O relatório sobre o Clima de 2009 da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos EUA (NOAA) foi divulgado e apresenta 10 indicadores chaves para o mesmo prognóstico: as evidências científicas de que o planeta está esquentando são inequívocas.

Baseado em dados de diversas fontes, o relatórios define 10 parâmetros utilizados para mensurar a temperatura global. Sete indicadores estão aumentando: temperatura do ar nos continentes, temperatura na superfície dos oceanos, temperatura do ar sobre os oceanos, nível do mar, calor oceânico, umidade e temperatura da troposfera (camada da atmosfera mais próxima da superfície terrestre. E três indicadores diminuem: gelo ártico, glaciais e cobertura de neve no hemisfério norte.

Veja na imagem abaixo os dez indicadores utilizados. Sendo que as flechas mostram as tendências de aumento ou diminuição. (tradução abaixo da imagem)

A expectativa é de que sete destes indicadores estariam aumentando em um mundo mais quente e as observações mostram que de fato eles estão aumentando. Entre os três indicadores cuja expectativa seria de decréscimo, existe, de fato, um decréscimo.

(1) Dez indicadores de um mundo em aquecimento
(2) Temperatura do ar próxima a superfície (troposfera)
(3) Umidade 
(4)Glaciares
(5) Temperatura sobre os oceanos
(6) Cobertura de neve
(7) Temperatura da superfície do oceano
(8) Nível dos oceanos
(9) Extensão do gelo do mar
(10) Quantidade de calor nos Oceanos
(11) Temperatura sobre a terra

Os dados provém de instituições globais, que utilizaram fontes variadas de coleta de infomações, como satélites, balões metereológicos, estações metereológicas, navios e pesquisas de campo. Mais de 300 cientistas integrantes de 160 grupos de pesquisa em 48 países contribuíram para o relatório que confirma que a última década foi a mais quente entre os registros, o que indica que a Terra vem aquecendo-se nos últimos 50 anos.

O estudo demonstra que, para entendermos as tendências climáticas do planeta é preciso olhar para os registro históricos para além das variações anuais naturais, como o El Niño e La Niña, e assim estabelecer uma previsão. Nesse estudo verificou-se que as três últimas décadas foram mais quentes do que as anteriores. Em 1980 tinha-se o registro da década mais quente, que foi ainda mais “fresca” do que a de 1990. Os anos seguintes mantiveram esse aquecimento.
 
“O aumento de um grau Fahrenheit na temperatura dos últimos 50 anos pode parecer algo pequeno, mas já alterou nosso planeta. Glaciais e geleiras então derretendo, chuvas se intensificando e ondas de calor são mais comuns e, como o relatório nos aponta, agora existe evidência de que 90% do aquecimento dos últimos 50 anos passou para nossos oceanos”, diz Deke Arndt, co-editor do relatório e chefe do Monitoramento climático do Centro Nacional de dados climáticos do NOAA.

O relatório enfatiza que as sociedades humanas desenvolveram-se sobre uma condição climática que agora sofre modificações. Todas as informações apontam para a mesma conclusão: o planeta está esquentando, o que consistirá em um clima mais quente, áreas que sofrerão secas severas, chuvas torrenciais e tempestades violentas.

Na imagem abaixo, os dados sobre anomalias na temperatura dos oceanos. O mapa a) mostra as temperaturas de 2009 comparadas com a média histórica e o mapa b) a comparação entre 2009 e 2008. Utilize os cursores no canto inferior direito para aproximar as imagens. 


Mais informações
: NOAA  http://www.climate.gov