Reportagens

Horta suspensa da escola esquecida

No interior do Distrito Federal, escola cultiva alimentos orgânicos e hidropônicos, com benefícios à alimentação e ao ensino. Iniciativa está inscrita no Prêmio von Martius de Sustentabilidade.

Redação ((o))eco ·
19 de setembro de 2008 · 13 anos atrás

Hortas na escola rural servem ao ensino de várias disciplinas, como o amor à terra. (Foto: Aldem Bourscheit)
Hortas na escola rural servem ao ensino de várias disciplinas, como o amor à terra. (Foto: Aldem Bourscheit)

No interior do Distrito Federal, escola cultiva alimentos orgânicos e hidropônicos, com benefícios à alimentação e ao ensino. Iniciativa está inscrita no Prêmio von Martius de Sustentabilidade.

O Centro de Ensino Fundamental (CEF) São José está a cerca de 70 quilômetros do centro de Brasília. Espaço para mais de 250 filhos de trabalhadores em um núcleo rural cercado por fazendas onde a monocultura de milho e soja reina absoluta. É o tipo de lugar que vê político só em ano de eleição, quando muito. Até esta altura de 2008, nenhum deles sujou o sapato na poeira vermelha daquele pedaço de Cerrado, contam os professores.

Enfrentando as dificuldades comuns ao ensino nos interiores do Brasil, a escola completa o parco orçamento com bingos, rifas, doações e festas comunitárias. Apesar de quase esquecida pelos governantes, esbanja teimosia, força de vontade e criatividade. Ingredientes que usou para construir hortas com alimentos orgânicos e hidropônicos. Agora, a alimentação será mais saudável e não dependerá só dos repasses oficiais de alimentos.

Cultivo orgânico de legumes e verduras na CEF São José. (Foto: Aldem Bourscheit)
Cultivo orgânico de legumes e verduras na CEF São José. (Foto: Aldem Bourscheit)

No espaço livre de agrotóxicos e outros insumos químicos (ao lado), alface, couve, brócolis, beterraba, repolho e outros vegetais crescem em fileiras irrigadas e adubadas com esterco. Insetos são combatidos com venenos naturais. Ao lado, um minhocário começará em breve a fornecer mais nutrientes à horta.

O centro das atenções, todavia, são as duas estufas com alface e temperos cultivados longe do solo, no sistema de hidroponia, inauguradas esta sexta (19). Inspirados na experiência de uma produtora do município vizinho de Formosa, já em Goiás, os professores do CEF São José usaram telhas de fibrocimento como base para a horta suspensa. A água aditivada com nutrientes chega até os sulcos e raízes com a ajuda de uma pequena bomba elétrica. Depois, segue na carona da gravidade até um tanque, de onde volta a circular.

O modelo é simples e pode ser replicado em pequenas propriedades rurais. Os alimentos crescem duas vezes mais rápido do que na terra e a economia de água chega a até quatro vezes se comparada com a irrigação convencional, conta Gilvan Mateus de Oliveira, diretor da escola. “Uma alface hidropônica pode ser colhida em 30 dias, enquanto que na terra é necessário o dobro do tempo”, disse.

 
Alunos na apresentação da horta hidropônica
Alunos na apresentação da horta hidropônica
 
(Fotos: Aldem Bourscheit)
(Fotos: Aldem Bourscheit)

Com o projeto, explica o diretor, a escola quer despertar e fixar o interesse de alunos e familiares pela agricultura orgânica ou de pequena escala. Seus desejos, pelo visto, estão se realizando. A construção das hortas contou com mãos e enxadas de pais, professores, alunos e até de motoristas de ônibus escolares, como o descendente de índios Carajá Manassés Souza Lima. Aos estudantes cabem os cuidados diários, o que fazem mesmo em feriados e fins de semana. “O que fazemos na escola ajuda no trabalho em casa. E o lanche ficou bem melhor”, disse Wéber Chaves, aluno da 7ª série e filho de produtores rurais.

Plantas medicinais da Farmácia Viva. (Foto: Aldem Bourscheit)
Plantas medicinais da Farmácia Viva. (Foto: Aldem Bourscheit)

Além das pequenas lavouras livres de agrotóxicos, repletas de legumes e verduras que saem dali direto para as panelas da cozinha, foi montada uma “farmácia” com remédios naturais (imagem ao lado). Assim, além de aprender e repassar aos pais novas técnicas agrícolas, os alunos descobrem que dor de barriga se trata com chá de sete-dores (boldo) ou que um resfriado se combate com uma infusão de funcho ou hortelã. Mais economia, desta vez evitando remédios industriais.

Rotina alterada, para melhor

O dia-a-dia dos alunos também foi transformado pelas oportunidades de ensino proporcionadas pelas hortas. Elas estão alavancando debates sobre uso da terra, artes, sustentabilidade, alimentação, ciclo de vida e até sobre a preservação do Cerrado. “Horta também é sala de aula”, ressalta a professora de Ciências Biológicas Alence da Silva Braga.

A experiência agradou tanto a professores, alunos e comunidade que acabou inscrita na edição deste ano do Prêmio Von Martius de Sustentabilidade, promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha e apoiado por uma série de entidades nacionais e estrangeiras. A entrega aos vencedores será dia 11 de novembro, em Curitiba (PR).

“Nosso objetivo maior não é o prêmio, mas chamar a atenção de organizações não-governamentais e do governo, para conseguir mais apoio ao projeto e à escola”, completou o diretor Gilvan de Oliveira.

Leia também

Notícias
28 de janeiro de 2022

‘Nós não negamos nem desprezamos as causas das mudanças de clima’, defende-se Xico Graziano

Em pedido de resposta, engenheiro agrônomo Xico Graziano, membro do núcleo de campanha de Sergio Moro, diz que candidatura é aliada na luta em defesa do futuro sustentável

Salada Verde
28 de janeiro de 2022

Filhote de onça se esconde em motor de caminhonete, veja vídeo

Onça cutucada com vara curta contraria dito popular e apenas foge. Filmagem tem sido compartilhada em grupos e nas redes sociais. Não se sabe a origem do vídeo

Notícias
28 de janeiro de 2022

Cientistas pedem que países europeus e China boicotem soja e carne brasileira

Em artigo, os pesquisadores denunciam a nova alta de desmatamento na Amazônia e pressionam os países a pararem de comprar soja e carne bovina brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Manoel diz:

    Ou seja… os desqualificados nem escondem que a questão é política. Querem ajudar a quebrar o Brasil de qualquer jeito. E o melhor de tudo é apelaram pra China, como se não fossem os maiores poluentes do mundo. Infelizes…