Notícias

Um macaco sem galhos: guariba-de-mãos-ruivas

"Cada macaco no seu galho" diz o ditado popular. Mas, para o homenageado da semana em ((o))eco, galhos estão cada vez mais em falta.

Redação ((o))eco ·
29 de março de 2013 · 9 anos atrás

 legenda: O guariba, do seu galho, observa. Alta Floresta, Mato Grosso. Foto: crijnfotin /Flickr
legenda: O guariba, do seu galho, observa. Alta Floresta, Mato Grosso. Foto: crijnfotin /Flickr

Hoje, sabemos que o Brasil conta em seu território com 103.870 espécies animais, a maior diversidade biológica do planeta. Neste impressionante número, estão cerca de 77 espécies de primatas. E aí se esconde uma espécie de macaco que talvez não seja tão conhecida do público: o guariba-de-mãos-ruivas (Alouatta belzebul) – também conhecido por guariba, guariba-de-mãos-vermelhas, guariba-preta ou bugio-de-mãos-ruivas – primata endêmico do Brasil.

O guariba prefere áreas de vegetação aberta de transição com alta frequência de babaçus. Também pode ser encontrado em florestas de várzea e matas ciliares e, até, em vegetação de mangue. Não é difícil achá-lo: tem grande porte, medindo até 1 metro de comprimento da cabeça à cauda, e pesando entre 6,5 e 8,0 Kg, machos, e 4,8 e 6,2 Kg, fêmeas. Sua pelagem preta (as vezes marrom-escura) é curta e áspera, com mãos, pés e porção final da cauda avermelhados. A cauda preênsil, auxilia na lenta locomoção quadrupedal de um macaco que raramente salta.

Os A. belzebul vivem em grupos de 2 a 14 indivíduos liderados por um macho adulto. Os machos costumam vocalizar para determinar a localização do seu grupo e de outros, bem como para defender seu território de invasões.

A gestação, que ocorre a cada dois anos, dura mais de 150 dias, gerando um único filhote. Nas primeiras 3 semanas de vida, eles são carregados pela mãe junto ao ventre; em seguida, ficam agarrados no dorso. As fêmeas cuidam dos filhotes até o desmame que ocorre depois de 15 meses de vida. Ao atingir a maturidade sexual, entre 36 e 40 meses de vida, os machos se afastam do grupo.

Sua dieta é predominantemente de flores, folhas e frutos verdes ou maduros. Esta dieta sofre alterações sazonais, com predominância de frutos na estação chuvosa, e de folhas na estação seca. Também consomem cupinzeiros para auxiliar na absorção de compostos secundários e como complemento mineral.

A espécie enfrenta a ameaça de extinção

O A. belzebul é um animal pouco ativo, de movimentos lentos, que passa mais de 70% de seu tempo em descanso, a outra parte é gasta em atividades de alimentação. Esta característica o torna ameaçado pela caça e, nada surpreendente, é considerada como “Vulnerável” pela IUCN. Outro motivo, talvez mais relevante, é a sistemática redução de seus habitats: a Mata Atlântica e da Floresta Amazônica. O Resultado é a significativa queda nos últimos 36 anos da população do guariba, sendo que as populações do Nordeste encontram-se em estado crítico pela lista do ICMBio, tendo menos de 200 indíviduos.

“Cada macaco no seu galho”, diz a expressão popular. Mas o que será do macaco quando acabarem os galhos?

 

 

 

 

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta