Waltemilton Cartaxo.

Aos que defendem as terras livres dos tóxicos, há uma réstia de luz no fundo do túnel. A Embrapa Algodão estimula na Paraíba a produção de algodão orgânico no modelo agroecológico. Nessas culturas, todo controle de pragas é feito sem qualquer participação química. Os 2 mil ha cultivados por 700 núcleos de agricultura familiar produzem algodão branco e colorido no semiárido. Praticamente toda a produção é destinada ao mercado externo, que valoriza o produto com um preço 50% acima do convencional, explica o engenheiro agrônomo Fábio Albuquerque, também da Embrapa Algodão, de Campina Grande, Paraíba.

O algodão colorido é uma atração a mais entre os tipos orgânicos. Os projetos com assistência da Embrapa Algodão produzem BRS Topázio, BRS Verde, RS Rubi e BRS Safira. “O BRS Topázio possui a fibra mais comprida e é mais sedoso, mais fino”, explica Fábio Albuquerque. O algodão com cor natural tem como benéfico a redução no uso de pigmentos e a redução de efluentes industriais a serem tratados. As novidades são alentadoras, mas ainda não valem uma comemoração. A produção orgânica, no Brasil, não representa 0,2% do total cultivado com defensivos agrícolas.

Leia também

Notícias
28 de janeiro de 2022

‘Nós não negamos nem desprezamos as causas das mudanças de clima’, defende-se Xico Graziano

Em pedido de resposta, engenheiro agrônomo Xico Graziano, membro do núcleo de campanha de Sergio Moro, diz que candidatura é aliada na luta em defesa do futuro sustentável

Salada Verde
28 de janeiro de 2022

Filhote de onça se esconde em motor de caminhonete, veja vídeo

Onça cutucada com vara curta contraria dito popular e apenas foge. Filmagem tem sido compartilhada em grupos e nas redes sociais. Não se sabe a origem do vídeo

Notícias
28 de janeiro de 2022

Cientistas pedem que países europeus e China boicotem soja e carne brasileira

Em artigo, os pesquisadores denunciam a nova alta de desmatamento na Amazônia e pressionam os países a pararem de comprar soja e carne bovina brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Manoel diz:

    Ou seja… os desqualificados nem escondem que a questão é política. Querem ajudar a quebrar o Brasil de qualquer jeito. E o melhor de tudo é apelaram pra China, como se não fossem os maiores poluentes do mundo. Infelizes…