Reportagens

Gelo da Groenlândia teve derretimento recorde em julho

Cientistas pensaram que havia erro nas medições de satélite, quando as imagens mostraram derretimento por 97% da superfície em 4 dias.

Guardian Environment Network ·
25 de julho de 2012 · 9 anos atrás
The Guardian Environment Network
Artigos da rede que reúne os melhores sites ambientais do mundo, selecionados pelo diário inglês The Guardian.
Imagem: Nasa
Imagem: Nasa
Recorde em 4 dias

“Foi o segundo evento extraordinário na Groenlândia em uma questão de dias. O primeiro foi a separação de um iceberg do tamanho de Manhattan, que se despreendeu da geleira Petermann. Contudo, a medição do rápido derretimento foi vista como mais grave”

O conjunto de imagens divulgadas pela Nasa na terça-feira mostra um degelo rápido entre 8 e 12 de Julho. Dentro desse período de quatro dias, as medições de três satélites indicam uma expansão rápida da área do fenômeno, de um derretimento de cerca de 40% da camada de gelo para 97% da sua área.

Ao longo de três décadas, Zwally fez viagens quase todos os anos à Groenlândia, e disse nunca ter visto um derretimento tão rápido.

Durante um verão típico, cerca de metade do gelo na superfície da Groenlândia derrete. Entretanto, Zwally afirmou que ele e outros cientistas têm registrado uma aceleração desse processo ao longo das últimas décadas. Este ano, na estação suíça onde fica com sua equipe, ele teve de reconstruir o acampamento quando os suportes de gelo se fundiram.

Zwally ficou impressionado ao ver nas imagens indicações de derretimento mesmo em torno da área da Estação Summit, que fica a uma altitude de cerca de 2 quilômetros acima do nível do mar.

Foi o segundo evento extraordinário na Groenlândia em uma questão de dias. O primeiro foi a separação de um iceberg do tamanho de Manhattan, que se despreendeu da geleira Petermann. Contudo, a medição do rápido derretimento foi vista como mais grave.

“Se você olhar a imagem de 8 de julho, ela poderia ser o limite máximo de aquecimento visto no verão”, disse Zwally. “Houve períodos em que o degelo pode ter ocorrido brevemente em altitudes mais elevadas — talvez por um ou dois dias — mas vê-lo ocorrer em toda a Groenlândia, como desta vez, é inusitado, certamente para o período que temos registros de satélite”.

Lora Koenig, outra glaciologista do Centro Goddard, disse à Nasa que um derretimento semelhante ocorre a cada 150 anos. Mas alertou que, pontencialmente, havia amplas implicações do degelo deste ano. “Se continuarmos a observar eventos de fusão como este nos próximos anos, será preocupante”.

As consequências mais imediatas são o aumento do nível do mar e um maior aquecimento do Ártico. No centro da Gronelândia, a presença do gelo vai até 3.000 metros de profundidade. Nas bordas, no entanto, a camada de gelo é tremendamente mais fina e está derretendo para dentro do mar.

O derretimento da camada de gelo é um fator importante na elevação do nível do mar. Os cientistas atribuem cerca de um quinto do aumento anual do nível do mar, que é cerca de 3 milímetros a cada ano, ao derretimento do gelo da Groenlândia.

No caso da fusão extrema deste mês, Thomas Mote disse que há evidências de que ele possa ser consequência de uma redoma de calor sobre a Groenlândia. Ou, então, uma forte frente de ar quente.

Esta redoma de calor, acredita-se, chegou sobre a Groenlândia em 08 de julho e se manteve até o dia 16 de Julho.


*Publicado através da parceria de ((o))eco com a Guardian Environment Network (veja a versão original). Tradução de Eduardo Pegurier


 

Leia também

Notícias
13 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia em setembro chega perto de 1000 km², aponta INPE

Sistema de alertas Deter indica que este é o segundo pior setembro da série histórica. Números ficam atrás apenas de 2019, quando os alertas indicaram perda de 1.454 km²

Notícias
13 de outubro de 2021

Área de pasto cresceu 200% na Amazônia nos últimos 36 anos

Atualmente, pastagens ocupam 154 milhões de hectares em todo país, área equivalente a quase todo estado do Amazonas, mostra levantamento do Mapbiomas

Colunas
13 de outubro de 2021

10 livros para mergulhar em conservação, parte 3: o canto do dodô

Dando sequência na série sobre grandes livros da conservação, apresento a obra-prima do jornalista David Quammen, um livro de um não-cientista que qualquer cientista teria orgulho de ter escrito

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta