Salada Verde

Obra de Jirau ainda vai mal

Até o governo de Rondônia questiona procedimentos para a obra da usina de Jirau, no Rio Madeira. Mais um capítulo de atropelo à legislação em nome do progresso à moda brasileira.

Salada Verde ·
13 de maio de 2009 · 15 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Em ofício endereçado ao presidente do Ibama Roberto Messias, o governo de Rondônia levanta novas questões sobre o conturbado licenciamento da usina hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira, maior afluente do Amazonas. Confira o documento aqui. Entre as falhas cometidas pelo consórcio Enersus (Suez, Eletrosul, Chesf e Camargo Corrêa), está a falta de pedido para inundação da Floresta Estadual de Rendimento Sustentável do Rio Vermelho, ausência de estudos sobre o real tamanho da área a ser alagada (o governo estadual aponta mais de dez quilômetros quadrados), além da falta de outros documentos e desrespeito à legislação. Todos motivos suficientes para a não concessão das licenças para início das obras, o que o Ibama já fez. Ministérios públicos Federal e Estadual já recomendaram a suspensão das licenças, inclusive pela mudança em cerca de nove quilômetros no local da barragem, sem novos estudos de impacto ambiental.

Leia também

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Notícias
24 de julho de 2024

Empresas ainda veem com ceticismo a “Lei Rouanet da Reciclagem”, recém regulamentada

Como obstáculos, instituições representativas do setor mencionam pouca transparência e dificuldade de acesso aos recursos anunciados, além de ausência de toda a cadeia produtiva

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.