Salada Verde

Brasília às escuras na Hora do Planeta

Evento promovido pela WWF bateu recorde de adesões em 2011. O Congresso Nacional, a Catedral e o memorial de JK foram apagados no sábado.

Redação ((o))eco ·
28 de março de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

“Apague as luzes para ver um mundo melhor”. Este foi o slogan da Hora do Planeta 2011, que aconteceu neste último sábado, dia 26 de março. O evento é um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF. Com ele, governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante 60 minutos.

A Hora do Planeta 2011 bateu recorde de participação desde que o evento global é realizado no Brasil, há três anos.

Em 2010, mais de um bilhão de pessoas em 128 países, apagaram as luzes. Em 2011, a mobilização foi ainda maior, com a adesão de 13 novos países.

No Brasil, o Rio de Janeiro foi a capital sede do evento. Com ela, chegou a 20 o número de capitais nacionais que aderiram ao blackout. Outras 123 cidades participaram da mobilização.

Na Capital Federal, o Congresso Nacional também aderiu ao movimento.  Em Brasília, tiveram as luzes apagadas o Palácio do Buriti e Anexo, o Memorial JK, o Teatro Nacional, a Catedral, o Complexo Cultural da República, o Memorial dos Povos Indígenas, e a Ponte JK.

Em contraste com o Museu Nacional e a Catedral às escuras, uma fila luminosa de lanternas e faróis se movimentava na Esplanada dos Ministérios. Carros a perder de vista.(Nathália Clark)

Leia também

Notícias
13 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia em setembro chega perto de 1000 km², aponta INPE

Sistema de alertas Deter indica que este é o segundo pior setembro da série histórica. Números ficam atrás apenas de 2019, quando os alertas indicaram perda de 1.454 km²

Notícias
13 de outubro de 2021

Área de pasto cresceu 200% na Amazônia nos últimos 36 anos

Atualmente, pastagens ocupam 154 milhões de hectares em todo país, área equivalente a quase todo estado do Amazonas, mostra levantamento do Mapbiomas

Colunas
13 de outubro de 2021

10 livros para mergulhar em conservação, parte 3: o canto do dodô

Dando sequência na série sobre grandes livros da conservação, apresento a obra-prima do jornalista David Quammen, um livro de um não-cientista que qualquer cientista teria orgulho de ter escrito

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta