Salada Verde

Nova espécie de rato no Cerrado

Mamífero arborícola foi encontrado por pesquisadores luso-brasileiros em fragmentos florestais naturais do rio Araguaia.

Redação ((o))eco ·
16 de março de 2011 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Nova espécie de roedor Rhipidomys ipukensis descoberta na bacia do rio Araguaia por pesquisadores luso-brasileiros. Crédito: Divulgação
Nova espécie de roedor Rhipidomys ipukensis descoberta na bacia do rio Araguaia por pesquisadores luso-brasileiros. Crédito: Divulgação
A última edição da revista científica Zootaxa, no dia 11 de março, publicou um artigo sobre uma nova espécie de mamífero descoberta no Cerrado brasileiro. O Rhipidomys ipukensis, é um rato arborícola encontrado na transição Cerrado-Amazônia, numa região ao longo do Rio Araguaia, no estado do Tocantins.

A descoberta foi fruto da cooperação luso-brasileira entre a Universidade de Aveiro (UA), em Portugal, a Universidade Federal do Tocantins, a Universidade Federal do Espírito Santo e o Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical (Ecotropical). Foi enviada ao local uma equipe do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) e do Departamento de Biologia (DBio) da UA, coordenada pelo professor e biólogo Carlos Fonseca.

A pesquisa fez parte do estudo de doutorado da bióloga Rita Gomes Rocha, doDBio e CESAM/UA, que permaneceu longos períodos na estação de campo, em colaboração com Bárbara Costa e Leonora Costa (Universidade Federal do Espírito Santo).

A bióloga dedicou os quatro anos pesquisando as comunidades de roedores e marsupiais de uma região brasileira muito pouco estudada, ao longo de uma das maiores bacias hidrográficas do Cerrado.

Através de intensa amostragem de campo, ocorridas entre junho de 2007 e novembro de 2008, além de análises genéticas e morfológicas realizadas na Universidade do Espírito Santo, Rita Rocha e colegas descreveram a espécie. O holótipo desta espécie está depositado no Museu Nacional, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O roedor está associada ao habitat denominado “Ipuca”, nome dado aos fragmentos florestais naturais que ocorrem na planície aluvial do rio Araguaia. Estes fragmentos estão altamente ameaçados devido à intensa exploração agrícola na região.

Foi descoberto também que há duas espécies irmãs: R. ipukensis, que ocorre no lado leste do rio, no Estado do Tocantins e R. emiliae, que ocorre no lado oeste do rio, já nos Estados do Pará e Mato Grosso. Segundo os biólogos, análises moleculares revelaram que o Araguaia teve papel fundamental na separação dessas espécies. Estes resultados estão de acordo com o modelo de especiação por efeito de barreira dos rios, inicialmente proposto por Alfred Russel Wallace em 1852.

Os pesquisadores acrescentam que estes estudos não estão inteiramente concluídos. Por isso, é provável que em breve mais descobertas sejam feitas quanto à fauna de roedores e marsupiais deste bioma bastante particular e desconhecido, como resultado dos trabalhos efetuados pelas equipes do DBio e CESAM/UA, em colaboração com instituições universitárias e de pesquisa brasileiras. (Nathália Clark)

Veja também

Araguaia: jóia ameaçada
C
errado na Berlinda

Leia também

Notícias
24 de abril de 2024

Na abertura do Acampamento Terra Livre, indígenas divulgam carta de reivindicações

Endereçado aos Três Poderes, documento assinado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e organizações regionais cita 25 “exigências e urgências” do movimento

Reportagens
24 de abril de 2024

Gilmar suspende processos e propõe ‘mediação’ sobre ‘marco temporal’

Ministro do STF desagrada movimento indígena durante sua maior mobilização, em Brasília. Temor é que se abram mais brechas para novas restrições aos direitos dos povos originários

Notícias
24 de abril de 2024

Cientistas descobrem nova espécie de jiboia na Mata Atlântica

A partir de análises moleculares e anatômicas, pesquisadores reconhecem que jiboia da Mata Atlântica é diferente das outras, e animal ganha status de espécie própria: a jiboia-atlântica

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.