Download PDF
As queimadas na floresta amazônica continuam envergonhando o Brasil perante o mundo. Nesta imagem tirada em 10 de outubro, largas colunas de fumaça se erguem de campos recém desmatados nas margens do rio Xingu.  Crédito: Sensor MODIS, satélite Aqua, NASA.

As queimadas na floresta amazônica continuam envergonhando o Brasil perante o mundo. Nesta imagem tirada em 10 de outubro, largas colunas de fumaça se erguem de campos recém desmatados nas margens do rio Xingu. Crédito: Sensor MODIS, satélite Aqua, NASA.

Como resumir o ano em 12 imagens? Talvez nada represente melhor as questões ambientais do que os registros feitos pelos satélites que orbitam o nosso planeta. 2011 foi um ano que reescreveu o livro dos recordes, devido às tempestades, enchentes e acidentes que causaram danos em diversos países. Mas os satélites não apenas captaram mazelas, como mostraram a beleza dos ciclos naturais em nosso planeta.

Vejam abaixo a seleção das imagens de 2011:

Janeiro – Desastres na Região Serrana do Rio de Janeiro

Nesta composição feita sobre o Google Earth, por Oton Barros, do INPE, com imagens do satélite de alta resolução GeoEye, é possível ver o antes e depois dos deslizamentos na cidade de Nova Friburgo, Rio de Janeiro. As chuvas torrenciais na região no dia 12 de janeiro, causaram a morte de 809 pessoas.

Nesta composição feita sobre o Google Earth, por Oton Barros, do INPE, com imagens do satélite de alta resolução GeoEye, é possível ver o antes e depois dos deslizamentos na cidade de Nova Friburgo, Rio de Janeiro. As chuvas torrenciais na região no dia 12 de janeiro, causaram a morte de 809 pessoas.

Fevereiro – A nevasca mais forte em 100 anos

Esta imagem feita em 15 de fevereiro pelo sensor MODIS, da NASA, a bordo do satélite Aqua mostra parte da península da Coreia coberta por neve . Esta foi a nevasca mais forte registrada em 100 anos e deixou centenas de pessoas isoladas.

Esta imagem feita em 15 de fevereiro pelo sensor MODIS, da NASA, a bordo do satélite Aqua mostra parte da península da Coreia coberta por neve . Esta foi a nevasca mais forte registrada em 100 anos e deixou centenas de pessoas isoladas.

Março – Enchentes na Austrália

Imagem feita no dia 8 de março pelo sensor MODIS, da NASA, a bordo do satélite Terra, mostra o inchaço do Channel Country, no sul do Austrália. Essa foi apenas uma das regiões afetadas em todo o país que teve no verão entre 2010 e 2011, o recorde de chuvas desde que as medições foram iniciadas.

Imagem feita no dia 8 de março pelo sensor MODIS, da NASA, a bordo do satélite Terra, mostra o inchaço do Channel Country, no sul do Austrália. Essa foi apenas uma das regiões afetadas em todo o país que teve no verão entre 2010 e 2011, o recorde de chuvas desde que as medições foram iniciadas.

Abril – Seca e fome no Chifre da África

Esta análise de anomalias na vegetação foi feita no mês de abril pelo sensor AVHRR (Advanced Very High Resolution Radiometer) no satélite NOAA-18 POES. A cor marrom indica a severidade da seca que deixou milhares de pessoas sem comida nas regiões mais pobres da África.

Esta análise de anomalias na vegetação foi feita no mês de abril pelo sensor AVHRR (Advanced Very High Resolution Radiometer) no satélite NOAA-18 POES. A cor marrom indica a severidade da seca que deixou milhares de pessoas sem comida nas regiões mais pobres da África.

Maio – Enchente no Mississipi registrada por astrounauta

A bordo da estação espacial internacional (ISS), astronautas captaram com uma Nikon D2X essa imagem que mostra o rio Mississipi nos estados de Missouri e Tenesse, nos Estados Unidos engolfando fazendas.

A bordo da estação espacial internacional (ISS), astronautas captaram com uma Nikon D2X essa imagem que mostra o rio Mississipi nos estados de Missouri e Tenesse, nos Estados Unidos engolfando fazendas.

Junho – Grande queimada no Arizona

A seca no sul dos Estados Unidos e no México causou uma grande quantidade de queimadas e incêndios florestais. Um dos maiores ocorreu nas montanhas do Arizona, iniciado no dia 29 de maio e com duração de duas semanas. Esta imagem foi captada pelo sensor MODIS, no satélite Aqua, no dia 4 de junho.

A seca no sul dos Estados Unidos e no México causou uma grande quantidade de queimadas e incêndios florestais. Um dos maiores ocorreu nas montanhas do Arizona, iniciado no dia 29 de maio e com duração de duas semanas. Esta imagem foi captada pelo sensor MODIS, no satélite Aqua, no dia 4 de junho.

Julho – Mais um ano de fogo na Rússia

Depois de enfrentar as maiores queimadas florestais já registradas em 2010, a Rússia voltou a ser castigada por nuvens de fumaça que alcançaram cidades do leste do país. A imagem foi registrada pelo sensor MODIS, satélite Aqua, no dia 28 de julho.

Depois de enfrentar as maiores queimadas florestais já registradas em 2010, a Rússia voltou a ser castigada por nuvens de fumaça que alcançaram cidades do leste do país. A imagem foi registrada pelo sensor MODIS, satélite Aqua, no dia 28 de julho.

Agosto – Furacão Irene atingiu os EUA

2011 confirmou a previsão de que devido ao aquecimento dos oceanos, a mundo terá furacões mais frequentes e mais intensos. Em agosto, o furacão Irene atingiu a costa leste dos Estados Unidos com ventos de 140 km/h deixando milhões sem eletricidade. Foto do sensor MODIS, satélite Aqua, dia 27 de agosto.

2011 confirmou a previsão de que devido ao aquecimento dos oceanos, a mundo terá furacões mais frequentes e mais intensos. Em agosto, o furacão Irene atingiu a costa leste dos Estados Unidos com ventos de 140 km/h deixando milhões sem eletricidade. Foto do sensor MODIS, satélite Aqua, dia 27 de agosto.

Setembro – A beleza de um vulcão em Kamchatka

Essa bela imagem captada no dia 5 de setembro utilizando filtros de cor do sensor ASTER, a bordo do satélite Terra, mostra o vulcão Kizimen na península Kamchatka, no leste da Rússia. Em cinza pode ser ver a lava descendo pelas paredes do vulcão.

Essa bela imagem captada no dia 5 de setembro utilizando filtros de cor do sensor ASTER, a bordo do satélite Terra, mostra o vulcão Kizimen na península Kamchatka, no leste da Rússia. Em cinza pode ser ver a lava descendo pelas paredes do vulcão.

Outubro – Aeroporto de Bangcok embaixo da água

A Tailândia enfrentou em 2011 a pior enchente registrada nos últimos 50 anos. Milhares de pessoas tiveram que deixar suas casas, a produção de alimentos e de outros bens que abastecem o mundo foram interrompidas. No final de outubro a tomada da capital Bangcok pelas águas se tornou realidade. Foto do dia 29 de outubro pelo sensor ALI, a bordo do satélite EO-1, da NASA.

A Tailândia enfrentou em 2011 a pior enchente registrada nos últimos 50 anos. Milhares de pessoas tiveram que deixar suas casas, a produção de alimentos e de outros bens que abastecem o mundo foram interrompidas. No final de outubro a tomada da capital Bangcok pelas águas se tornou realidade. Foto do dia 29 de outubro pelo sensor ALI, a bordo do satélite EO-1, da NASA.

Novembro – Uma enorme rachadura na Antártica

A imagem fascinante feita pelo sensor ASTER, satélite Terra, NASA, no dia 13 de novembro revela a enorme rachadura que se formou no glaciar Pine Island no Oeste do continente antártico. A rachadura de 19 km de extensão levantou mais uma vez preocupações sobre o ritmo de derretimento das calotas polares. O Pine Island reduz 100 metros sua extensão a cada ano.

A imagem fascinante feita pelo sensor ASTER, satélite Terra, NASA, no dia 13 de novembro revela a enorme rachadura que se formou no glaciar Pine Island no Oeste do continente antártico. A rachadura de 19 km de extensão levantou mais uma vez preocupações sobre o ritmo de derretimento das calotas polares. O Pine Island reduz 100 metros sua extensão a cada ano.

Dezembro – Um click do planeta por dia

A poucos dias do fim do ano, a NASA divulgou a primeira imagem do sensor Visible Infrared Imager Radiometer Suite (VIIRS) no satélite NPOESS. A imagem na realidade foi feita no dia 24 de novembro, mas o feito foi comemorado quase um mês depois: pela primeira vez, teremos um registro total do planeta feito por um único satélite.

A poucos dias do fim do ano, a NASA divulgou a primeira imagem do sensor Visible Infrared Imager Radiometer Suite (VIIRS) no satélite NPOESS. A imagem na realidade foi feita no dia 24 de novembro, mas o feito foi comemorado quase um mês depois: pela primeira vez, teremos um registro total do planeta feito por um único satélite.