Fotografia

Jubartes em Abrolhos

Foram oito dias no mar, em setembro de 2009, para documentar a vida das baleias jubarte no Brasil e os esforços de pesquisa para a conservação.

Luciano Candisani ·
30 de março de 2010 · 12 anos atrás

Todos anos, entre os meses de junho e outubro, milhares de baleias jubarte nadam ao longo do litoral da Bahia, principalmente ao redor das águas do arquipélago dos Abrolhos. A presença massiva dessas criaturas gigantes – com até 16 metros e 40 toneladas – se revela em aparições tão furtúitas quanto emocionantes: a força da nadadeira caudal exposta antes do mergulho , os borrifos da respiração, partes da cabeça e do corpo. E grandes saltos , o ápice do exibicionismo a associado `a espécie. Mas as reais dimensões de uma jubarte só podem ser sentidas de dentro de seus domínios submarinos. Alí, no silêncio da imensidão azul e cristalina do oceano aberto, o corpo colossal outrora associado a mitológicos mostros marinhos revela os contornos elegantes e os movimentos delicados de um mamífero totalmente adaptado `a vida na imensidão fluida e salgada do planeta.

O fotojornalista Luciano Candisani, da national Geographic Brasil e International League of Conservation Photographers –ILPC passou 8 dias no mar, em setembro de 2009, para documentar a vida das Jubartes no Brasil e os esforços de pesquisa para a conservação da espécie.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta