Notícias

São Paulo impermeabilizada

Capital paulista se nega a seguir exemplo de cidades que resolveram seus problemas com enchentes, como Seul, que revitalizou rio com criação de parques lineares em suas margens

Redação ((o))eco ·
10 de setembro de 2009 · 13 anos atrás

Mesmo sofrendo com enchentes cada vez piores, São Paulo não vislumbrará tão breve um projeto de recuperação de margens de rios e desimpermeabilização do solo. O governador José Serra mantém a proposta de ampliação da Marginal Tietê – ao custo de R$ 1,3 bilhão -, como alternativa para desafogar o trânsito na região, idéia considerada equivocada por muitos especialistas.

O engenheiro Roberto Watanabe, da Universidade de Campinas, por exemplo, sugere que São Paulo siga a experiência de Seul. Após 20 anos de programa de despoluição do rio Han (o projeto de despoluição do Tietê já tem quase isso), na capital sul-coreana, o governo decidiu que era hora de permeabilizar as margens, e construir áreas de lazer para seus habitantes, com a criação de parques lineares.

Em dois anos de execução do projeto Han River Renaissance, o governo de Seul já conseguiu inaugurar três parques ao redor do rio e outros espaços verdes estão programados até 2013. Todos são ligados por ciclovias, acesso para pedestres, metrô ou ônibus. Para sua execução, foram diminuídas as pistas que percorrem 40 quilômetros ao longo das margens do rio. Nos próximos três anos, 18 quilômetros de asfalto desaparecerão. Cerca de 60 milhões de pessoas visitam os parques anualmente.

Em maio, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, esteve lá para conhecer o projeto, mas a visita parece não ter refletido em suas decisões sobre a capital paulista. O Ministério Público Estadual, por sua vez, acha que ainda faltam estudos sobre os impactos da impermeabilização do solo no local e, ontem (9), solicitou que a obra seja suspensa.

O vídeo acima conta um pouco mais do projeto Han River Renaissance, confira.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.