Colunas

Ecoturismo na Ilha da Magia

Em vez de bem utilizá-lo no turismo, é triste assistir a destruição do maior tesouro de Florianópolis ou Santa Catarina: a sua natureza.  

22 de agosto de 2011 · 11 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

 

Baleia Franca na costa de Santa Catarina. Crédito: Marcos Nunes (marcosnunes.net)
Baleia Franca na costa de Santa Catarina. Crédito: Marcos Nunes (marcosnunes.net)
É triste a gente assistir a destruição paulatina do que Florianópolis ou Santa Catarina têm de melhor e mais bonito: sua natureza. Esses dias mesmo a mídia deu fartamente a notícia de que Florianópolis é uma das cidades que mais planta árvores no mundo. É realmente de arrepiar, pois parece uma piada de mau gosto. Porque plantar uma ou outra árvore enquanto se desmata e se queima milhares por dia, enquanto se sobe os morros com mais casas e casebres, destruindo tudo que há pela frente? Enquanto se aterram os mangues, as nascentes e se destroem as restingas, a mata atlântica, as araucárias para fazer condomínios de luxo e chamados de ecológicos e assim por diante?  Parece que o jeito é a gente rir. Mas o importante mesmo é dar opções aos prefeitos e demais autoridades constituídas do que se pode fazer para reverter o quadro da destruição e se ganhar ou se desenvolver com as alternativas.

Uma delas sem sombra de dúvidas é o ecoturismo bem feito, bem planejado, bem executado. Por aqui não se faz isto. O desenvolvimento aqui sempre é entendido como mais construções, mais aterros, mais estradas, mais shoppings, mais portos, mais navios com milhares de turistas e quase tudo anárquico feio e sujo. Um dos bons exemplos é a praia do Pântano do Sul onde os golfinhos se enredam nas redes de pescadores, não obstante todo o interesse que os bichos despertam mais que tudo nas crianças. A bela praia é o caminho de caminhões de entrega de gás, com seu ruído característico, outros caminhões de entrega de produtos aos bares e restaurantes locais, e os carros dos residentes e dos turistas. Pântano do Sul é um exemplo de tudo que não se deve fazer em uma praia, ou, ao contrário, de como tornar feio e sujar um local que, sem os desmandos, seria paradisíaco.

Como todo mundo sabe a Ilha da Magia enche no verão por quem busca belas praias. Assim a cidade tem uma infraestrutura turística até que razoavelmente adequada, em termos de hotéis, pousadas e restaurantes caros. A Serra do Estado de Santa Catarina enche no inverno por quem quer ver neve.

No inverno as praias ficam vazias e a infraestrutura subutilizada. No verão penam as cidades da serra.

Baleias Francas

Por mais que se escreva não há como fazer as autoridades constituídas entenderem que, por exemplo, é no inverno que chegam aqui em nossas praias as maravilhosas baleias francas  para procriarem e amamentarem seus filhotes e que ver baleias francas com suas crias é algo muito especial, excitante e raro e que por estes mesmos motivos a avistagem das baleias poderia desenvolver ou contribuir com milhões de reais se tudo fosse bem organizado e factível. Não se precisa muitos recursos de investimentos. É bem mais fácil do que se pode pensar. Os recursos (as baleias) aí estão de julho até outubro. É só alguns prefeitos viabilizarem algumas trilhas, mirantes, guias e a informação diária onde estão os imensos mamíferos. Ontem mesmo eu as vi dando um show maravilhoso na praia de Gamboa, no município de Paulo Lopes, à uma hora de Florianópolis. É a terceira vez que vou vê-las no mesmo local este ano e levo filhos, netos, parentes e amigos. Meus amigos ontem ficaram extasiados com o espetáculo. Para vê-las de cima em um costão adentramos em uma propriedade particular onde há gado. O proprietário, boa gente, não se incomoda que alguns turistas cheguem por lá. Ele e a prefeitura de Paulo Lopes poderiam colocar uns cartazes, fazer uma trilha adequada, um mirante e alguma propaganda e ter centenas de turistas por dia enquanto as baleias francas lá estão amamentando seus filhotes, ou seja, de julho até outubro. Mas isso é verdade para Siriú, Garopaba e muitas outras praias. Em Garopaba e Imbituba, dentro da APA da Baleia Franca existe algumas empresas que fazem a avistagem por embarcações. Mas nada impede que aqueles que queiram gastar menos e vê-las por terra, possam fazê-lo com toda a tranquilidade possível. As prefeituras e os proprietários das terras particulares poderiam claro, cobrar ingresso para que os turistas adentrassem em mirantes e trilhas adequados.

O monitoramento de onde elas estão dentro dos limites da APA da Baleia Franca é feito pelo Projeto Baleia Franca, e está disponível na internet, mas fora dos limites da APA, por exemplo, na Ilha de Santa Catarina ou Florianópolis, por incrível que possa parecer o monitoramento não é feito. Há países onde a avistagem de baleias traz recursos de milhões de dólares e nós aqui em Santa Catarina desprezamos este recurso natural que aí está à nossa disposição para se desenvolver algumas cidades e bairros.

O exemplo da baleia é gritante, no que concerne ao ecoturismo, mas poder-se-ia acoplar ao mesmo a disponibilidade de se ver os lanços e as pescas da tainha e da anchova. Sobre as baleias francas já escrevi aqui mesmo no oeco a matéria Baleias Desprestigiadas em Santa Catarina e nada aconteceu, mas vou continuar a bater na tecla. Quem sabe os prefeitos ou o governador me chamem para dar uma sugestão sobre o assunto? Ou quem sabe vão estar informados das matérias do oeco sobre as suas possibilidades de ecoturismo em seu privilegiado estado?

Papagaios e o Tabuleiro

Na Serra em Urupema, a partir de março chegam os milhares de papagaios charões e este fenômeno significa a maior concentração de papagaios do mundo, mas ninguém vai vê-los ou sabe sobre o fenômeno natural. Só sabem comer e disputar os pinhões com os belos papagaios. Não vou me deter sobre os papagaios, pois recentemente já publiquei uma coluna aqui mesmo sobre o assunto A Visita Anual dos Papagaios.

Outra possibilidade de ecoturismo no nariz das autoridades é a do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, com seus 70.000 hectares de mata atlântica, completamente abandonado à própria sorte. Não há como visita-lo em sua parte alta, não obstante todo seu enorme potencial. Não há trilhas guiadas para se ver suas cachoeiras, seus animais raros e ameaçados de extinção ou endêmicos, não há observadores de aves, nem guias preparados, nem centro de visitantes, nem nada. Porque deixar-se um Parque desta magnitude absolutamente sem uso turístico? Para que continuem invadindo, diminuindo de tamanho, queimando, caçando, coletando palmito e fazendo toda série de desmandos e irregularidades possíveis?

Acordem autoridades de Santa Catarina. A natureza lhes presenteou com recursos naturais únicos e magníficos. Porque insistem em jogá-los no lixo? É só displicência ou é falta de conhecimento ou é, também, o querer o desenvolvimento a qualquer custo que só pode favorecer os corruptos?

Leia também

Notícias
8 de agosto de 2022

Por falha no processo, extinção do Parque Estadual Cristalino II é anulada (por enquanto)

Três dias após ter decidido pela extinção, Justiça de Mato Grosso mantém validade do decreto de criação da unidade. Certidão de "trânsito em julgado” foi tirada da ação

Reportagens
8 de agosto de 2022

Empresa que disse cancelar usina próxima à área da ararinha-azul mantém estudos para licenciamentos

O levantamento para um parque eólico e a autorização para uma usina fotovoltaica ainda constam em sistema de órgão ambiental baiano

Notícias
5 de agosto de 2022

Países pobres receberam só 8% do financiamento climático

Relatório da OCDE mostra que nações ricas ficaram US$ 17 bi abaixo da meta de financiamento para 2020 e 70% do recurso foi empréstimo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta