Salada Verde

A dragagem e as ilhas Cagarras

Descarte de resíduos da Baía de Guanabara perto das ilhas Cagarras pode ameaçar unidade de conservação.

Redação ((o))eco ·
18 de outubro de 2010 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Zona Sul do Rio de Janeiro e arquipélago das Cagarras (foto: André Ribeiro - Creative Commons)
Zona Sul do Rio de Janeiro e arquipélago das Cagarras (foto: André Ribeiro – Creative Commons)

O que era pra ser um encontro para formalizar o Conselho Gestor do Monumento Natural das Ilhas Cagarras (RJ) tornou-se uma atuação antecipada deste conselho. Em pauta, a dragagem de sedimentos no entorno da Baía de Guanabara. Mas a principal preocupação dos membros da sociedade civil e de instituições de pesquisa e pesca é o local de descarte destes resíduos que estão sendo levados até o Monumento Natural.

A mobilização sobre o assunto começou na internet num grupo de discussão do qual fazem parte os futuros conselheiros e continuou na manhã desta quinta-feira, 14 de outubro, no Clube Marimbás, em Copacabana. Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) estiveram no local e junto com a Coppe, da UFRJ, e a equipe de apoio a fiscalização da Secretária dos Portos, explicaram que o processo de dragagem está sendo feito com monitoramento via satélite e sem prejudicar o ambiente do local de descarte. “O comportamento do ambiente antes da dragagem é o mesmo desde o início. Em nossos relatórios constatamos que não houve mudança na qualidade da água, na qualidade dos sedimentos e nas condições gerais”, afirma Cristina Randazzo, Engenheira Civil Ambiental da Coppe/UFRJ.

Mergulhador há mais de trinta anos, Luiz Augusto de Araujo conhece a realidade das Ilhas Cagarras e junto com outros participantes discorda do local escolhido para a dispersão dos sedimentos. “O descarte está sendo feito corretamente, com o monitoramento adequado, mas o ponto escolhido para esta atividade é ruim porque está em paralelo ao Monumento Natural. Ou seja, se bate um vento leste esses sedimentos facilmente vão chegar às ilhas. O posicionamento ideal seria o descarte por fora da Ilha Rasa”, aponta ele.

A preocupação com a conservação do monumento natural adiou a oficialização do Conselho Gestor, mas segundo Sylvia Chada, do Instituto Nacional Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), o encontro já demonstra a disposição dos conselheiros para o trabalho. “Nós só poderíamos tratar de assuntos como este depois que o conselho estivesse formado, mas de uma certa forma já estamos fazendo a gestão da área. E é importante que esta iniciativa venha dos atores envolvidos com a unidade de conservação, afinal o ICMBio só coordena esses encontros, quem vai cuidar mesmo do local é essa sociedade civil organizada”, comemora ela.

Ao final do encontro um grupo de trabalho, com membros do futuro conselho, foi constituído para apresentar soluções para o descarte de sedimentos junto ao Inea, que por sua vez colocou-se à disposição para encontrar uma melhor solução para o Monumento Natural. (Thiago Camara)

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta