Colunas

A “verdade” construída com mentirinhas

Políticos ruralistas afirmam que o Brasil possui 60% de áreas protegidas. Esse número absurdo foi construído com ajuda de ambientalistas.

27 de abril de 2012 · 12 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

Na Quarta, 25, durante os debates que acompanharam a votação da reforma do Código Florestal, até presidentes de partidos políticos diziam que o Brasil possui “mais de 60% de sua extensão territorial em áreas protegidas”. Quanta ignorância. Como é possível que tenhamos deputados tão desinformados ou demagógicos? Depois refleti e concluí que eles talvez não estejam equivocados, estão apenas usando números vazios.

Eles usam o artifício de somar coisas que teoricamente parecem verdade, mas são de mentirinha. O negócio é começar somando as gigantescas e inúteis Reservas da Biosfera de dezenas de milhões de hectares com as terras indígenas e as dos quilombos, que crescem sem cessar, mais as áreas de proteção ambiental e outras semelhantes, onde quase tudo é permitido, o que é o caso das reservas extrativistas. Finalmente, adicionem-se aí as mínimas áreas verdadeiramente protegidas, embora apenas por lei, e talvez cheguemos a algo como essa cifra enganosa, para inglês ver. Ela agora é usada alegremente pelos promotores das emendas mais nefastas do reformado Código Florestal, que o Congresso aprovou nessa quarta-feira, 25 de abril.

“A verdade sem sofismas é que o Brasil não tem sequer 10% de sua extensão territorial em áreas protegidas”

Esse texto é um desabafo. Todas essas áreas supostamente de proteção foram criadas por uma mistura de ambientalistas ingênuos unidos a outros de fachada. Acabaram ajudando a construir o falso argumento de que a quantidade de áreas protegidas no Brasil é excessiva.

A verdade sem sofismas é que o Brasil não tem sequer 10% de sua extensão territorial em áreas protegidas ou unidades de conservação. Destas, dois terços não estão implantados, são intenções vazias escritas em papéis oficiais, em decretos que raramente são cumpridos. A maior parte é de áreas abandonadas à própria sorte, terras de ninguém que o Estado ou os estados ignoram.

Em plena vigência do Código Florestal vimos praticamente se acabar com o bioma Mata Atlântica, que possui hoje somente cerca de 7% de sua área original e, mesmo esta, bastante degradada. A mesma coisa aconteceu na Caatinga, com 11% restantes, e com o Cerrado, onde restam 40% em péssimo estado, e “ in extremis” a Mata de Araucária, que possui hoje menos de 200.000 hectares espalhados em ilhas esparsas e diminutas.

Nessa quarta, assistimos a chamada bancada ruralista usar e abusar de números que não têm correspondência com a realidade. Eles foram dados de bandeja pelos ambientalistas que criaram essa fantasia, fruto de exageros. Na quarta, esses exageros saíram caro e municiaram os adversários.

Leia também

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Notícias
24 de julho de 2024

Empresas ainda veem com ceticismo a “Lei Rouanet da Reciclagem”, recém regulamentada

Como obstáculos, instituições representativas do setor mencionam pouca transparência e dificuldade de acesso aos recursos anunciados, além de ausência de toda a cadeia produtiva

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.