Fotografia

Um outro caminho para a Índia

Expedições de fotógrafo indiano em reservas e parques nacionais no sudoeste de sua terra natal revelam uma região fascinante, com paisagens únicas e rica biodiversidade.

Aditya Swami ·
2 de junho de 2009 · 12 anos atrás

apresentação de Gustavo Faleiros

Aditya Swami é um fotógrafo jovem com experiências de profissional. Nascido no estado de Tamil Nadu, no extremo sul da Índia, já se aventurou pelas mais diversas paisagens do país, de Kashmir aos pés do Himalaia. Adi, como é conhecido, tem 23 anos e é estudante de mestrado em Ciências Ambientais pela Universidade de Anglia Oriental, no Reino Unido. Com seus estudos, pretende tornar-se um fotógrafo que não apenas retrate as belezas da natureza, mas entenda os desafios que espécies e habitats enfrentam.

Este ensaio com 20 fotos de Aditya foi feito entre os anos de 2006 e 2007, quando fez uma imersão nas reservas e parques nacionais do distrito de Nilgiris, no sudoeste da Índia (veja mapa aqui). Nas imagens, conhecemos um pouco melhor um dos habitats mais ameaçados de todo o planeta, os ghats ocidentais. Para clicar primatas, aves, elefantes e outras espécies raras das florestas e montanhas, o fotógrafo passou um ano vivendo na região.

Click here to see the english version of the slideshow

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta