Notícias

O voo cada vez mais raro da Harpia ou Gavião-real

A ave de rapina que pela força e velocidade inspirou brasões militares, hoje se limita a uma fração do terrritório em que já reinou. Foto: Nivaldo Arruda/Flickr

Redação ((o))eco ·
28 de dezembro de 2012 · 9 anos atrás
Foto: Nivaldo Arruda/Flickr

O último animal homenageado em 2012 por ((o))eco é a Harpia (Harpia harpyja). O penacho em forma de coroa a levou a ser conhecida também por Gavião-real ou Gavião-de-penacho.  Seu tamanho e ferocidade levaram exploradores europeus a compararem essas magníficas aves a monstruosas criaturas mitológicas da Grécia antiga, que exibiam forma meio-águia, meio-mulher.

Há Harpias do México à Argentina. No Brasil, a espécie era encontrada em todas as matas do país, mas hoje raramente é vista fora da Amazônia.

Pesa quase 10 quilos e tem uma envergadura de mais de 2 metros. Embora não seja a maior ave de rapina do mundo, é uma das mais poderosas.

Figura em brasões de várias entidades brasileiras, como no brasão de armas do estado do Paraná, no símbolo do 4º Batalhão de Aviação do Exército Brasileiro e no símbolo do Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

Se alimenta de animais de médio porte, como preguiças, cachorros-do-mato, filhotes de veados e até mesmo de grandes macacos como os bugios, caçados em plena luz do dia com investidas curtas e velozes, feitas após horas de observação das presas do alto das árvores.

A perda de habitat é talvez a principal ameaça à Harpia ou Gavião-real, pois exige largas áreas para viver e caçar. A caça humana também é um problema, pois ela é perseguida por ser considerada um perigo para animais domésticos. Está classificada na categoria Quase Ameaçada (NT) pela lista vermelha da IUCN. Foto: Nivaldo Arruda/Flickr.

 

Leia Também 

Muriqui: o povo afetivo da floresta

O melhor do ano em ((o))eco: Fotografia

 

 

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta